Erro em regras do CBLoL também confundiu times do Circuito Desafiante; entenda o caso

Daniela Rigon/ESPN.com.br

Equipe da Iron Hawks ficou em segundo lugar no Desafiante neste split
Equipe da Iron Hawks ficou em segundo lugar no Desafiante neste split PromoArena

Nos últimos dias, vimos mais um episódio de confusão relacionado ao regulamento do Campeonato Brasileiro de League of Legends.

Nas regras do torneio, dois itens divergiam em relação ao formato da Série de Promoção para o CBLoL 2018. Enquanto o 2.3 afirmava que o 6º lugar do CBLoL escolheria seu oponente vindo do Desafiante, o 7.7 cravava que o 6º do CBLoL enfrentaria o 3º do Desafiante, e que o 7º do CBLoL enfrentaria o 2º do Desafiante. 

O erro pode parecer inocente, mas deve ser encarado com seriedade. Apesar da Riot Games ter respondido que sim, de fato, o regulamento estava confuso e que o item 2.3 era o correto, a dúvida foi levantada: se o item 7.7 fosse seguido, os resultados das disputas não poderiam ser diferentes?

Isso porque, apesar da Keyd Stars (6º) também ter a opção de escolher a Operation Kino (3º CD) como sua oponente, obrigá-la a jogar contra o time é algo diferente. Obrigação implica em um nível diferente de preparação para ambos os lados, enquanto a escolha dá um certo privilégio ao time do CBLoL de escolher quem ele achar que for "mais fácil" (ou "menos difícil").

Para Icaro Odilon, manager da Iron Hawks (2º CD), a divergência no regulamento foi percebida pela equipe após a conquista do vice-campeonato do Desafiante neste segundo split. “Questionamos a Riot Games, pois ficamos em dúvida se alguma mudança prévia do regulamento havia sido realizada”, explica.

Além disso, o problema também fez o time questionar o método utilizado que permite a escolha de oponentes. "Nos fez questionar o método. Não é que ele seja injusto, mas ele facilita para os times do CBLoL por mérito de já estarem lá”, afirma. “Minha sugestão seria manter do 6º enfrentar o 3º, e o 7º enfrentar o 2º, e deixar fixo dessa forma".

Já Paulo "Rezzo" Souto, diretor da Operation Kino, afirmou para o ESPN eSports que a organização não havia reparado na divergência. "Inclusive, no split passado nós ficamos em 6º e escolhemos o time que jogaríamos contra, ou seja, o mesmo processo que ocorreu agora. Por conta disso, tínhamos total noção do que aconteceria em relação a escolha de oponentes", continua.

Rezzo também acredita, no entanto, que a divergência pode levantar questionamentos sobre o método utilizado, que considera um pouco injusto para os times do Desafiante. "Premiar (dar o direito de escolher contra quem vai jogar) o 6º colocado no CBLoL (por ter tido uma melhor campanha que o 7º lugar) é você injustiçar os times do Desafiante, que conquistaram as primeiras colocações do campeonato", ressalta. "O 2º lugar do Desafiante, por exemplo, talvez tivesse o direito de jogar direto contra o 7º colocado do CBLoL. Quando você dá o direito de escolha a equipe do CBLoL, você está premiando o cara do CBLoL, mas não está premiando o cara do Desafiante que conseguiu os primeiros lugares da competição".

Uma sugestão para Rezzo, no caso seria melhorar a condição do Desafiante. "Talvez não ter Relegation no CBLoL e aumentar o número de equipes que competem por este mesmo campeonato também. Enfim, creio que são coisas que considero mais justos do que o modelo atual", pontua. 

Time de LoL da OPK em momento de descontração
Time de LoL da OPK em momento de descontração Operation Kino

Não é novidade

Erros no regulamento em relação à entrada e saída do CBLoL não são novidades. Em 2016, uma polêmica maior envolveu a g3nerationX e a CNB e-Sports na disputa para ver quem seria rebaixado no Primeiro Split.

