A guerra em outro campo: como o sangue e a violência se uniram para controlar a alma do futebol na Síria

Steve Fainaru, do Outside the lines*

O TIME DO DITADOR

 

Com a conivência da Fifa, o governo de Bashar al-Assad na Síria envolveu o futebol em sua horrível campanha de opressão, destruindo uma geração de jogadores.

 

EM UMA TARDE FRIA DE FEVEREIRO, um dos maiores jogadores de futebol da Síria está sentado na parte externa de um shopping no Golfo Pérsico, paralisado por uma decisão que ele teme poder custar a sua vida.

Durante cinco anos, Firas al-Khatib boicotou a seleção síria em protesto contra o ditador Bashar al-Assad, que bombardeou e deixou sem comida sua cidade natal.

Agora, de repente, Khatib parece estar mudando de opinião. Ele está pensando em voltar à seleção, que joga sua última cartada para se classificar à Copa do Mundo do próximo ano. Seus motivos são complexos, e ele não se sente à vontade para falar.

"Tenho medo", diz ele, em um inglês cheio de sotaque. "Hoje, na Síria, se você falar, alguém pode matá-lo. Seja pelo que você fala ou pelo que você pensa. Não pelo que você faz. Eles vão te matar pelo que você pensa."

Khatib é barbudo, tem os cabelos castanhos encaracolados e um aspecto ameaçador, mas seu olhar é gentil. Ele ficou milionário jogando profissionalmente no Kuwait. O cenário de classe alta do shopping nos dá um vislumbre da vida confortável que ele leva aqui - ao fundo, iates flutuando em um imenso mar azul, homens e mulheres bem-vestidos fumando tabaco aromatizado em narguilés. Mas Khatib parece quase esgotado em meio ao seu dilema, sobre o qual ele fala durante dois dias de entrevistas. "Todos os dias antes de dormir eu passo uma, talvez duas horas, só pensando sobre essa decisão."

Ele pega seu telefone para mostrar sua página no Facebook, que recebe uma centena de mensagens por dia. Até mesmo alguns amigos próximos estão se voltando contra ele. Um jogador que foi seu amigo de infância, Nihad Saadeddine, diz que, se Khatib voltar à Síria, ele será relegado "à lixeira da história junto com todos os que apoiam o criminoso Bashar al-Assad". Saadeddine jura que nunca mais voltará a falar com Khatib.

Em algum momento, nos próximos 36 dias, quando a seleção da Síria entrar em campo, Khatib deverá escolher entre os dois grandes males que assolam o mundo moderno.

Se ele voltar à Síria, será o capitão da seleção e o jogador mais importante na tentativa de fazer seu país jogar a Copa do Mundo pela primeira vez. Será também a cara de um governo que, além de usar armas químicas, tortura, estupro, corte de alimentos e bombardeios de civis, usa o futebol como arma para promover sua tirania.

Se ele continuar boicotando a seleção, ficará ao lado de um movimento confuso, que começou com manifestações pacíficas e, de lá para cá, incluiu a Al-Qaeda e o Estado Islâmico. O Estado Islâmico usou o futebol como pano de fundo para alguns de seus crimes mais horríveis, incluindo os atentados de 2015 no Stade de France e um ataque com bombas em um jogo de futebol juvenil no Iraque em 2016, ação que matou 29 crianças. 

"Há muitos assassinos na Síria hoje, muitos, não só um ou dois", diz Khatib. "E eu odeio todos eles."

Ele está perdido.

"Aconteça o que acontecer, 12 milhões de sírios vão me amar", diz ele. "Outros 12 milhões vão querer me matar."

 

Conheça a história e a luta de Ayman Kasheet, ex-capitão da seleção da Síria que luta pelo futebol do país

DENTRO DA GUERRA CIVIL DA SÍRIA existe outra guerra civil em miniatura: uma luta distorcida e às vezes sangrenta para conquistar a alma do esporte nacional.

A improvável classificação da Síria para a Copa do Mundo colocou jogador contra jogador e treinador contra treinador. Essas disputas espelham o conflito que está abalando grande parte do planeta. Durante seis anos de guerra civil, pelo menos 470 mil sírios morreram. A expectativa de vida no país caiu de 70 para 55 anos. A seleção nacional de futebol, que representa uma nação com mais de 12 milhões de refugiados, cerca de metade da população, é mais um campo de batalha para os seguidores e os adversários de Bashar al-Assad.

O governo sírio afirma que o futebol é o único lugar onde sírios de todos os lados podem se encontrar em paz. O futebol é "um sonho que une as pessoas. Ele alegra as pessoas e ajuda a esquecer toda destruição e morte", diz Bashar Mohammad, porta-voz da seleção síria.

