<
>

Nascar: O que sabemos sobre o possível crime de ódio contra único piloto negro da categoria após investigação do FBI

play
Após caso de racismo, pilotos da Nascar se unem a Bubba Wallace em momento emocionante de solidariedade (0:30)

Na garagem de Bubba Wallace, foi encontrado um laço de enforcamento, forma cruel que matou milhares de negros nos Estados Unidos (0:30)

É difícil lembrar de dias mais emotivos, confusos e inspiradores durante os 72 anos de história da Nascar do que aconteceu das 23h45 de domingo (21) até 19h30 de terça-feira (23).

A ‘montanha-russa’ começou quando a Nascar deu uma declaração no domingo à noite de que havia sido encontrado um laço de forca na garagem da Talladega Superspeedway, pertencente ao único motorista negro do circuito, Bubba Wallace.

Terminou terça-feira com o FBI afirmando que não seguiria com um processo após sua investigação em Talladega. No meio, houve indignação e uma demonstração sem precedentes de apoio a Wallace, talvez mais do que qualquer piloto desde que Dale Earnhardt venceu a Daytona 500 de 1998.

No final da terça-feira, houve alívio na garagem da Nascar, um sentimento de vergonha entre as mesmas pessoas e celebrações nas redes sociais daqueles que alegaram que era tudo uma farsa desde o início.

Se você perdeu de vista os fatos do incidente, analisamos o que aconteceu e tentamos responder às perguntas que muitos estão fazendo.

Acharam mesmo um laço de forca na garagem de Bubba Wallace em Talladega?

Sim. Autoridades da NASCAR e investigadores do FBI não questionaram isso. Existem cordas nas portas de todas as baias da garagem da Talladega Superspeedway. De acordo com a Nascar, todas foram verificadas, e a única que estava em forma de laço de forca era a corda na garagem n°4, atribuída ao Chevy n°43 da Richard Petty Motorsports no fim de semana passado.

O agente especial do FBI Johnnie Sharp Jr. liderou uma equipe de 15 investigadores enquanto inspecionavam a garagem e entrevistavam várias pessoas ao redor da Talladega Superspeedway, incluindo Wallace. Em sua declaração oficial, escrita pelo procurador dos EUA, Jay E. Town, Sharp usou a expressão “laço de forca" quatro vezes e nunca contestou que fosse um - apenas que o momento em que estava pendurado na garagem número 4, no começo de outubro de 2019, significava que não estava direcionado a Wallace e, portanto, não era um crime federal.

A equipe de Wallace foi designada propositadamente para a barraca n°4 da garagem para que ele visse o laço?

Não. Os espaços na garagem são atribuídos às equipes por sua classificação na Nascar Cup Series. Além disso, devido às políticas de distanciamento social relacionadas à pandemia do COVID-19, as atribuições de garagem da equipe foram ainda mais espalhadas do que o normal, tornando a ideia de colocar uma certa equipe em uma determinada garagem parecer ainda menos plausível. O FBI afirmou que "ninguém poderia saber que Wallace seria designado para a garagem número 4 na semana passada" e, como resultado, nenhum crime federal foi cometido.

Wallace chegou a ver o laço?

Não, até a Nascar chamar sua atenção no domingo à noite. Novamente, devido às restrições impostas pela pandemia e à natureza de um cronograma de corrida de um dia, um número muito limitado de pessoas foi autorizado a entrar na área da garagem.

Apenas um membro da equipe n°43 encontrou o laço, informou à segurança da Nascar e depois o levou ao presidente da Nascar, Steve Phelps e sua equipe executiva. Isso foi amplamente noticiado no domingo à noite e na segunda-feira, apesar do que as teorias conspiratórias podem te sugerir.

Com o FBI fechando a sua investigação, por que a Nascar vai continuar com uma própria?

O objetivo é identificar a pessoa que amarrou a corda daquele jeito e por que fez isso - seja um membro da equipe da Nascar, uma pessoa que trabalhava na pista ou qualquer outra pessoa com acesso à garagem antes e durante aquele fim de semana de outubro de 2019.