Na época, a Riot afirmou que o último lugar do CBLoL seria rebaixado para o Desafiante, mas não divulgou previamente que o 7º e 8º lugar do CBLoL (g3x e CNB) disputariam uma MD3 para definir quem cairia.

A história deixou uma pulga na orelha da comunidade, que questionou sua autenticidade, já que ela não havia sido divulgada anteriormente, e parecia tentar "proteger" um time grande do cenário - principalmente porque, na época, a g3x estava em 7º lugar com 1 vitória, 3 empates e 3 derrotas, enquanto a CNB estava com 0 vitórias, 3 empates e 4 derrotas.

O resultado foi que a CNB, que havia ficado atrás a competição inteira, acabou vencendo a MD3 e permaneceu no CBLoL, enquanto a g3x foi rebaixada. Na ocasião, a Riot Games deu uma resposta bem confusa sobre o assunto ao site MyCNB, da organização, e não tocou mais no assunto. A partir da etapa seguinte, não houve mais este confronto entre 7º e 8º lugar.

CNB comemora vitória na Série de Promoção de 2016 após escapar do rebaixamento direto
CNB comemora vitória na Série de Promoção de 2016 após escapar do rebaixamento direto Riot Games

Ainda que as equipes se sintam prejudicadas, não seria o caso de buscar um litígio contra a organizadora do campeonato. Segundo a advogada Tarsila Machado Alves, especialista em esportes eletrônicos, entende que não cabe medidas judiciais e que os envolvidos por se tratar na verdade de uma improbidade. "Existem algumas impropriedades na separação dos tópicos do regulamento que pode nos trazer equívocos na interpretação das suas normas e esse pode ter sido o caso nesse momento".

Como evitar confusões como essa no futuro?

Segundo a consultora, a cláusula 2.3 do regulamento deixa margem para interpretações destoantes e explica : "O item 2.3. é divido em 5 parágrafos. Os 3 primeiros são autoexplicativos, mas a divergência está nos parágrafos 4 e 5. O parágrafo 4 trata da Promoção e Rebaixamento entre o Circuito Desafiante e o CBLoL, que prevê a opção do 6º lugar decidir quem será o seu rival. Já o parágrafo 5 trata da Promoção e Rebaixamento entre o Circuito Desafiante e a Classificatória do Circuito Desafiante, que será feito por sorteio".

Além disso, Tarsila avalia que  o item 7.7 provavelmente foi "um erro de digitação, tanto que no item 7.4. havia a previsão diferenciada no calendário da 1 Etapa".

É válido lembrar que é necessário que não apenas nesse, mas em todos os campeonatos os participantes precisam ter um canal direto para sanar qualquer dúvida porque os times "podem e devem pedir esclarecimentos todas as vezes que entenderem necessário para a organização".

"Inclusive, são nesses momentos que a Riot Games deve prestar toda a transparência e esclarecimentos para os participantes de seus campeonatos, principalmente, se realmente tem a intenção de fomentar o cenário de eSports, nos termos da legislação esportiva brasileira", complementa.

Para evitar situações como esta novamente, a advogada sugere que as organizações sempre solicitem esclarecimentos e requiram que os regulamentos sejam claros, completos e específicos. "Além disso, [devem] requerer que haja previsão no regulamento da forma em que a Organização da Temporada avalia, presta esclarecimentos, e julga as violações durante o campeonato", finaliza.

Série de Promoção

Mesmo com a confusão, a Série de Promoção está firme e forte, marcada para este final de semana. Com seu poder de escolha, a Keyd Stars decidiu enfrentar a Iron Hawks neste sábado (5), enquanto a CNB enfrentará a Operation Kino no domingo (6). As disputas são em formato MD5 e começam a partir das 13h, com transmissão ao vivo pelos canais da Riot Games Brasil. 

Comentários

Erro em regras do CBLoL também confundiu times do Circuito Desafiante; entenda o caso

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.