Na verdade, o regime de Assad, com a conivência da Fifa, envolveu o futebol em sua terrível campanha de opressão patrocinada pelo Estado, como mostra o trabalho de sete meses feito pelos programas Outside the Lines e ESPN The Magazine.

O governo sírio fuzilou, explodiu ou torturou até a morte pelo menos 38 jogadores das duas divisões principais das ligas profissionais do país e mais dezenas de jogadores de divisões inferiores, segundo informações compiladas por Anas Ammo, ex-jornalista esportivo em Aleppo, que acompanha as violações de direitos humanos envolvendo atletas sírios. Pelo menos 13 jogadores estão desaparecidos. Embora as forças da oposição também tenham matado jogadores de futebol em menor escala (Ammo atribui quatro dessas mortes ao Estado Islâmico), a Rede Síria de Direitos Humanos concluiu que o governo Assad "usou atletas e atividades esportivas para apoiar (...) suas práticas opressivas brutais". Estádios de futebol são usados como bases militares para atacar civis. Desde o início da guerra, de acordo com os jogadores, as equipes foram forçadas a apoiar Assad, às vezes marchando com bandeiras e vestindo camisetas com a imagem do presidente. "Assad queria mostrar às pessoas que atletas e artistas o apoiavam, porque essas são as pessoas com maior influência nas ruas", diz Ammo. "As marchas eram obrigatórias."

O trabalho da ESPN foi baseado em entrevistas com jogadores e ex-jogadores, cartolas e ex-cartolas e amigos e parentes das vítimas, assim como em revisões de estudos de caso e vídeos abertos ao público confirmados por monitores de direitos humanos. As entrevistas aconteceram entre setembro de 2016 e março de 2017 na Malásia, Alemanha, Turquia, Suécia, Kuwait e Coreia do Sul.

As acusações de que a Síria viola as regras da Fifa que proíbem a interferência política em assuntos relacionados ao futebol foram entregues à entidade em 2015. A Fifa usou essas regras 20 vezes na última década para suspender países de competições internacionais. Mas, no caso das acusações contra a Síria, apresentadas em um documento de 20 páginas intitulado "Crimes de Guerra contra Jogadores Sírios de Futebol ", a Fifa respondeu que as "circunstâncias trágicas... vão muito além do domínio das questões desportivas" e alegou que a questão estava fora de seu controle. Funcionários da Fifa se recusaram a dar entrevistas para a ESPN, mas emitiram uma declaração dizendo que a organização tem limitações em sua jurisdição e em sua "capacidade de comprovar quaisquer acusações em um cenário tão complexo".

"Há uma contradição entre as decisões da Fifa e suas regras", diz Ayman Kasheet, ex-jogador de futebol sírio que levou as acusações até a sede da Fifa, em Zurique. "Eles emitem uma diretiva para paralisar uma federação por causa de interferência política, mas, ao mesmo tempo, há uma guerra total em um país onde estádios estão sendo usados para armazenar equipamentos militares, onde crianças e jogadores de futebol menores de 18 anos estão morrendo e onde jogadores de futebol estão sendo presos. Tudo isso está acontecendo e há muitas provas, mas onde está a decisão? Isso é hipocrisia."

Mark Afeeva, um advogado londrino especializado em direito esportivo, que estudou os estatutos de independência da Fifa, concorda que a Síria representa "um claro caso de interferência sistêmica do Estado no futebol local e internacional e, mesmo assim, a Fifa não age. Falando de forma clara, eles não têm peito para se envolver no que é nitidamente um caso execrável."

Fadi Dabbas, vice-presidente da Associação de Futebol da Síria e chefe da delegação da seleção, diz que as alegações "não são verdadeiras" e que elas foram feitas por jogadores exilados opositores de Assad. "O regime protege o povo sírio. O problema é que eles estão fora da Síria e representam só a si mesmos", diz Dabbas.

A presença da Síria na Copa do Mundo criou um conflito moral não só para a Fifa, mas também para os jogadores e torcedores. Centenas de jogadores sírios fugiram para países vizinhos e para a Europa. Entre eles, estão jogadores que se recusaram a representar o regime, como Firas al-Khatib. Um deles, o zagueiro Firas al-Ali, esperou a madrugada e protagonizou uma espetacular fuga da concentração da seleção, fugindo do país pouco depois de saber que seu primo de 13 anos havia sido morto em um ataque do governo.

