<
>

UFC: Amanda Ribas lamenta não encarar Carla Esparza e mira luta contra Michelle Waterson

play
Chimaev dá aula para John Phillips, quem nocauteou há três meses, e o ajuda com dicas antes de luta (0:29)

Depois, no octógono, o lutador foi derrotado por Park Jun-Yong (0:29)

Em julho deste ano, após superar Paige VanZant, Amanda Ribas pediu um duelo diante de Carla Esparza, ex-campeã do peso palha (52 kg) do UFC. Depois de ter sua solicitação aceita pela americana, o Ultimate iniciou uma negociação para as duas se enfrentarem no dia 12 de dezembro deste ano, no UFC 256, que deve acontecer em Las Vegas (EUA). Porém, a alegria da brasileira de ter esse desafio pela frente durou pouco.

Recentemente, Esparza, sem citar a razão que a motivou, pediu para o combate ser adiado para janeiro de 2021, deixando Amanda sem adversária. Embora mantenha o desejo de encarar a ex-detentora do título, a brasileira, em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, ratificou a vontade de permanecer no evento que estava especulada para atuar. A atleta tem até em mente quem gostaria de encarar.

“Foi chato, porque desde que venci minha última luta eu tinha pedido pela vencedora da Carla Esparza com a Marina Rodriguez. A Carla respondeu dizendo que aceitaria e eu fiquei empolgada. Tinha uma chance da gente lutar em outubro e parece que ela pediu para adiar para dezembro. Agora parece que ela pediu para adiar para janeiro. Eu estava me preparando para a luta, mas eu já sabia que não ia dar. Não sei o que aconteceu. Teve um boato que poderia ser COVID-19. Se for eu desejo a melhor recuperação para ela, vou estar esperando para janeiro. Mas eu gostaria de lutar em dezembro (risos). Estou em um ritmo bom, tirando bem o peso, então quero aproveitar e lutar em dezembro”, disse a lutadora, antes de citar sua oponente favorita para entrar na vaga de Carla.

“O UFC ainda não falou comigo, mas eu gostaria de enfrentar a Michelle (Waterson), porque ia ser uma lutaça. Ela está bem no ranking e eu estou buscando enfrentar quem está na minha frente para poder subir. O público ia gostar de ver essa luta. Eu adoro os chutes dela, são bonitos e vai dar para poder mostrar minha trocação”, completou.

Apesar da lamentação por não encarar Esparza, Amanda Ribas teve um grande motivo para comemorar na última semana. Na mais recente atualização do ranking do UFC, a brasileira apareceu pela primeira no top 10 dos palhas, na décima colocação.

“Em quase dois anos de UFC já estou no top 10. É legal demais. Estava chateada da lutar ter sido adiada, mas me ver no top 10 foi muito bom. Para muitos que estão acostumados com o UFC pode parecer besteira esse negócio, mas para mim é: ‘Estou entre as dez melhores do mundo do MMA’. Isso me dá mais motivação para treinar mais duro e pegar as melhores”, celebrou a atleta natural de Varginia (MG).

No MMA profissional desde 2014, Amanda Ribas soma dez vitórias e apenas uma derrota em seu cartel. A mineira, que estreou pelo UFC em junho de 2019, já superou quatro adversárias em sequência no octógono mais famoso do mundo: Emily Whitmire, Mackenzie Dern, Randa Markos e Paige VanZant, respectivamente.