Arrancada fulminante e emocionante mantém o Fluminense na Série A

Felipe Alencar, da redação do ESPN.com.br

A torcida do Fluminense pode respirar mais aliviada. Após um ano de muito sofrimento, a equipe carioca conseguiu espantar o fantasma do rebaixamento na última rodada. Muitos torcedores e jornalistas já davam como certa a queda do clube para a Série B, que em determinado momento do campeonato tinha 99% de chances de disputar a segunda divisão em 2010.

Entretanto, a chegada do técnico Cuca mudou os rumos da equipe. Jogadores da base receberam mais oportunidades, ‘medalhões’ foram perdendo espaço, disputas políticas acabaram sendo deixadas de lado, Fred e Conca ’ressurgiram’, vitórias apareceram, e a torcida passou a acreditar em uma improvável reação, que teve como último capítulo o empate deste domingo diante do Coritiba, no estádio Couto Pereira, que deixou o Flu na 16ª posição da tabela. Nem mesmo a perda do título da Copa Sul-Americana para a LDU foi capaz de parar o Fluminense.

A festa dos jogadores do time carioca só não foi maior no gramado, pois a torcida do Coritiba protagonizou um lamentável episódio. Torcedores, inconformados com o rebaixamento da equipe da casa, invadiram o campo, partiram pra cima do trio de arbitragem, depredaram instalações, e entraram em confronto com a polícia. A onda de violência atingiu também as ruas de Curitiba.

O início da campanha

O Fluminense estreou com uma vitória sobre o até então tricampeão brasileiro. O triunfo no Maracanã sobre o São Paulo por 1 a 0, com gol de Maurício, deixou o time esperançoso no sentido de fazer uma campanha satisfatória. O empate em 0 a 0 com o Barueri na segunda rodada não foi considerado um mau resultado.

O primeiro tropeço aconteceu no jogo seguinte. E que tropeço: goleada sofrida para o Santos, no Maracanã, por 4 a 1. Mas o resultado, aparentemente, não havia passado de um susto, uma vez que o Fluminense arrancou um empate fora de casa contra o Náutico e venceu o clássico contra o Botafogo por 1 a 0, com gol de Fred aos 42 minutos do segundo tempo.

A queda

A partir deste momento, começou o grande drama nas Laranjeiras. O Fluminense mostrou uma vertiginosa queda de produção, ficando 11 partidas sem conhecer uma vitória. Neste período, os resultados mais comemorados foram os empates diante de Grêmio, Flamengo e Cruzeiro, afinal a equipe carioca somou oito derrotas.

Algumas delas, inclusive, foram muito marcantes para o torcedor do tricolor carioca. Na 10ª rodada, o revés para o Santo André, no Maracanã, por 1 a 0, derrubou o técnico Carlos Alberto Parreira. E a situação do Fluminense somente piorava.

Esse terrível período abrigou contusões de jogadores importantes, como Fred e Leandro Amaral, saídas de atletas, como a de Thiago Neves, que voltou para o exterior, e crises políticas. Nesse cenário, a oposição pressionava o presidente Roberto Hocades, e não faltaram notícias dizendo que apenas parte do elenco estava recebendo salários.

Dentro dessa turbulência, Vinícius Eutrópio foi o nome escolhido pela diretoria para comandar a equipe e tentar uma reação. Logo na sua estreia, derrota para o Internacional, no Beira-Rio, por 4 a 2. Na partida seguinte, um desastre: o Fluminense foi humilhado pelo Goiás por 4 a 1, em pleno Maracanã. Resultado: ficou definido que Eutrópio não comandaria mais a equipe.

Quem seria o novo técnico do Fluminense? Um velho conhecido da torcida do time das Laranjeiras: Renato Gaúcho. Era o terceiro treinador do clube antes da metade do Campeonato Brasileiro. O comandante chegou bastante esperançoso em tirar a equipe da zona de rebaixamento. Mas, na sua estreia, revés para o Atlético Mineiro, fora de casa, por 2 a 1.