Hoje, ele vive em uma barraca com sua esposa e os três filhos, no campo de refugiado de Karkamis, no sul da Turquia. Em uma entrevista para a ESPN, ele declarou que jogar na seleção nacional é "uma desonra. Era algo que eu não podia mais fazer. Eu me sentia como se estivesse traindo todos os meus compatriotas que haviam morrido por causa da tirania e da opressão. Esses jogadores estão carregando a bandeira da morte."

 

EM UMA TARDE DE SETEMBRO, a chuva ameaça cair, e os jogadores da seleção da Síria, vestidos com camisetas brancas, estão pelo saguão do Royale Bintang Resort & Spa, esperando o ônibus que vai levá-los ao treino. Esta será a casa deles para a terceira rodada das eliminatórias da Copa do Mundo, que começaram em setembro de 2016 e vão até setembro de 2017.

A equipe síria parece uma criança abandonada, passando de um lar adotivo para outro. A Síria normalmente manda seus jogos em Damasco e Aleppo, mas agora a Fifa não permite jogos ali por que não pode garantir a segurança de jogadores e torcedores. Depois de jogar a segunda rodada das eliminatórias asiáticas em Omã, a Síria não conseguiu encontrar no Oriente Médio um local para mandar seus jogos da terceira rodada. Alguns dias antes do primeiro jogo, Macau se ofereceu para ser a sede, mas depois recuou. Prestes a sofrer uma punição, a equipe foi para Seremban, na Malásia, uma cidade industrial no Oceano Índico a mais de 7.500 quilômetros de distância.

O Dia da Independência da Malásia acabou de ser comemorado, e o saguão está cheio de frases patrióticas e dezenas de bandeiras vermelhas, brancas e azuis, que pairam ironicamente sobre os sírios. "EU SOU UMA CRIANÇA DA MALÁSIA", diz uma das frases. Os jogadores estão exaustos e ainda não conseguiram entender como vieram parar aqui. As eliminatórias começaram três dias antes, no Uzbequistão, com uma derrota por 1 a 0. Depois da definição da nova casa, a equipe viajou 20h de Tashkent a Istambul e de lá para Kuala Lumpur, antes de se deslocar mais 65 quilômetros até Seremban. "Primeiro, disseram que jogaríamos no Catar, depois no Líbano ou em Macau", diz o capitão do time, Abdulrazak al-Hussein. "Eu não sei o que aconteceu exatamente. Não deveria haver todas essas rejeições".

A Síria vai enfrentar a Coreia do Sul daqui dois dias. Há dez anos, uma partida de eliminatórias contra esse mesmo país levou 35 mil pessoas ao estádio na Síria. Enquanto esperam, os jogadores falam sobre o provável número de torcedores desta vez: "Acho que uns três mil!", diz um deles, em meio às risadas dos demais.

Com tantos problemas, o sucesso da Síria até aqui é surpreendente. Além dos problemas logísticos e da deserção de jogadores importantes, a equipe está sem dinheiro. A Fifa foi obrigada a congelar o dinheiro de ajuda para a Síria por causa das sanções impostas ao país pelos EUA e pela União Europeia. Segundo Kouteiba al-Refai, o assustado cartola da equipe, a seleção está treinando em um campo precário de Seremban para não ter que pagar uma taxa de US$ 3.500 pelo estádio. O próprio Refai não recebe salário.

A Síria passou para a segunda fase em segundo lugar, atrás do Japão. Nos últimos 31 anos, o país nunca esteve tão perto da Copa do Mundo. A Fifa vende o improvável sucesso da equipe como uma linda história de superação, publicando histórias no site FIFA.com sobre a luta heroica da equipe para chegar até a Copa do Mundo contra todas as dificuldades. "O que a Síria conseguiu parece muito com um milagre", dizia um artigo publicado em fevereiro passado.

As histórias deixam de lado um detalhe: a seleção da Síria é representante de um governo acusado de cometer crimes de guerra contra seu próprio povo.

 

Jun Michael Park/Laif para a ESPN
Fadi Dabbas, vice-presidente da Federação Síria, diz: 'Estamos orgulhosos do nosso presidente. Estamos orgulhosos das coisas que ele conseguiu'
Fadi Dabbas, vice-presidente da Federação Síria, diz: 'Estamos orgulhosos do nosso presidente. Estamos orgulhosos das coisas que ele conseguiu'

A FIFA ENDOSSOU A POSIÇÃO do regime de Assad, que afirma que a seleção nacional da Síria é politicamente neutra. Dabbas, o empresário sírio que atua como chefe da delegação, diz que o objetivo principal da equipe, além de se classificar para a Copa, é "unir todos os sírios" e "mostrar ao mundo que a Síria está bem, que a Síria está viva". A equipe representa "toda a Síria".