Como disse um funcionário da Nascar à ESPN na noite de terça-feira: "Existem várias maneiras de amarrar uma corda. Aquilo era, inquestionavelmente, um laço de forca. Então, por quê?" Além disso, agora que foi provado que o laço esteve lá durante um fim de semana de corrida em outubro, por que não tinham percebido até agora, oito meses depois?

Por que a Nascar, simplesmente, não mostra a foto do laço de forca?

A justificativa é de que não o farão porque sua investigação interna está em andamento. Todas as evidências apresentadas como parte da investigação do FBI estão de volta nas mãos da Nascar, incluindo as evidências de foto e vídeo usadas para revelar que o laço estava visível na mesma garagem durante todo o fim de semana da corrida em outubro de 2019.

Enquanto as imagens oficiais e o próprio laço permanecem ocultos aos olhos do público até agora, outras imagens do laço surgiram de fontes externas.

Por que a Nascar simplesmente não esperou que ambas as investigações fossem concluídas antes de torná-las públicas?

Certamente poderia ter feito isso. Na noite de domingo, apenas um membro da equipe e o pessoal da NASCAR haviam visto o laço. Wallace nem sabia disso até Phelps chegar ao seu quarto na noite de domingo para lhe contar o que estava acontecendo, uma conversa durante a qual Wallace diz que o presidente da Nascar estava chorando.

Quando o laço foi trazido à atenção da Nascar, foi tomada a decisão de dar uma declaração pública muito ousada. ("Estamos com raiva e indignados, e não podemos afirmar com firmeza o quão seriamente levamos esse ato hediondo.") A Nascar emitiu sua declaração em grande parte para falar com aqueles que protestaram contra a proibição da bandeira ao longo do dia. Embora a Nascar tenha antecipado uma reação à sua proibição de bandeira, a descoberta do laço foi a última gota em um dia muito frustrante.

Os funcionários da Nascar estão envergonhados com o relatório do FBI?

Sim e não, com uma porcentagem muito maior para não. Eles não estão felizes com a ótica de tudo isso e certamente não gostaram das teorias da conspiração que surgiram depois disso. Mas eles também não se arrependem de agir tão rapidamente como fizeram. O presidente da Nascar, Steve Phelps, disse na terça-feira: "Eu quero ter certeza de que todos entendam que, se tivessem as evidências que nos entregaram no final da tarde [de domingo], faríamos a mesma coisa - teríamos feito a mesma investigação. Era importante para nós. Não há lugar em nosso esporte para esse tipo de racismo ou ódio. Não faz parte de quem somos como esporte ".

Qual é o clima entre os pilotos, que apoiaram Wallace durante as cerimônias pré-corrida de Talladega?

A incrível cena que aconteceu segunda-feira em Talladega foi orquestrada inteiramente pelos motoristas sem a contribuição da Nascar, começando com mensagens sendo trocadas furiosamente em um grupo enquanto liam a declaração da Nascar no domingo à noite. Na noite de terça-feira, vários motoristas com quem trocamos mensagens de texto disseram que, embora estivessem frustrados, seus esforços agora estavam marcados com um asterisco, mas eles também não teriam mudado o que fizeram.

Wallace falou sobre o apoio que recebeu durante uma entrevista à CNN após o anúncio de terça-feira do FBI: "Vimos todo mundo se reunindo na segunda-feira; essa foi uma das coisas mais legais das quais eu já pude fazer parte. Não estou dizendo que eu queria isso, mas os pilotos queriam fazer isso; eles queriam me apoiar. Dentro de seus corações, eles sabem que é algo que eles querem defender."

O que Wallace disse em resposta ao relatório do FBI?

Wallace conversou com a CNN terça-feira à noite, enquanto as redes sociais foram alimentadas com vários assuntos relacionados a Wallace, nenhum deles positivo. Durante a entrevista, ele reiterou que o que foi encontrado na garagem 4 em Talladega não foi normal: "A partir das evidências que temos, é um laço de força que foi amarrado em 2019 ou sei lá quando, mas era um laço de forca. Não foi dirigido a mim, mas alguém o amarrou."

Quando perguntado sobre o que estava sendo dito nas redes sociais, ele disse: "Estou chateado. Estou bravo porque as pessoas estão questionando meu caráter. Estão tentando testar minha integridade, mas não vão tirar isso de mim".