<
>

UFC: 'Durinho' culpa relaxamento de quarentena na Flórida pelo seu teste positivo de COVID-19

No último sábado (4), Gilbert ‘Durinho’ testou positivo para coronavírus e, dessa maneira, foi retirado do UFC 251, que será realizado na Ilha da Luta’, em Abu Dhabi (EAU), onde ele enfrentaria Kamaru Usman, pelo cinturão dos meio-médios (77 kg) da franquia. Ainda triste com o fato que o tirou do evento do próximo fim de semana, o brasileiro culpou o relaxamento da quarentena no estado da Flórida (EUA), onde ele mora para justificar o resultado do seu exame.

Em entrevista à ESPN, o número um do ranking da categoria afirmou que tem visto muitas pessoas não respeitando o protocolo de segurança na Flórida, sem usar máscaras e nem adotando o distanciamento social. Por isso, o lutador adiantou que acredita que pode ter sido contraído dessa maneira. Além disso, ‘Durinho’ revelou que outros atletas da Hard Knocks 365 também testaram positivo para COVID-19.

“O problema é que a Flórida se abriu, foi isso. Na Flórida as pessoas não estão usando máscaras, as pessoas estão andando por toda parte. Então eu acho que foi assim que conseguimos. Acho que a primeira pessoa que conseguiu foi Kenny, um técnico brasileiro. Depois disso, foi o Aung La Nsang – campeão do ONE. E então, alguns pesos pesados, e depois fui eu. E outro cara acabou de me mandar uma mensagem; ele está fora de uma luta na LFA porque também testou positivo”, afirmou o lutador, antes de completar o raciocínio.

“Não estamos seguros em lugar algum. Temos que ficar em casa. Acredito que o treinamento vai terminar. Temos que fechar a academia pela segunda vez, esperar e fazer com que todos sejam testados, e depois abrir novamente. Acho que não é uma coisa de academia, acho que é uma coisa da Flórida, porque aqui está tudo acabado. Os números estão subindo e acabamos sendo pegos”, concluiu.

Após cinco vitórias seguidas no Ultimate, Gilbert ‘Durinho’ vive sua melhor fase na organização desde que fez sua estreia, em 2015. Em sua última apresentação, em maio deste ano, o brasileiro superou o ex-campeão da divisão Tyron Woodley, por decisão unânime dos jurados e o que o credenciou para lutar pelo título.