Flamengo acaba com plano de sócio para organizadas após violência na final da Sul-Americana

ESPN.com.br
'Parecia guerra; foi um horror'; testemunhas relatam cenas de briga de torcedores na final da Sul-Americana

O Flamengo anunciou, na noite deste domingo, através de nota oficial publicada em seu site, o fim do plano de sócio-torcedor corporativo, que abrigava, principalmente, as torcidas organizadas do clube. A decisão vem após os episódios de violência registrados na final da Copa Sul-Americana.

No plano que agora deixa de existir, os sócios rubro-negros, de torcidas organizadas cadastradas, pagavam o valor de R$ 10 mensais para ter prioridade quando as vendas de ingresso tinham início.

 

O clube justificou a decisão por “entender que as organizações filiadas infringiram o Termo de Ajustamento de Conduta do Ministério Público e os Termos de Serviço do contrato com o clube”.

O Flamengo, porém, afirmou que “os ingressos referentes ao plano jamais foram doados e sempre foram vendidos com os preços divulgados em nossos canais oficiais”.

Em entrevista à TV Globo, o CEO do Flamengo, Fred Luz, ainda colocou como possibilidade para 2018 o time rubro-negro deixar de jogar no Maracanã caso verifique ser inviável atuar no estádio com segurança – o clube ainda conta com a Ilha do Urubu para mandar suas partidas.

A volta do 'mano a mano': grupos de torcedores cariocas brigam, mas com código de ética e até aplausos no fim

Leia, na íntegra, a nota oficial do Flamengo:

O Clube de Regatas do Flamengo, mais uma vez, após os incidentes da última quarta-feira (13.12), vem a público prestar esclarecimentos e comunicar ao seu torcedor que: 

- Se viu consternado com todas as ocorrências e lamenta profundamente o constrangimento e os atos de violência que todos os torcedores e profissionais presentes no Maracanã possam ter sofrido;

 

Celso Unzelte questiona 'minoria' em cenas lamentáveis: 'Está ficando grande demais'

- O Flamengo, como clube mais popular do Brasil, segue trabalhando para que esses incidentes não se repitam. Muito embora parte dos transtornos tenha sido causada por torcedores sem ingressos, o Clube optou por encerrar o plano de sócio-torcedor corporativo, por entender que as organizações filiadas infringiram o Termo de Ajustamento de Conduta do Ministério Público e os Termos de Serviço do contrato com o Clube. Vale ressaltar que os ingressos referentes ao plano jamais foram doados e sempre foram vendidos com os preços divulgados em nossos canais oficiais. Em relação às supostas atividades criminosas de algumas dessas organizações, o Flamengo está à inteira disposição do poder público para auxiliar no esclarecimento das mesmas;

Mauro cita falência do RJ ao analisar barbárie antes de Fla x Independiente: 'O estado vive um caos'

- Por fim, o Flamengo reconhece que desde o recrudescimento da violência nos estádios, as autoridade policiais do Estado do Rio de Janeiro têm atuado da melhor maneira possível, apesar de terem que conviver com situações adversas. O Flamengo, como sempre, está à disposição para trabalhar junto com as autoridades de segurança estaduais em busca de uma forma de melhor lidar com essa situação.