<
>

UFC: Conor McGregor conseguirá recuperar seu brilhantismo no MMA?

Em 2017, pouco antes de Conor McGregor boxear Floyd Mayweather naquela que foi chamada de "The Money Fight", eu fiz uma entrevista em um programa de rádio que me lembro agora, uma semana antes da luta de McGregor contra Donald "Cowboy" Cerrone no UFC 246.

Lembro-me de dizer brincando aos apresentadores do programa, que não eram entusiastas de artes marciais, que eles representavam um problema geral. Foi o interesse casual - compartilhado por milhões - em uma luta de boxe de circo que poderia arruinar aquilo que de melhor estava acontecendo no mundo do MMA.

Que na época, é claro, era McGregor.

McGregor era dominante no final de 2016. Ele já era campeão em duas categorias, mas era possível que estivéssemos apenas chegando perto de seu potencial. McGregor estava preparando o terreno para uma das carreiras mais bem-sucedidas de todos os tempos.

E por mais divertido que fosse a luta entre Mayweather e McGregor, sempre havia o risco de que, quando a festa terminasse, os fãs de MMA ficassem com a conta para ser paga. O interesse principal voltaria a coisas como a NFL e a NBA, enquanto o MMA ficaria de lado.

Bem, é 2020, e estamos prestes a descobrir se a melhor versão do McGregor se foi para sempre.

O MMA realmente pagou a conta da investida de McGregor no boxe. Seus fãs não o veem no seu melhor há anos. Ele não venceu uma luta no UFC desde 12 de novembro de 2016, para se tornar o primeiro campeão do UFC a ter dois cinturões simultaneamente. Sua única aparição desde então - uma luta pelo título em outubro de 2018 contra Khabib Nurmagomedov - foi quase tão espetacular quanto o 'show' com Mayweather, devido ao que aconteceu depois da luta, piadas com religião e outras coisas.

McGregor disse que não estava no seu melhor nessa derrota para Nurmagomedov, e mesmo se você acha que ele está dando desculpas, ele provavelmente está certo. Considere as questões legais de McGregor nos últimos três anos, bem como sua inatividade no esporte. Ele admitiu que seus preparativos para essa luta foram "horrendos" e sua equipe de treinadores repetiu isso com declarações sobre um cronograma de treinamento esporádico.

Não quero tirar nada do desempenho espetacular de Khabib Nurmagomedov, mas o Conor daquela noite era um imitador barato.

Mas há sinais de que McGregor voltou à sua forma antiga. Ele está dizendo todas as coisas certas quando se trata de sua carreira. Ele quer lutar três vezes em 2020. Ele está com fome de novo.

"Estou de volta ao meu antigo estado de espírito", disse McGregor recentemente ao site TheMacLife.com. "Eu só quero consistência, quero competição. É o que eu amo fazer, estar nesse estado de espírito saudável".

O fogo nos olhos de McGregor parece mais próximo do que vimos em 2016, em vez da raiva que vimos quando atacou o ônibus do UFC em 2018 na esperança de pegar Khabib desprevinido.

E quando você ouve McGregor falar sobre a possibilidade de adicionar um título na categoria dos meio-médios ao seu currículo, você sente que seu talento para perseguir os desafios mais estranhos ainda está lá. São esses tipos de desafios que podem realmente deixar o mundo do MMA empolgado outra vez. Embora possa parecer desaconselhável do ponto de vista competitivo, foi assim que McGregor chegou ao topo. Esse foi o seu modus operandi, foi assim que ele chamou a atenção de todos os fãs de MMA do mundo.

A próxima luta em Las Vegas não é o maior desafio da carreira de McGregor, mas nos dirá muito sobre onde o seu presente e o seu futuro. Cerrone detém o maior número de vitórias na história do UFC e, por definição, não é fácil de ser batido, mas a percepção geral é a de que McGregor vencerá. Cerrone está chegando aos 37 anos e foi finalizado em suas duas últimas lutas.

Se McGregor vencer e continuar tendo o tipo de 2020 que ele promete, bem, isso significa que ele retornou de verdade e percebeu o imenso potencial que tinha em 2016.

Se ele perder e entrar em outro hiato, ele ainda será um homem muito, muito rico, com dois títulos do UFC no currículo que ninguém pode tirar dele. Mas sempre nos perguntaríamos: o que teria acontecido se McGregor tivesse seguido nos trilhos em 2016? Onde ele estaria agora?

E se essa pergunta for deixada sem resposta, talvez esse novo McGregor não se importe. Mas é impossível não pensar que o antigo se importaria.