Diretor do PSG rebate crítica de espanhóis por fair play financeiro: ‘Quanto foi pago de verdade por Neymar?’

EFE

Getty
Diretor do PSG questiona chegada de Neymar ao Barça
Diretor do PSG questiona chegada de Neymar ao Barça

Diretor-esportivo do Paris Saint-Germain, o português Arturo Henrique atacou o presidente da Liga de Futebol da Espanha, Javier Tebas - que gere as duas primeiras divisões do Campeonato Espanhol -, pelas acusações de desrespeito ao Fair Play Financeiro da Uefa.


"O presidente da Liga critica muito a transferência de Neymar, mas não explica como o Barcelona comprou Neymar em 2013. Quanto foi pago de verdade por Neymar? No PSG, fazendo as coisas legalmente, pagando as cláusulas de rescisão", afirmou em entrevista ao jornal Le Parisien.

O dirigente ainda garantiu que o espanhol Unai Emery comandará a equipe até o junho deste ano, mas se negou a falar sobre as próximas temporadas.

"Unai faz parte do grupo dos melhores técnicos do mundo. Como disse o presidente (Nasser Al-Khelaifi), estamos 200% com ele. Não temos nenhuma dúvida sobre ele. Tem toda nossa confiança", afirmou o dirigente ao jornal francês "Le Parisien".

Henrique criticou a imprensa espanhola, a apontando com responsável pelos rumores de demissão do comandante do PSG. A notícia, no entanto, foi veiculada primeiramente pelo jornal francês L'Équipe, após a derrota para o Bayern de Munique por 3 a 1, na Alemanha, pela última rodada da Liga dos Campeões da Europa.

Questionado se o comandante do time que conta com Neymar, suposto desafeto de Emery, Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos, Thiago Motta e Lucas Moura, o dirigente português preferiu desconversar e deixar o assunto em aberto.

Dois gols, duas assistências e atuação primorosa: o show de Neymar na goleada do PSG

"Estamos em meados de dezembro. Não é o momento de falar sobre esse assunto", disse.

Henrique, no entato, garantiu ter ficado muito satisfeito sobre a forma que o espanhol geriu o conflito entre Neymar e o atacante uruguaio Edinson Cavani, a respeito do cobrador oficial de pênaltis da equipe, que surgiu ainda no início da temporada.

"Não era um grande problema, Agora, o técnico decide antes de cada partida quem irá cobrar. Assim como nos escanteios e faltas", explicou o português.