Somente depois de mais três rodadas veio o primeiro triunfo de Renato Gaúcho. Era o fim do jejum de 11 partidas da equipe carioca. E o Fluminense não apenas venceu, como também convenceu. Atuando no Rio de Janeiro, goleou o também ameaçado Sport por 5 a 1. Entretanto, a equipe não conseguiu embalar. Nas duas últimas partidas do primeiro turno, um empate diante do Vitória em Salvador e uma derrota para Coritiba no Rio de Janeiro.

‘Salvador da pátria’ e arrancada surpreendente

O início do segundo turno reforçou a impressão de que o rebaixamento do Fluminense para a Série B era uma questão de tempo. Bastaram três rodadas para a ‘corda estourar do lado’ de Renato Gaúcho. O revés para o Santos na Vila Belmiro por 2 a 0 culminou na queda de mais um comandante tricolor. Em 10 partidas, Renato Gaúcho deixou o clube com uma vitória, três empates e seis derrotas.

Neste momento, jogadores, clube e torcida já eram unânimes ao afirmarem que apenas um milagre salvaria o time da degola. E o milagreiro apareceu. Cuca assumiu o comando técnico na vaga de Renato Gaúcho. Porém, seu início de caminhada, assim como o dos antecessores, não foi nada animador. Empate com o Náutico, igualdade também no clássico com o Botafogo, goleada sofrida para o Grêmio e, enfim, triunfo sobre o perigoso Avaí no Maracanã.

Mas a regularidade foi longe de ser uma das características dominantes da equipe das Laranjeiras neste Campeonato Brasileiro. Antes de conseguir sua segunda vitória sob o comando do Fluminense – 2 a 1 sobre o Santo André fora de casa – Cuca viu seu time perder para o Flamengo e empatar com o Corinthians. O triunfo diante da equipe do ABC Paulista, inclusive, marcou o retorno ao artilheiro Fred, que ficou muito tempo afastado por lesão.

Apesar do resultado, o Fluminense continuava vivendo uma situação absolutamente dramática. E a tão esperada sequência de vitórias não acontecia. Os empates em 2 a 2 contra Internacional e Goiás comprovaram esse fato.

Até que chegou a partida diante do Atlético-MG, um dos candidatos ao título, no Maracanã. Jogando um bom futebol, o time carioca superou os mineiros por 2 a 1. E ninguém nas Laranjeiras poderia imaginar que essa partida representaria o pontapé inicial de uma brilhante arrancada que iria manter o Fluminense na elite do futebol brasileiro.

O jogo seguinte, contra o Cruzeiro, fora de casa, foi épico. Diante de uma das equipes com melhor campanha no segundo turno, o Fluminense conquistou uma impressionante virada. Jonathan e Wellington Paulista abriram 2 a 0 no placar para os anfitriões ainda no primeiro tempo. Entretanto, o improvável aconteceu depois do intervalo: com dois gols de Fred e um de Gum, o time do técnico Cuca deixou o Mineirão com os três pontos e com as esperanças totalmente renovadas.

Contando com o atacante Fred em grande fase, com Conca em jornadas inspiradas, com o apoio maciço da torcida e até com uma bela e surpreendente campanha na Copa Sul-americana, o Fluminense não parou de fazer vítimas. Em jogo bastante polêmico, derrotou o Palmeiras por 1 a 0. Depois, passou apertado pelo Atlético-PR por 2 a 1. Na sequência, passeou sobre o já rebaixado Sport na Ilha do Retiro por 3 a 0. Posteriormente, atropelou o Vitória por 4 a 0.

O fim da saga ocorreu justamente neste domingo, no empate em 1 a 1 com o Coritiba. E torcedores, comissão técnica e jogadores não sentem vergonha alguma ao comemorar a permanência na Série A como se fosse um título nacional.

Comentários

Arrancada fulminante e emocionante mantém o Fluminense na Série A

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.