<
>

UFC: De contrato renovado, Demian Maia destaca situação 'inédita' em luta com Askren

Na maioria dos casos, o primeiro pensamento de um lutador que vai enfrentar Demian Maia, é: “Não posso ir para a luta de chão com ele”. No entanto, pela primeira vez em muitos anos de MMA, o brasileiro terá pela frente alguém que vá enfrentar o seu jiu-jitsu. No dia 26 de outubro, o veterano encara Ben Askren, que tem como sua especialidade também a luta agarrada, no duelo principal do UFC Singapura.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o meio-médio (77 kg), que acumula duas vitórias seguidas no UFC, ressaltou que este combate era o desafio que estava buscando na sua reta final de carreira. Em 27 triunfos em seu cartel, Demian conseguiu 13 por finalização, enquanto Ben Askren tem seis vitórias desta mesma maneira.

“Não tinha pensado nessa luta ainda, mas ouvia muita gente falar dela. Quando o UFC ofereceu, achei um desafio interessante. Ele é um wrestler muito bom e nessa altura da minha carreira, seria legal essa luta. Vivi toda minha carreira praticamente enfrentando adversários que evitavam essa luta de solo comigo, então vai ser a primeira vez que tem alguém do mesmo estilo, com a característica parecida. Isso faz a luta ser bastante interessante”, disse.

Este combate contra Ben Askren poderia ser o último no octógono do Ultimate, pois o brasileiro só tinha mais essa luta em seu contrato com a organização. No entanto, o faixa-preta de jiu-jitsu conseguiu uma extensão desse vínculo para mais dois compromissos. Após essas três apresentações, aí, sim, pendura as luvas.

“Tenho planos que já estou começando a colocar em prática. No último ano dei muita atenção a isso. Um dos meus principais projetos, após parar de lutar MMA, são as afiliações (de academia), quero crescer, tornar uma proporção grande. Fazer documentários também, trabalhar com esse audiovisual falando da história da luta. Tenho minha academia em São Paulo, talvez faça um podcast, mas não sei se será voltado para a luta”, afirmou.

Na última vez em que lutou, Ben Askren adotou uma postura provocativa contra Jorge Masvidal, alimentando o confronto. Entreanto, Demian Maia nunca entrou neste discurso de “trash talk”, sempre pregando o respeito ao adversário, o que deve mudar a linha de pensamento do americano.

“Acredito que sim (ele venha mais tranquilo). Em Singapura (na promoção do evento) ele já estava bem tranquilo. Ele é um cara que fala, mas para isso funcionar e ter um marketing em cima, precisa do outro lado ter alguém que rebata. Não adianta fazer isso só de um lado, que acho que fica até ruim para a imagem. Ele sabe que comigo não será como o Masvidal”, contou.

Atualmente, Demian Maia é o segundo lutador com mais finalizações da história do UFC, com dez, ao lado de Royce Gracie. O brasileiro só está atrás do compatriota Charles ‘Do Bronx’, que possui 13. Após sua aposentadoria, o lutador pretende seguir divulgando a arte suave pelo mundo, como uma espécie de “embaixador”.

“Eu considero isso uma missão para mim, que vai perdurar depois que eu parar de lutar. E isso está muito ligado aos meus projetos pós-luta. Divulgar o jiu-jitsu brasileiro. Não é a toa que quero investir nisso agora pensando no futuro. Isso faz parte da minha missão”, finalizou.

Demian Maia possui 27 vitórias e nove derrotas na carreira. O lutador está no UFC desde 2008, já tendo disputado o cinturão dos médios e meio-médios. Já Ben Askren tem 19 triunfos e um revés em seu cartel. O americano já foi campeão do ONE FC e Bellator, ambas nos meio-médios.