Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

Com Bandeira, Flamengo disputou 21 troféus: três títulos, três vices e muitos fracassos

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br
Getty
Réver, capitão do Flamengo, no jogo de mais um vice diante do Independiente
Réver, capitão do Flamengo, no jogo de mais um vice diante do Independiente

O título da Copa do Brasil em 2013 foi surpreendente. Sem dinheiro, com orçamento apertado e repleto de jogadores desconhecidos no elenco, o Flamengo superou adversários bem colocados na Série A para ganhar a taça. E justamente no ano em que ela ficou mais difícil, com as equipes participantes da Libertadores voltando a disputá-la. Aquela seria a única surpresa agradável para o torcedor na gestão de Eduardo Bandeira de Melo pelo menos por quatro anos.

Depois disso o clube disputou 18 outras competições, ganhou apenas dois Estaduais, em 2014 e 2017, este quando já tinha orçamento próximo ao dos rivais Botafogo, Fluminense e Vasco somados. Foram três vices, dois deles recentes e que machucaram a torcida em intervalo inferior a três meses, para o Cruzeiro, na Copa do Brasil e Sul-americana, diante do Independiente.

Rueda, Diego, gestão desastrosa e fragilidade internacional; Mauro analisa queda do Fla diante do Independiente

 

Nas duas Libertadores que o Flamengo participou na administração do atual presidente, que está prestes a entrar no último ano de seu segundo mandato (não poderá mais se reeleger), algo em comum: eliminações precoces, na fase de grupos. Em 2014 com elenco ainda frágil, diante do León no Maracanã lotado. Neste ano na Argentina, para o San Lorenzo, já com alto investimento.

Na Sul-americana, apesar de chegar à final neste ano, o Flamengo também fez feio. Foi no ano passado, quando caiu diante do modestíssimo Palestino, do Chile, jogando no território nacional! Outro papelão foi o da Copa do Brasil 2014. Vencia por 3 a 0 o Atlético no placar agregado e em menos de uma hora de futebol tomou a virada no Mineirão: 4 a 1 no jogo, 4 a 3 na disputa foi o resultado histórico.


.
As classificações do Flamengo nos certames disputados com Bandeira na presidência
As classificações do Flamengo nos certames disputados com Bandeira na presidência

Pelo mesmo certame, em 2016 o Flamengo de Bandeira perdeu para dois times da Série C, o Confiança, que foi eliminado na volta, e o Fortaleza, que desclassificou os rubro-negros jogando no Rio de Janeiro. Uma temporada antes, o algoz foi o Vasco, que no mesmo ano despachou o Flamengo no Estadual, repetindo a dose no campeonato carioca seguinte, mesmo em crise e sendo rebaixado na Série A.

A Primeira Liga foi uma competição pela qual o atual presidente do Flamengo trabalhou muito. Nela, duas eliminações para times de Curitiba, mesmo com mando de campo. Em 2016 o Atlético eliminou os flamenguistas em Juiz de Fora, e neste ano o Paraná levou a melhor no confronto em Cariacica, ao vencer a disputa de pênaltis (5 a 4) após o jogo terminar em 1 a 1.

 

Pé frio? Talvez. Mau gestor do futebol? Com toda certeza. Desde 2015 o Flamengo mostra poder de investimento, mas levantou apenas uma taça local. Sem dinheiro, ganhou duas em menos de um semestre, entre 2013 e 2014, uma delas de âmbito nacional. Hoje o Flamengo tem Centro de Treinamentos e oferece condições de trabalho muito melhores aos seus atletas. Mas fracassa.

Mas comemora sexta (!) colocação no Brasileiro e classificação suada à Libertadores como título. O que seria até aceitável, não fosse o fato de o Flamengo ter um dos maiores orçamentos da competição. Além de ter derrotado o Vitória de forma surpreendente, nos minutos finais, graças a um tolo pênalti cometido nos últimas instantes. O que era para ser alívio virou festa e euforia.

Divulgação
Vaz, a euforia de Bandeira e a emoção do diretor Rodrigo Caetano com o sexto lugar
Vaz, a euforia de Bandeira e a emoção do diretor Rodrigo Caetano com o sexto lugar


O DNA perdedor é a marca do futebol rubro-negro na “Era” Bandeira. E isso não tem qualquer relação com a boa administração que o clube tem há quase cinco anos. O que outros departamentos fazem de positivo para colocar finanças em dia e ampliar o poder de investimento resulta em fiascos no campo. Reflexo de uma gestão fracassada. E o presidente ainda tem mais um ano para mandar no futebol.

Inscreva-se no Youtube

Siga no Instagram: @maurocezar000