Para diretor, 'Project Cars 2' é o principal nome do gênero nos eSports

Ricardo Caetano/ESPN.com.br

Jogo de corrida terá opções de transmissão nativas das competições entre jogadores.
Jogo de corrida terá opções de transmissão nativas das competições entre jogadores. Divulgação/Bandai Namco

Quando falamos de simuladores de direção nos videogames logo pensamos em Forza Motorsport e Gran Turismo, porém, um concorrente veio correndo por fora e hoje em dia Project Cars é um competidor à altura - e segundo o produtor Stephen Viljoen, chegou tomando o posto de melhor simulador dos games.

Viljoen possui mais de 10 anos de experiência em simuladores e games de corrida, com participação no desenvolvimento de alguns títulos como GTR, Need for Speed Shift e Shift 2. Ele conversou com o ESPN eSports sobre esportes eletrônicos e o uso de novas tecnologias nos videogames.

Para começar, Viljoen confessou o que a Slightly Mad Studios, desenvolvedora do game, aprendeu com o primeiro Project Cars. Para o diretor, a opinião dos jogadores e a melhora de quesitos técnicos fazem a diferença quando se busca uma melhor experiência.

Viljoen: “o feedback que recebemos da comunidade mostrou o caminho. Um dos pontos foi o quão importante era uma experiência divertida e ‘fora da caixa’. Para nós, a missão em Project Cars 2 é pegar está simulação que desenvolvemos e permitir que as pessoas se divirtam com ela. Outro ponto importante foi melhorar o áudio dos carros, pois é importante notar pela audição que pneu está ruim, que suspensão está quebrada e por aí vai. Tudo isso faz muita diferença”.

Stephen Viljoen, diretor de Project Cars 2, conversou com o ESPN eSports e revelou alguns detalhes de seu jogo.
Stephen Viljoen, diretor de Project Cars 2, conversou com o ESPN eSports e revelou alguns detalhes de seu jogo. ESPN.com.br

Sobre o desenvolvimento do jogo, Viljoen destacou a participação de profissionais do setor automobilístico, além do uso da Realidade Virtual tanto na produção do segundo Project, quando na experiência do jogador.

Viljoen disse que “pilotos de corrida do mundo real serviram consultoria ao game. Eles se envolveram diretamente no desenvolvimento para oferecer um pouco de sua experiência. Tivemos também pilotos de grandes fabricantes, como a McLaren no processo. Contamos com duas pessoas importantes da fábrica britânica: um engenheiro e um piloto de testes, que desenvolvem carros na vida real. A palavras deles ‘valem ouro’”.

A não ser que você seja realmente bom, você não consegue adentrar este cenário, não consegue se envolver nos esportes eletrônicos.

Stephen Viljoen, diretor de Project Cars 2

A Realidade Virtual também foi importante segundo Viljoen: “quando você coloca um piloto o mais próximo possível da experiência real, o feedback é mais acurado. É uma tremenda contribuição para o desenvolvimento. Sobre gameplay, sou um grande fã de Realidade Virtual, especialmente pelo quanto ela contribui para os jogos de corrida. Em Project Cars 2, o encaixe é perfeitamente natural. Você pode olhar no espelho. Olhar em volta no carro, olhar para os competidores. Nas corridas, o importante é ir para onde você está olhando, não? ”

Um tema bastante atual é a busca por espaço nos esportes eletrônicos. Perguntamos ao diretor de Project Cars 2 qual é a posição atual dos jogos de corrida nos eSports? Viljoen fez questão de citar a importância seu jogo para o cenário competitivo.

Viljoen: “os jogos de corrida estão em franca expansão nos eSports e Project Cars é o maior nome de longe de seu gênero. Algumas organizações que promovem eventos de eSports substituíram seus jogos anteriores, como Gran Turismo, por Project Cars, pois nosso jogo funciona muito bem no cenário competitivo. Então, resolvemos deixar Project Cars 2 ainda mais acessível aos eSports. A não ser que você seja realmente bom, você não consegue adentrar este cenário, não consegue se envolver nos esportes eletrônicos”.

Stephen citou o que seu jogo tem para oferecer para todos aqueles que estão ou pretendem investir nos eSports: “em Project Cars 2, o jogador pode configurar um lobby, chamar seus amigos, participar da corrida, e convidar um apresentador, de modo que possa atuar como um diretor de corrida. Ele pode operar a câmera, decidir que carro deve ser assistido, dispõem de ferramentas na tela que mostram quando dois carros estão muito próximos. Tudo isso pode ser transmitido para amigos ou para o mundo. Está tudo dentro do game e não está lá apenas para as pessoas que fazem isso por diversão. Está lá também para os profissionais que usam para grandes torneios”.

Pé no pedal e olho na pista

O evento que trouxe Viljoen também ofereceu a oportunidade para colocarmos as mãos no novo Project Cars 2. Os testes foram realizados tanto no controle tradicional dos videogames, como em volantes.

O jogador pode navegar pelas opções de simulação de velocidade, citadas por Viljoen, com facilidade. Quando queremos algo mais próximo da realidade, os volantes e a opção de câmera do cockpit nos trazem uma bela sensação de velocidade. As informações na tela de jogo, fartas, mostram o gasto do pneu e temperatura dos componentes do carro, preocupações extras que o piloto tem além de pisar fundo no acelerador.

Ao se passar para uma opção mais acessível, Viljoen lembra que Project Cars 2 foi pensado para diversos públicos: “esperamos criar a melhor experiência, seja para qual tipo de jogador. Houve um esforço especial para recriar as condições de pilotagem em diversos terrenos e condições. Não é porque queremos simular nos mínimos detalhes que não poder diversão”.

As palavras do diretor do game por ser traduzidos, por exemplo, na função Engenheiro, tela com opções na forma de perguntas sobre seu estilo de pilotagem que o jogador deseja. Ao se responder essas perguntas, o jogo se ajusta a maneira como o jogador deseja pilotar: simulação ou algo mais “arcade”.

O clima é um dos principais obstáculos de Project Cars 2.
O clima é um dos principais obstáculos de Project Cars 2. Divulgação/Bandai Namco

As condições climáticas também fazem bastante diferença. Há diversos fatores como corridas de dia ou noite, com a ação das estações do ano (chuva, frio, neblina, etc.). A aquaplanagem é uma armadilha da natureza pronta para fazer o jogador perder a dianteira do carro e por fim as chances de pódio. Há acidentes, como capotamentos, mas nada de sinais de batidas muito fortes, resumindo a perda de carenagem.

Há um modo de jogo especial em Project Cars que recria corridas históricas graças a compilação de destes eventos. Viljoen explica: “as condições são recriadas em seus detalhes para o jogador viver experiências dos pilotos profissionais”. A experiência de se jogar com os carros clássicos, em pistas com traçados antigos, com tecnologia da época também é um ponto positivo do jogo.

Project Cars 2, sucessor do simulador lançado em 2015, possui 170 carros de grandes marcas, 60 circuitos (dos quais 57 oficiais) com traçados oficiais, clássicos e alternativos. O jogo será lançado em 22 de setembro de 2017, legendado em português, com versões para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

Comentários

Para diretor, 'Project Cars 2' é o principal nome do gênero nos eSports

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.