<
>

Coronavírus atrapalha recuperação de 'Marreta', que ainda não sabe quando volta ao octógono

play
Promessa do UFC se inspira em Tony Ferguson e faz os treinos 'mais malucos' que você ainda não viu (0:42)

Sean O'Malley é um dos bons atletas jovens do UFC (0:42)

A pandemia de coronavírus assombra o planeta e já ocasionou milhares de infectados e mortes, além de interromper todos os esportes nos quatro cantos do mundo. Como não podia ser diferente, o MMA e, consequentemente o UFC, também foram afetados com a doença, tendo eventos cancelados e atletas sem poder treinar e lutar. Um dos grandes prejudicados por essa situação foi Thiago ‘Marreta’, que já vinha para sua reta final de recuperação após cirurgias nos dois joelhos. Se a previsão era que o peso meio-pesado (93 kg) pudesse voltar ao octógono em julho, agora o cenário já é diferente.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o treinador do atleta e líder da equipe TFT, Tatá Duarte, admitiu que o período para poder deixar o brasileiro apto para se apresentar novamente deve ser esticado por mais um tempo. A justificativa é que, por um decreto estadual, todas as academias do Rio de Janeiro, cidade em que mora o atleta, estão fechadas e, dessa maneira, ele não vai poder se preparar normalmente.

“O Thiago já estava de vento em popa na recuperação dele. Ele ainda está fazendo as atividades, mas de forma separada. Agora que ia começar a parte dele de volta à academia, ver o que ele conseguia fazer, começar a reintrodução, de posição e tudo mais. Vai ter que segurar ou fazer sozinho, com a a academia fechada. O projeto dele, que ele podia fazer alguma coisa, também fechou. Então vai precisar fazer em casa. Ele ainda está dando uma corrida na areia, pois seu fisioterapeuta pediu nesse momento, já que ele não pode parar. Mas se as coisas piorarem ele vai ter que parar. Fazer o que der em casa. Ele não pode parar nesse momento. Se parar vai andar muito para trás”, revelou o técnico, completando.

“Dentro da programação era julho (que estaria de volta ao UFC), mas agora com esse atraso não será em julho e vai depender de quanto tempo essa situação demorar para se resolver. Então acho que vai demorar mais tempo. Vai ficar confuso, muita gente sem treinar, em casa, comendo, e mesmo que faça algo em casa não é a mesma coisa. Muito card será trocado. Vai ficar meio doido isso”, completou Tatá, que revelou que fechou as atividades de sua academia antes de uma posição oficial do governo, para prezar a saúde de todos seus atletas.

Recentemente e antes da pandemia de coronavírus, Thiago ‘Marreta’ admitiu que recusou um rival oferecido pelo UFC para seu retorno. Um das explicações do brasileiro era que o oponente não se encontrava em boa fase e figurava na parte de baixo do ranking. Tatá reforçou o discurso do seu pupilo, adiantando qual luta faria sentido para o retorno do brasileiro e que o colocaria de volta em uma rota de disputa pelo título.

“Era uma luta completamente sem nexo, estava vindo de derrota, longe no ranking. Era sem nexo. Não tinha nada a ver. Temos que aguardar. No meu entender é a vez do (Jan) Blachowicz pegar o Jon Jones e o ‘Marreta’ enfrentar o Dominick (Reyes). Essa era a luta a se fazer. Mas temos que aguardar”, afirmou Duarte, complementando que não pensou em queimar etapas e fazer o atleta retornar antes do previsto.

“Não fazia sentido aceitar uma luta se ele não está nem recuperado. Não pedimos luta. O UFC que ofereceu e não fazia sentido aceitarmos sem ter 100% de certeza que ele está apto. Até porque ia atrapalhar a própria recuperação, porque ele ia ficar agoniado para voltar a treinar e precipitar as coisas. Temos que pensar em recuperar e quando acontecer, aí pedimos a luta para tal data. Nessa hora vamos discutir um adversário”, completou.

Aos 36 anos, o Thiago ‘Marreta’ acumula 21 vitórias e sete reveses em seu cartel como lutador de MMA profissional. O brasileiro está no Ultimate desde 2013, com um retrospecto de 13 triunfos e seis derrotas. Em sua última apresentação, em julho de 2019, foi superado por Jon Jones, em disputa do cinturão dos meio-pesados, por decisão dividida dos jurados.