Mas Dabbas deixa claro que a Síria está jogando por "nosso presidente" e é leal a Assad. "Qualquer sírio dentro da Síria representa o presidente Bashar Assad e Sua Excelência, o presidente Dr. Bashar Assad, nos representa. Estamos orgulhosos do nosso presidente. Estamos orgulhosos das coisas que ele conseguiu. Queremos agradecer e parabenizá-lo pelo que ele fez pela Síria. Nós o apoiamos e queremos sua liderança."

Segundo Dabbas, Assad assiste a todos os jogos e está "atento a todos os detalhes da equipe".

Na verdade, existem inúmeros sinais de que a seleção não representa uma Síria unida, mas a face benigna de uma ditadura implacável. Em novembro de 2015, o treinador, um jogador e o porta-voz da equipe compareceram a uma coletiva de imprensa antes da partida em Cingapura vestindo camisetas com a foto de Assad. O treinador Fajer Ebrahim usou a plataforma da Copa do Mundo para declarar que Assad era o "melhor homem do mundo", um comentário que circulou bastante entre os refugiados sírios.

Ebrahim, que não está treinando a equipe na terceira rodada das eliminatórias, deu uma entrevista para a ESPN em Kuala Lumpur e começou fazendo um discurso improvisado com elogios a Assad. "Sabemos que nosso presidente é o homem certo, que ele é um grande homem", disse ele. "Sem nosso presidente, a Síria está destruída."

Perguntado se seria conveniente usar a Copa do Mundo para fazer declarações políticas, Ebrahim respondeu: "Tudo está relacionado agora. Tudo é política."

Graças às pressões internas na Síria, onde milhares de pessoas foram torturadas e mortas por se oporem a Assad, é difícil avaliar a sinceridade dos membros da seleção e se sua lealdade é sincera. Anas Ammo, um ex-jornalista esportivo bem relacionado que documentou crimes contra atletas sírios, trabalha como agente esportivo em Mersin, na Turquia. Ele conta que alguns jogadores da seleção tiveram membros da família presos ou mortos pelo regime. "Eles são obrigados a jogar, caso contrário podem matar seus parentes", diz Ammo, pedindo para não divulgar os nomes dos jogadores como forma de proteger a eles e suas famílias. Ammo afirma conhecer dois integrantes da seleção que jogam por medo de que o governo, que controla seus documentos de viagem, retenha seus passaportes, tornando impossível para eles jogar no exterior. Outros jogadores, conta Ammo, são leais a Assad.

Ammo acredita que, se os jogadores tivessem controle sobre seus passaportes, muitos deles não defenderiam a seleção.


Suzanne Lee para ESPN
Síria empata com a Coreia do Sul e comemora: 'O resultado de hoje não é uma conquista, é um milagre', diz o capitão
Síria empata com a Coreia do Sul e comemora: 'O resultado de hoje não é uma conquista, é um milagre', diz o capitão

CANSADOS DA VIAGEM, os sírios entram em campo no Estádio Tuanku Abdul Rahman de Seremban em uma noite abafada de setembro. A entrada é grátis, mas há menos de 5 mil pessoas no estádio com 45 mil lugares. Uma centena de sírios, na sua maioria estudantes que vivem em Kuala Lumpur, se concentram na parte central da arquibancada lateral. A Coreia do Sul, sempre uma força na Ásia, ameaça muitas vezes, mas não consegue marcar. O time sírio luta para segurar um empate sem gols que lhe daria seu primeiro ponto. Toda hora algum jogador da Síria despenca no gramado, tentando fazer cera.

Com o tempo acabando, os torcedores sírios abrem uma enorme bandeira. É uma foto de Assad, que cobre 20 fileiras de arquibancada. A multidão pula como pipoca, bate os pés na arquibancada e grita: "Síria! Síria!". Rapidamente, seguranças malaios correm para a arquibancada e fazem os sírios guardarem a bandeira.

Quando o juiz apita o fim do jogo em 0 a 0, um membro da comissão técnica síria dá uma cambalhota, e o banco de reservas invade o campo.

"O resultado de hoje não é uma conquista, é um milagre", diz o capitão Hussein, exausto após o fim da partida. "Hoje, os jogadores da Síria mostraram que o time tem heróis, não só atletas." 


EM BERLIM, DO OUTRO LADO DO MUNDO, há uma realidade alternativa.

