<
>

Adidas diz que vai lutar por seus direitos após ser dispensada pela Espanha

A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) tomou na última segunda-feira uma decisão que vai agitar o mercado de materiais esportivos da Europa.

A entidade que rege o futebol espanhol quebrou o contrato com a Adidas, que iria originalmente até 2026.

Com isso, a seleção roja deixará de vestir a marca alemã após 27 anos - o primeiro contrato havia sido assinado em 1992.

Por meio de nota, porém, a Adidas já avisou que irá à Justiça para evitar o rompimento.

"As entidades firmaram a prorrogação do contrato em 2015 até 31 de dezembro de 2026. O contrato vem sendo cumprido por ambas as partes de forma amistosa e não há motivo algum que justifique a decisão da RFEF", escreveu a multinacional.

"Nossa intenção é de manter o acordo finado até o final do período que foi combinado. Caso contrário, a Adidas tomará todas as medidas que sejam necessárias para a defesa de seus direitos", acrescentou.

POR QUE CONTRATO FOI QUEBRADO?

A explicação dada pela Federação foi que o atual vínculo com a empresa alemã "não se enquadra nos critérios de legalidade, transparência e equidade que a RFEF considera minimamente aceitáveis".

A Federação ainda abriu concurso para definir seu novo fornecedor.

"A RFEF iniciou hoje um prazo para negociações para fechar com um novo fornecedor de material esportivo. Todas as marcas do setor que decidam participar terão a oportunidade de se dirigir à RFEF com o objetivo de ser o próximo fornecedor de seleções e campeonatos", escreveu.

Até que um novo vínculo seja fechado, porém, a Roja seguirá vestindo as camisas da Adidas.

A última empresa a vestir a Espanha antes da marca alemã foi a francesa Le Coq, até 1991.