Cyborg admite erro e diz que aprendeu com doping: ‘Talvez não fosse a atleta que sou hoje’

Thiago Cara, do ESPN.com.br

Cris Cyborg relembra obstáculos que enfrentou na carreira
Cris Cyborg relembra obstáculos que enfrentou na carreira Getty

O dia 29 de julho foi um marco na carreira de Cristiane Cyborg. Foi nessa data que a brasileira, referência no MMA feminino há muito tempo, enfim, conquistou o cinturão do UFC. O maior passo de uma caminhada em que não faltaram obstáculos, das críticas pesadas ao doping.

Em entrevista exclusiva ao espnW.com.br, a lutadora falou um pouco sobre tudo que enfrentou. Relembrou, por exemplo, os casos de doping – em um foi suspensa, em outro inocentada – e os preconceitos que a mulher sofre no MMA. “Ninguém vê se o homem é bonito”, disparou.

Atual campeã do peso pena feminino do UFC, a brasileira também opinou sobre seus próximos passos: avaliou uma possível luta contra Holly Holm e abordou a rivalidade com Ronda Rousey.

  • Doping: ‘Já paguei pelo erro’

Cyborg diz que não se arrepende de doping: 'Talvez não fosse a atleta que sou hoje'

Em dezembro de 2011, Cyborg precisou de apenas 16 segundos para nocautear a japonesa Hiroko Yamanaka e defender pela terceira vez seu título do peso pena feminino do Strikeforce. Posteriormente, porém, a luta ficaria sem resultado, após a brasileira testar positivo para a substância estanozolol. 

O doping tirou a lutadora de ação por um ano, além de render multa de 2,5 mil dólares e a perda do cinturão. Cyborg cumpriu a pena, voltou ao esporte e deu ao volta por cima com o título conquistado no Invicta FC, em 2013, e a enfim tão sonhada estreia no UFC, em 2016, em evento no Brasil.

Em dezembro do último ano, contudo, o mesmo fantasma voltou a assombrar a atleta: o UFC pela Usada (Agência Antidoping dos Estados Unidos) de uma possível violação de Cyborg em teste fora do período de competição. Desta vez, porém, provou sua inocência e não houve punição.

Hoje, ela garante que o assunto está superado – embora não haja arrependimento. “Foi um erro, já paguei pelo erro. Todo mundo erra, ninguém é perfeito. Se isso não tivesse acontecido, talvez eu não fosse a atleta, a pessoa que sou hoje. Tudo que acontece, você usa para melhorar. Não me arrependo.”

  • ‘Ninguém vê se homem é bonito’

'Ninguém vê se homem é bonito': Cyborg fala sobre preconceito com mulheres no MMA

A punição por doping marca a carreira de Cyborg, mas as críticas já foram além. A brasileira já teve até sua feminilidade questionada – por nomes importantes no MMA, como Ronda Rousey e Dana White – pelo corpo com músculos. Nesse caso, a luta da campeã do UFC é fora do octógono, pelo fim do preconceito.

“Acredito que, como é um esporte masculino e a mulher vem lutando, não veem a parte técnica, veem se é bonita. Se vissem como os homens... Ninguém vê se o homem é bonito. Vê a técnica. São pessoas leigas que usam isso para denegrir a pessoa, às vezes uma desculpa para não lutar, totalmente antidesportivo. Se quer criticar uma pessoa, critique da forma correta. ‘Acho que não é boa tecnicamente, não gosto do boxe dela, do jiu-jitsu’. Mas não critique fisicamente, para ridicularizar a pessoa, isso é de baixo nível.”

Cyborg não se incomoda, porém, quando a elogiam dizendo que “luta como homem”. Os preconceitos que teve que superar, contudo, estão na raiz da explicação.

“Quando comecei a lutar, uma das coisas que gostaria era provar que as mulheres podem lutam como os homens. Não puxar cabelo, como eles pensam que as mulheres lutam. Mostrar técnica, que elas podem ser agressivas, podem ter a mesma atenção dos homens no MMA. Fico feliz, procuro melhorar cada vez mais para lutar como os homens lutam.”

  • Ronda? ‘Não vejo ela voltando’

Cyborg admite luta contra Ronda, mas opina: 'Não vejo ela voltando'

Durante anos, a grande expectativas dos fãs MMA era de uma superluta entre Ronda e Cyborg, provavelmente, os maiores nomes femininos do esporte. Foram muitas provocações – algumas acima do tom – e igualmente numerosos obstáculos. Hoje, a brasileira admite o combate, mas já não vê a mesma rivalidade.

“Gostaria de lutar com a Ronda quando ela era invencível, estava achando que era invencível, no auge dela. Agora poderia lutar, sim, mas gostaria que ela fizesse mais lutas, voltasse a ser vitoriosa, a Ronda que era antes, e fazer uma luta justa. Ia ser bacana”, opinou.

Ronda, contudo, está com a carreira parada, depois de duas derrotas consecutivas no UFC – primeiro, perdeu o cinturão do peso galo feminino ao ser nocauteada por Holly Holm; depois, acabou derrotada pela brasileira Amanda Nunes, atual campeã da categoria, em apenas 48 segundos.

Na opinião de Cyborg, Ronda, na verdade, sequer retornará aos octógonos para que uma eventual luta entre as duas aconteça. “Não vejo ela voltando. Não sei, a gente não sabe o dia de amanhã. Se ela realmente gostasse de lutar, a derrota não tiraria da luta. A derrota pode acontecer, é um esporte”, avaliou.

  • UFC, Dana White e próximos passos

Cyborg fala sobre próxima adversária e relação com Dana: 'Disse que vai mudar e estou acreditando'

Se a luta com Ronda parece distante no momento, Cyborg tem uma adversária na mira para ser a primeira desafiante a seu título do peso pena: Holly Holm, justamente uma das algozes da antiga rival. “Estou pedindo para que seja ela. Já lutou na categoria, uma categoria nova, então por isso estou falando. Mas ela também está na vez, na fila, para lutar pelo cinturão na categoria dela (galos), então, vamos aguardar.”

Os próximos passos de Cyborg no UFC também passam, claro, pelo chefão do evento, Dana White, com quem ela já teve problemas no passado. O dirigente, por exemplo, foi duro ao criticá-la por doping e já chegou a se referir à ela como “o Wanderlei Silva de vestido e salto”. Episódios superados, segundo a brasileira.

“Acredito que a gente é parceiro, quero ajudar o UFC a crescer, ele diz que quer ajudar os atletas a crescer junto. Tivemos vários problemas, divergências, mas acredito que ele está ‘Time Cyborg’. Acredito que tenho conquistado ele. Amo meu trabalho e, estando feliz, vamos crescer. Ele mesmo admitiu que teve erros com a Cyborg, disse que vai mudar e estou acreditando nisso.”

Comentários

Cyborg admite erro e diz que aprendeu com doping: ‘Talvez não fosse a atleta que sou hoje’

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.