Ex-Boca, Juve e Inter revela por que largou o futebol: ‘Prefiro cerveja e churrasco a dinheiro’

ESPN.com.br

Ex-Boca, Pablo Osvaldo canta em Barcelona com sua banda de rock

Pouco mais de um ano depois de abandonar o futebol aos 30 anos de idade, o ex-atacante da seleção italiana, Roma, Juventus, Inter de Milão e Boca Juniors Pablo Osvaldo revelou em entrevista ao jornal “Gazzetta Dello Sport” o motivo pelo qual largou o esporte.

“Eu comecei a odiar o que sempre amei. Futebol merece respeito. E eu prefiro churrasco e cerveja ao dinheiro”, disse Osvaldo.

Nascido na Argentina, o atacante se mudou para a Itália aos 20 anos e adquiriu a dupla cidadania. Seu melhor momento na Europa veio na Roma, clube que defendeu entre 2011 e 2013, onde marcou 27 gols em 55 jogos. Depois passou por Juventus, Inter de Milão, Southampton, Porto e Boca Juniors duas vezes.

Fora de sua possível última Copa, Buffon vai às lagrimas após o jogo: 'Desculpa por termos falhado'

No Boca, ainda no ano passado, brigou com o técnico Guillermo Barros Schelotto, foi pego no vestiário do time fumando e depois decidiu se aposentar para tentar a carreira como cantor de rock.

“Eu decidi sair do Boca, tinha muita fofoca lá. Eu não conseguia sair, tinha medo das pessoas. Eu não conseguia mais jogar. Tive ofertas da China e de clubes da Champions League, mas estava desinteressado”, explicou Osvaldo, que teve 14 convocação para a seleção italiana.

E oportunidades de voltar ao futebol não faltaram para Osvaldo.

“Quer rir? Em dezembro de 2016 (Jorge) Sampaoli me contatou, ele estava no Sevilla. Ele me disse ‘Dani, não estou pedindo muito, você pode fazer o que quiser dentro e fora de campo, mas eu preciso de um atacante’”, contou o ex-jogador.

“Mas eu disse a ele ‘Chefe, tem o festival de rock de Cosquin’. Ele disse ‘Vai lá, claro, você não pode perder’. Dois malucos!”, completou.

Enquanto pertencia ao Southampton, Osvaldo foi emprestado à Inter de Milão e brigou com o técnico à época, Roberto Mancini.

“Eu dei um soco nele depois do clássico contra a Juve. ‘Você quer brigar?’. E ele disse ‘Não fale isso na frente de todo mundo’. Depois eu fui à sala dele chorando, estava envergonhado. Ele é um ótimo técnico com grande caráter”, lembrou.