Renato Senise

Renato Senise

Lucas Moura no Tottenham: ‘Não era nosso favorito, mas pode dar certo’


“Ele não era o nosso favorito, mas vai melhorar o nosso time.” Palavras de “Expressions”, famoso torcedor do Tottenham que faz muito sucesso na Internet. Está no vídeo acima. Ele resume bem o sentimento dos torcedores do Tottenham em relação à contratação de Lucas Moura.

A verdade é que, boa parte deles, nunca viu Lucas jogar. Alguns exemplos, também no vídeo acima. E aqui cabe uma explicação: alguns ingleses são do tipo “nosso campeonato é o melhor no mundo, então não ligo muito para os outros.” Assistem, no máximo, Real Madrid e Barcelona e, claro, os jogos mais importantes da Champions League. 

A outra verdade é que Lucas não é um grande nome no cenário mundial. Nós, brasileiros, o conhecemos bem. Lembramos daquele Sul-Americano Sub-20 de 2011, em que Lucas jogou demais, pra muitos melhor até que Neymar. Lembramos das muitas belas atuações pelo São Paulo, e algumas também no PSG. Sabemos do potencial, do talento, e torcemos para que ele mostre de novo essas qualidades no novo clube. Mas, em uma janela de transferências pra lá de movimentada, ele não foi o dono das manchetes. Sánchez no United, Mkhitaryan e Aubameyang no Arsenal, Giroud “pulando o muro” para o Chelsea, Leicester recusando oferta de 65 milhões de libras do City pelo Mahrez. Essas foram as principais notícias. Os clubes ingleses gastaram 430 milhões de libras em janeiro, recorde histórico. Lucas foi responsável por uma pequena parte disso: 25 milhões. Grandeza diretamente proporcional à atenção que recebeu dos jornais e televisões ingleses.

Mas, quem o viu jogar, quem conhece seu futebol, gostou da contratação. Mais exemplos no vídeo acima. Pochettino (também no vídeo) falou que Lucas tem uma qualidade que seu elenco não possuía: velocidade. Mais pura verdade. O ataque formado por Eriksen, Son, Dele Alli e Harry Kane está jogando muito, desde a temporada passada. Fica difícil imaginar que algum desses quatro pode perder lugar na equipe. A grande arma de Lucas é, realmente, a velocidade. A explosão. A capacidade de driblar, com rapidez, dois ou três adversários e chutar para o gol, ou dar uma assistência.

Lucas é um cara diferente. Já chegou falando inglês para a TV oficial do clube. Isso conta, e muito, aqui na Inglaterra. Não é à toa que Guardiola insiste para que seus jogadores aprendam a língua. Assim, são mais respeitados. Lucas elogiou a história do Tottenham, a estrutura do centro de treinamento, o novo estádio. Agradeceu muito a oportunidade de recomeçar em um grande clube (palavras do próprio jogador, também presentes no vídeo acima). E disse que só quer fazer uma coisa: jogar. Só depende dele. Se quem chegou na Inglaterra foi aquele Lucas do Sul-Americano Sub-20, Pochettino terá de encontrar espaço pra ele.