De 'mais um japonês ruim da F-1' a vencedor da Indy 500: a trajetória de Takuma Sato

Renan do Couto, narrador dos canais ESPN
Getty
Takuma Sato comemora com o tradicional banho de leite a vitória em Indianápolis
Takuma Sato comemora com o tradicional banho de leite a vitória em Indianápolis

Para muitos, a Indy 500 é a maior corrida do mundo. O próprio slogan da prova é "The Greatest Spectacle in Racing", ou "o maior espetáculo no automobilismo". Essa corrida agora tem um japonês como vencedor: Takuma Sato.

Os japoneses Masanori Sekiya e Seiji Ara já tinham vencido as 24 Horas de Le Mans, mas o que Sato fez neste domingo nas 500 Milhas de Indianápolis é o maior feito individual de um piloto nipônico sobre quatro rodas.

E se havia alguma discussão sobre quem tinha sido melhor, ele ou Kamui Kobayashi, a balança agora vai pender bastante para o lado de Sato.

Já aos - sim, é verdade - 40 anos de idade, Sato ainda carregava aquele rótulo comum aos pilotos japoneses. Algo que vem desde os tempos de Satoru Nakajima, o primeiro a competir regularmente na F-1. Nos anos 1990, vários surgiram. Aguri Suzuki, que foi ao pódio no GP do Japão de 1990. Caras como Ukyo Katayama, Tora Takagi e Shinji Nakano não ajudaram a melhorar a reputação. E, claro, Taki Inoue e Yuji Ide merecem muito ser citados.

Sato e Kobayashi, porém, não eram tão dignos de tal rótulo. Ficaram marcados mais pelo estereótipo do que pelo desempenho. E Sato, antes de ganhar em Indianápolis, também já tinha no currículo uma vitória na corrida de rua de maior prestígio dos Estados Unidos: o GP de Long Beach, em 2013.

Esse ano de 2013, aliás, foi o ano em que ele terminou a primeira parte da temporada na liderança do campeonato, após um segundo lugar na São Paulo Indy 300. Não fosse uma ultrapassagem na entrada do Sambódromo na última volta, ele teria vencido a segunda consecutiva. O problema foi que, na modesta Foyt, ele não conseguiu manter o mesmo nível de performance desde então. Até que veio 2017, e a mudança para a Andretti. Com a Honda, a parceira de sempre.

Veja o acidente impressionante que marcou a Indy 500; pilotos saíram ilesos 

Foi a montadora japonesa que o levou à F-1 em 2001, como piloto de testes da BAR. Em 2002, ele fez a temporada toda pela Jordan, tendo como ponto alto o quinto lugar no GP do Japão - na época, apenas seis pontuavam. Em 2003, tornou a ser piloto de testes na BAR, mas entrou no lugar de Jacques Villeneuve em Suzuka e terminou em sexto. O resultado lhe rendeu uma promoção para 2004, o seu grande ano no Mundial.

Getty
Pódio da F-1 em Indianápolis 2004: Barrichello, Schumacher e Sato
Pódio em Indianápolis 2004: Schumi e Sato

Sato teve seis quebras de motor, mas ajudou a equipe a ficar com o vice-campeonato de Construtores, perdendo apenas para a dominante Ferrari. E foi ao pódio pela primeira e única vez na F-1. Justo onde? Em Indianápolis, no GP dos Estados Unidos, ao chegar em terceiro.

Dali até sua saída da F-1, em 2008, os carros eram bem piores, e ele só conseguiu pontuar três vezes - duas delas com a Super Aguri, em 2007.

Na Indy, já tinha flertado com a vitória nas 500 Milhas em 2012: na última volta, tentou passar Dario Franchitti por dentro na curva 1. Rodou, bateu, e deixou a vitória nas mãos do escocês. Cinco anos depois, ele se redime e vive o ponto alto da carreira. "Desta vez eu estava apontando para a direção correta, não estava?", indagou.

"É uma sensação incrível", disse Sato. "Eu não nem consigo agradecer toda essa equipe. É fantástico."

"Até três voltas para o fim, não tinha como saber. Eu e o Helio ficamos lado a lado. Você precisa ir pra cima, de pé embaixo. E fizemos isso. Deu certo. Fantástico", reforçou.

Alonso brinca com sensação de liderança na Indy: 'Espero que tenham tirado uma foto da classificação na hora'

Sato mal terá tempo para comemorar. Na semana que vem, a Indy já terá sua rodada dupla em Detroit, e agora empatado na vice-liderança do campeonato, 11 pontos atrás do líder Helio Castroneves, é bom o piloto não perder o foco.

Mas imaginem só a festa que será no Japão quando ele tiver uma folga e puder visitar o quartel-general da Honda. Os japoneses são apaixonados por automobilismo, e a narração na TV local, no meio da madrugada (ASSISTA AO VÍDEO ACIMA), é um bom sinal da empolgação com o resultado...

Comentários

De 'mais um japonês ruim da F-1' a vencedor da Indy 500: a trajetória de Takuma Sato

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.