<
>

Acidente em boate na Coreia do Sul deixa dois mortos e atletas feridos; brasileiros estavam na casa noturna

Coyote Ugly, boate na Coreia do Sul Reprodução

O que era uma festa se tornou uma tragédia. Na cidade de Gwangju, na Coreia do Sul, duas pessoas morreram e 17 ficaram feridas após um acidente na boate Coyote Ugly, segundo a agencia coreana Yonhap News.

A cidade, a 330 km da capital Seúl, recebe o Mundial de Esportes Aquáticos, e a casa é próxima à Vila dos Atletas.

Às 02h30 de sábado, no horário local, o segundo andar, a 2,5 metros acima do piso térreo, caiu. Nele tinham cerca de 100 pessoas. Por conta do acidente, dois sul-coreanos não resistiram. Dos 17 feridos, nove foram reconhecidos como atletas que vieram de outros países: um brasileiro, ao lado de quatro dos EUA, dois da Nova Zelândia, um holandês e um italiano.

Desses, seis eram mulheres e apenas o brasileiro não era jogador de polo aquático. A maioria dos feridos sofreu pequenos cortes ou pequenas contusões.

As primeiras pesquisas indicam que isso pode ter ocorrido por excesso de peso. A ambiente como um todo recebia aproximadamente 370 pessoas na hora do acidente.

A confederação de polo aquático dos EUA confirmou que seus atletas estavam na festa, comemorando a vitória da seleção feminina sobre a Espanha na final da competição. "É uma tragédia horrível. Todos os atletas dos EUA estão à salvo e já foram localizados", disse Christopher Ramsey, diretor da confederação em comunicado.

Dois uzbeques também estão entre os feridos, mas eles não eram atletas que participam da Copa do Mundo de Gwangju.

Matt Small, capitão da seleção de polo aquático da Nova Zelândia, confirmou o acontecimento em entrevista à "Rádio Sport". O atleta estava no mezanino e afirmou ter sentido o chão desabar sobre seus pés.

Em entrevista ao UOL Esporte, o treinador da seleção brasileira de masculina de polo aquático, Ricardo Azevedo, disse que os atletas também estavam na festa, mas não sofreram nenhum ferimento: ""Depois da medalha de ouro, teve uma celebração em que praticamente todos os times estavam lá, os jogadores, não todos do time, mas a maioria tinha alguém lá, porque conhecia alguém dos times. É um local que durante essas últimas duas semanas muitas vezes o pessoal foi lá para tomar uma cerveja e relaxar, e, infelizmente, teve essa quebra nas plataformas, e, atletas se machucaram. Nossos atletas, não, porque eles estavam do outro lado e ajudaram puxando pessoas debaixo do material, mas uma jogadora da Holanda e outra dos Estados Unidos se machucaram. É uma tragédia para a família do esporte"

Em conversa com o Globoesporte.com, o técnico revelou mais detalhes do acidente: "Tinham atletas dos Estados Unidos, Holanda, Nova Zelândia e, inclusive, do Brasil. A boate tinha alguns andares, e os jogadores estavam no andar de cima quando aconteceu o acidente. Ninguém ficou ferido gravemente, apenas o atleta americano sofreu um corte na mão. As pessoas que estavam na parte de baixo da casa noturna ficaram bem feridas e, inclusive, foram ajudadas pelos nossos atletas, que estavam de folga e retornaram à Vila no horário combinado"

Aparentemente, a boate havia sido reformada recentemente, mas as obras não tinham autorização oficial.

A Federação Internacional de Natação se solidarizou às famílias das pessoas que morreram e se pronunciou por meio de um comunicado oficial, lamentando a tragédia e informando que vai monitorar e auxiliar nos cuidados médicos dos atletas presentes. O mundial começou em 12 de julho e termina neste domingo (28).