<
>

Com estreia confirmada no Bare Knuckle, Thiago Pitbull mira título inédito para a ATT

Após 14 anos no UFC, Thiago ‘Pitbull’ saiu da maior organização de MMA do mundo em busca de outros desafios. O brasileiro assinou contrato com o Bare Knuckle FC, evento de boxe sem luvas, e vai fazer sua estreia no dia 19 de setembro, ainda sem local confirmado. Com seu debute se aproximando, o brasileiro destacou a empolgação de realizar uma nova etapa na carreira e mira realizar um feito histórico.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o peso-meio-médio (77 kg) listou motivos para ficar ainda mais confiante antes de sua primeira luta. O lutador aprovou sistema de rounds do BKFC e também adiantou que o estilo de luta do seu próximo adversário lhe é favorável. Além disso, o brasileiro afirmou que sua meta é trazer um cinturão inédito para a equipe American Top Team. Atualmente, como destaque, a equipe possui dois cinturões do UFC com Amanda Nunes, no peso-galo (61 kg) e peso-pena (66 kg).

“Só muda a organização, mas o foco é o mesmo. Buscar a vitória e trazer um cinturão para a ‘ATT’ que a gente não tem. Então seria muito maneiro trazer um. Vou cair para dentro, o estilo de luta me favorece. São dois minutos de ação e um de descanso. Estou bem mais motivado. A gente passa 15 anos fazendo a mesma coisa meio que desaparece um pouco a motivação. Não de lutar, que é fácil para mim, faço a minha vida toda e sei o que tem que fazer. Estou 36 anos, com desafio novo e é emocionante. Muito bom fazer parte disso”, afirmou.

A mudança de modalidade também não é uma questão de tirar o sono de Thiago ‘Pitbull’. Pelo contrário. O ex-desafiante ao cinturão dos meio-médios do UFC afirmou que já participou de eventos sem luva e que não vê grande diferença para sua preparação – apenas com uma ressalva.

“Estou amarradão, vai ser irado. Lutei sem luva no Brasil, mas era MMA. Mas missão dada é missão cumprida. Vou estar preparado. Não vai mudar muita coisa, até porque a luva de MMA são quatro onças. Sem luva você pode quebrar a mão mais rápido, então tem que ser mais preciso, jogar mais velocidade no rosto, bater mais pesado no corpo, que é maior. Mas tirando isso, não muda muita coisa”, explicou.

Sem lutar desde dezembro de 2019, quando fez sua última atuação pelo Ultimate, Thiago Alves tem se mantido em forma ajudando os companheiros de equipe. Atualmente o atleta faz parte do staff de treinadores da ‘ATT’ e, com isso, participa de camps de diversos competidores do time. Conforme o ex-UFC, ter essa função o faz crescer ainda mais como profissional e o ajuda durante seus compromissos.

“Me ajuda muito como lutador, me faz focar nos detalhes, ser mais preciso e entender a luta no geral. Isso me ajuda demais. É muito bom fazer parte de um time que ajudei a construir, um time que estou há 18 anos. Ver essa transformação que teve e fazer parte do time me empolga para melhora o nível”, contou.

No MMA profissional desde 2001, Thiago ‘Pitbull’ tem 23 vitórias e 15 derrotas. Já no Ultimate, que foi sua casa desde 2005, o brasileiro possui 15 triunfos e 12 reveses na franquia. Seu melhor momento aconteceu em 2009, quando enfrentou o canadense Georges St-Pierre, pelo cinturão dos meio-médios. No entanto, o lutador natural de Fortaleza (CE), acabou derrotado por decisão unânime dos jurados.