<
>

Presidente do Boca diz por que ignorou sugestão de tirar Guerrero do Inter

play
Entrevista com candidato que prometeu Yaya Touré ao Vasco, e strike de homem de 100 anos: o Giro ESPN (2:09)

Assista ao Giro com Matheus Cobucci (2:09)

O Boca Juniors sonhou com a contratação de Paolo Guerrero no início do ano. A novela se alongou em diversas tratativas, mas o jogador seguiu no Internacional.

Nesta sexta-feira (22), o presidente do Boca, Jorge Amor Ameal, explicou por que optou por não insistir na contratação do centroavante peruano.

"Quando chegamos ao clube, diziam que Carlitos Tévez estava aposentado, que tínhamos que trazer Guerrero porque não fazíamos gols. E lembro que sempre dizia que, se Carlitos estiver bem, o Boca não precisava de reforços. Eu disse isso desde o primeiro dia, e críticas vieram de todos os lados", contou o dirigente.

"Carlitos estava com vontade e provou ser um jogador diferente, porque ele é diferente, e enquanto estiver bem e quiser, não tenha dúvidas que ele nos dará satisfação", completou em entrevista à Rádio Rivadavia.

Guerrero, aos 36 anos, está no Internacional desde 2018. Até a interrupção do futebol brasileiro por conta da pandemia do coronavírus, o centroavante somava quatro gols em oito jogos nesta temporada.