Seis jogos sem vitória, 3 jogadores vendidos e nenhuma escalação repetida: como, em um mês, o São Paulo foi parar na zona de rebaixamento

ESPN.com.br

O São Paulo de Rogério Ceni somou 2 dos últimos 18 pontos disputados
O São Paulo de Rogério Ceni somou 2 dos últimos 18 pontos disputados Djalma Vassão/Gazeta Press

Thomáz e Lucas Pratto, estes foram o jogadores que marcaram os gols da última vitória do São Paulo no Campeonato Brasileiro. Isso foi em 8 de junho, quando o time tricolor venceu o Vitória, no Morumbi, e somou três pontos na competição, pela última vez.

Neste período, o clube acumulou seis jogos sem vencer, vendeu três jogadores, testou formações diferentes e não repetiu escalação nem uma vez sequer. Para piorar, com a derrota para o Flamengo no último domingo, o São Paulo entrou na zona de rebaixamento pela primeira vez neste Brasileiro.

Brasilero: Gols de Flamengo 2 x 0 São Paulo

  • Derrotas e aproveitamento

O último triunfo do São Paulo foi na quinta rodada, contra o Vitória. O resultado deixou o time do Morumbi na sétima posição, com nove pontos e 60% de aproveitamento – três vitórias e duas derrotas, em cinco jogos.

Se até aquele momento a equipe paulista havia somado mais da metade dos pontos disputados, a sequência trouxe um cenário totalmente diferente.

Foram seis jogos: quatro derrotas (Corinthians, Atlético-PR, Flamengo e Atlético-MG) e dois empates (Sport e Fluminense). 18 pontos em jogo, dois somados e apenas 11% do total.  Este fraco desempenho permitiu que outros times ultrapassassem o São Paulo, que entrou no Z4.

  • “Nossa vitrine é mais atrativa”

Ganso, Neres, Luiz Araújo...veja a 'seleção do desmanche' na 'Era Leco' do São Paulo

As aspas foram ditas por Vinícius Pinotti, diretor-executivo de futebol do São Paulo, para justificar as inúmeras saídas de jogadores do clube. No começo do ano, David Neres e Lyanco já tinham se transferido para a Europa, mas em junho o número de baixas triplicou.

No segundo dia do mês, Luiz Araújo foi vendido ao Lille, da França, mas ainda teve tempo de entrar em campo na derrota para a Ponte Preta, dois dias depois.

No mesmo dia, foi noticiada a venda de Thiago Mendes também para o time francês. Porém, o São Paulo e o jogador desmentiram a informação e afirmaram que o meia seguiria no Morumbi. A promessa não se concretizou e, na última semana, Thiago se transferiu para o Lille.

Com as derrotas em sequência, a defesa são-paulina se tornou cada vez mais questionada e alguns jogadores não conseguiram se sustentar. Maicon, que antes era um ponto de confiança no elenco, se tornou alvo de críticas e foi vendido para o Galatasaray, da Turquia.

Mas não para por aí. O atacante Chávez, que estava emprestado até o final de junho, foi liberado antes do fim do mês e retornou ao Boca Juniors, da Argentina. Sem falar em João Schmidt, que já havia acertado sua ida para a Atalanta, da Itália, e também deixou o Morumbi em junho.

Além das vendas consumadas, o zagueiro Lucão não deve mais atuar pelo time tricolor. O atleta falhou no derrota para o Atlético-MG, foi vaiado e deixou o gramado dizendo que estava de saída do São Paulo. Desde então, o jogador está afastado do elenco.

O desmanche do São Paulo não se resumiu apenas àqueles que entram em campo. Na última sexta-feira, o auxiliar de Rogério Ceni, o inglês Michael Beale, alegou problemas pessoais e pediu para deixar o time tricolor.

  • Contratações e permanências

Estreante, Petros diz que São Paulo não pode estar na zona da degola: 'É trabalhar'

Em certa ocasião, Pinotti afirmou: “A gente tem planejamento de reforçar o time, então chegarão mais do que sairão”. De fato, chegaram mais atletas neste mês de junho. O meia argentino Jonatan Goméz e o zagueiro equatoriano Arboleda desembarcaram em São Paulo.

O atacante Maicosuel, o volante Petros, ex-Corinthians, e o atacante Denílson também foram adições da diretoria são-paulina ao plantel da equipe.

O período contou com duas renovações de jogadores do São Paulo. Alvo do Ajax, o lateral Júnior Tavares acertou sua permanência até 2021. Já o zagueiro Lugano, depois de uma longa novela, fechou um novo contrato com duração até o fim de 2017.

  • Formações e Escalações

Em seis partidas, Rogério Ceni não repetiu a escalação nenhuma vez. Foram mudanças em todos os setores, com exceção do goleiro Renan Ribeiro. Ao todo, neste período, 21 jogadores diferentes foram titulares.

Como se não bastassem as alterações, o treinador do time tricolor também mexeu no padrão tático da equipe. Alternando esquemas com dois ou três zagueiros, Rogério não conseguiu a melhor disposição para os jogadores são-paulinos em campo.

Comentários

Seis jogos sem vitória, 3 jogadores vendidos e nenhuma escalação repetida: como, em um mês, o São Paulo foi parar na zona de rebaixamento

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.