Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira

De 2011 para cá, só Flamengo e Fluminense reduziram as dívidas. Confira quanto seu clube deve

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

Quanto seu clube de coração deve? As dívidas cresceram ou diminuíram nos últimos anos? Os valores você pode conferir abaixo, no estudo feito pelo blog especializado Balanço da Bola — clique aqui e acesse. Nos útimos dois anos, apenas Flamengo e Fluminense reduziram parte do que devem entre os 12 maiores do país.

Você poderá notar que há uma diferença entre as duas tabelas abaixo. É porque vários clubes embolsam valores pelo fechamento dos contratos (o que chamam de "luvas"), e a maioria deles contabiliza integralmente como receita no momento do recebimento. Algo errado tecnicamente, segundo o Balanço da Bola.


Fonte: Balanço da Bola
Fonte: Balanço da Bola — valores em milhões de reais

Apenas Flamengo, Fluminense e Botafogo, entre os 12 acima relacionados, contabilizam no passivo e somente consideram como receita no decorrer dos contratos que fecharam. Exemplo: vários clubes assinaram com a TV em 2012 e a maioria jogou as "luvas" como receita no mesmo ano.

Reprodução
Fonte: Balanço da Bola
Fonte: Balanço da Bola

O trio carioca colocou no passivo. Eles e só vão considerar a receita nos três anos correspondentes ao acordo. A tabela de "endividamento liquido" retira esses valores para compararmos de forma mais real a dívida desses clubes, sem o artifício contábil. Em vermelho (acima), o maior volume devedor alcançado por cada um desde 2011.

Note que o Flamengo e o Fluminense foram os únicos clubes que nos quatro últimos anos reduziram suas dívidas. Os rubro-negros após um pico em 2012 e os tricolores em relação a este mesmo ano, com pequena variação em relação a 2011. Em valores absolutos, Botafogo e Vasco foram os que mais se endividaram e em percentuais, São Paulo e Cruzeiro. E aí, o que achou da contabilidade do seu clube?


Dívidas dos clubes brasileiros crescem a cada ano na maioria dos casos
Dívidas dos clubes brasileiros crescem a cada ano na maioria dos casos