<
>

Promessa do UFC, Amanda Ribas mantém treinos e aproveita hobbies na quarentena

play
Cormier fala sobre possível nova luta contra Miocic no UFC: 'Por que não tentar vencer a trilogia?' (0:47)

Lutadores já enfrentaram duas vezes, com uma vitória para cada um (0:47)

Pintar, cozinhar e dançar. Passear com os cachorros ou fazer atividade física. Ficar com a família, estudar e jogar ‘stop’. Esse pode lembrar o dia a dia de muitas pessoas que enfrentam a quarentena, medida preventiva para conter a proliferação da pandemia global do coronavírus. No entanto, também é a nova rotina de uma das promessas brasileiras do UFC: Amanda Ribas. A mineira peso-palha (52 kg), que está reclusa com sua família em Varginha (MG), sua cidade natal, toda hora inventa uma atividade para fazer e aproveita o seu tempo da melhor forma possível nesse período.

Enquanto a maioria das pessoas reclama do tédio em meio à quarentena, Amanda não, uma vez que faz questão de não ficar parada. Por isso, até mesmo para uma simples entrevista à reportagem da Ag. Fight, a mineira teve que conciliar a conversa com suas novas expressões artísticas, treinos e atividades em família ou, via internet, com os amigos. Sob o mesmo teto que seu treinador e pai, ela mistura as práticas de luta com os hobbies.

“Estou treinando o que eu posso, treino físico, aparador, saco de pancada. O bom é que, como a academia é da minha família, eu posso ir lá também. Como só eu fico (lá), abro as janelas, abro tudo, passo álcool na mão, álcool nos aparelhos, é tranquilo para mim”, explicou.

Diferentemente de outros lutadores, que demonstram mais dificuldade para conseguir se exercitar e manter o condicionamento físico ideal, Amanda apresenta algumas vantagens. Com o treinador dentro de casa e com uma academia inteira à sua disposição, a mineira segue sua rotina de treinos e pratica entre duas e três vezes ao dia, além de estudar mais sobre luta.

“O que está sendo mais difícil (na quarentena) é realmente ficar sem o sparring (risos)”, revelou a lutadora sobre o treino feito em dupla. “Vi até hoje um meme no Instagram e é verdade: ‘Lutador quer lutar’”.

“A melhor coisa é que estou conseguindo ficar perto da minha família. Na minha vida, eu fico mais na academia do que em casa. Então, estou conseguindo aproveitar esse tempo com a minha mãe, com a minha irmã e com os meus cachorros. Até com o meu pai mesmo porque antes a gente ficava só ‘treino, treino, treino’ e agora está dando para falar de mais coisas e (ter) mais tempo livre assim”.

Na quarentena, Amanda demostrou ser mais do que apresenta nos octógonos. Para se ocupar, ela cozinha, estuda inglês e faz pintura – sua nova “obra de arte”, que, orgulhosa, mostrou em seu Instagram. Como não pode sair de casa, a atleta também combinou de ligar para “as meninas do jiu-jitsu” para jogar ‘stop’ e passar o tempo.

“Amo comer, só que nunca fui boa de cozinhar. Se você me perguntar tudo do ‘Masterchef’, eu sei, mas cozinhar eu não sou boa não. Agora, nessa quarentena, eu estou conseguindo, você acredita?”, destacou a atleta ao listar todas as comidas que já fez. “E a pintura, minha irmã falou um dia desses para eu fazer. Estou gostando, relaxa muito a cabeça, acho que ajuda na concentração também, ajuda bastante”.

A peso-palha também cursa Educação Física à distância e, por isso, estuda e faz seus trabalhos como qualquer outro jovem. Falta ainda aproximadamente um ano para sua formatura, mas Amanda afirmou ter uma meta maior em sua vida.

“Minha faculdade é EAD, mas a gente tem prova presencial e as vezes tem que fazer trabalhos em grupos também”, contou ao revelar que o próximo trabalho de “aula de ritmos”, que antes seria em grupo, seria feito com sua mãe e sua irmã. “Pretendo formar, eu amo dar aula, gosto de dar aula, mas meu principal objetivo é ser campeã do UFC mesmo”.

Aos 26 anos, a atleta segue invicta no Ultimate, com três vitórias desde sua estreia em junho de 2019. Seu último triunfo foi no dia 14 desse mês, no UFC Brasília, quando derrotou a iraquiana Randa Markos por decisão unânime dos jurados. Esse foi o último evento realizado pelo UFC e aconteceu, pela primeira vez na organização, sem a presença do público.

Não há um próximo combate confirmado para a lutadora, ainda mais após o cancelamento de três eventos do Ultimate, devido às medidas e prevenções adotadas contra a nova pandemia global, mas a mineira não deixa de se preparar para a próxima vez nos octógonos. Amanda ainda se mostrou esperançosa com o fim da quarentena na próxima semana e, consequentemente, com o seu retorno normal às atividades.

Porém, o cenário do COVID-19 não parece estar tão positivo assim. De acordo com o último relatório do Ministério da Saúde, já há 1891 pessoas contaminadas com o coronavírus e 34 mortos no Brasil. Já no mundo, a partir dos dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), há mais de 332 mil infectados.