Em uma tarde gelada e chuvosa de fevereiro, duas dúzias de refugiados sírios invadiram o vestiário do visitante SV Buchholz, um clube amador que joga em uma divisão inferior do futebol alemão, chamada Bezirksliga. O edifício térreo, estreito e cinza, está escondido em uma rua residencial no nordeste de Berlim. Atrás dele está o campo de futebol. Um por um os sírios tiram suas camisetas verdes de dentro de um saco de papel amarrotado. A bandeira revolucionária da Síria, que mostra três estrelas vermelhas sobre faixas horizontais verdes, brancas e pretas, é colocada na janela.

Pelo menos dois times da "Síria livre" fizeram jogos amistosos na Turquia e na Alemanha. As equipes, que incluem veteranos da primeira divisão do país, são parte de uma massa de refugiados sírios que chega a quase 6 milhões de pessoas, pouco menos que a população do Rio de Janeiro. A equipe representa na Alemanha "as pessoas que foram oprimidas pelo regime", incluindo "atletas martirizados que deram suas vidas pelo país", diz o treinador, Nihad Saadeddine. "Se Deus quiser, este time será o representante oficial da Síria livre."

Os jogadores do SV Buchholz vão chegando um a um, despreocupados e relaxados. O vestiário dos alemães vibra com a música eletrônica, fazendo com que o prédio inteiro pareça ter uma pulsação. Loiros e atléticos, a maioria deles parece ter saído de um anúncio de turismo da Alemanha. Os sírios, mesmo com seus uniformes novos, parecem desarrumados e cansados, um bando de jogadores unidos por uma causa. "Muitos dos jogadores que estão aqui foram feridos ou detidos", diz Saadeddine. Com cabelos escuros e olhos espantados, o treinador de 35 anos parece ter 10 anos mais. Durante muito tempo, ele foi um meio-campista na Síria, mas hoje ele não pode mais jogar. Durante o cerco das tropas do governo à cidade de Homs, Saadeddine diz que foi baleado no joelho por um atirador, depois esmagado quando um morteiro explodiu atrás de uma parede enquanto ele estava ajudando mulheres e crianças a deixarem um edifício. Quando chegou à Áustria, onde vive hoje, os médicos descobriram cinco vértebras rachadas.

Saadeddine faz sua preleção antes do jogo: "Pessoal, nós temos uma causa, e espero que todos estejam à altura da tarefa de mostrar às pessoas como esse regime é criminoso, o que fizeram com atletas e prisioneiros. Temos obrigação de falar sobre eles. (...) Precisamos fazer nossas vozes serem ouvidas, temos que estar juntos para expor este regime ao mundo, mostrar que há uma revolução e que há atletas livres. Quando você diz que está na equipe da Síria Livre, está representando milhões de pessoas."

 

A GUERRA CIVIL NA SÍRIA

A resposta autoritária do presidente sírio Bashar al-Assad aos protestos em 2011 desencadeou uma guerra civil que deslocou milhões de pessoas e matou mais de 470 mil. Isso continua até hoje.

UM DOS JOGADORES DA SÍRIA LIVRE, Jaber al-Kurdi, foi preso pelo regime em 2013 na cidade de Hama, onde jogava em um time chamado Taliya. Kurdi diz que apoiou a oposição, mas nunca pegou em uma arma. "Você acha que essas mãos poderiam segurar uma arma?", pergunta ele, mostrando as palmas das mãos. "A mão de uma menina é maior do que a minha". Kurdi diz que participou de protestos, deu roupas e abrigo para os refugiados: "Eu não gosto de sangue ou derramamento de sangue, mas quando vi as pessoas chegando em Hama para dormir nos parques e nas ruas, não consegui ficar sem fazer nada."

A Human Rights Watch descreveu a vasta rede de prisões de Assad como "um arquipélago da tortura". Kurdi diz que foi mantido preso por nove meses sem julgamento, sendo levado de um presídio a outro em Hama, Homs e Damasco. No braço "palestino" da Direção de Inteligência Militar em Damasco, os guardas bateram várias vezes nas solas de seus pés com uma mangueira de borracha, depois aplicaram choques com fios elétricos ligados a seu crânio. Durante uma semana, ele ficou confinado em uma cela estreita, onde não podia se sentar e mal podia se mover. "Fazia frio, eles vinham, jogavam água em mim e depois iam embora", conta Kurdi. Ele conta que só podia sair cinco minutos por dia para se aliviar e que, às vezes, ganhava um pedaço de pão velho, que era empurrado por debaixo da porta.

O jovem de 25 anos tem feições suaves, uma barba de três dias por fazer e muitas olheiras. No final de seu período de prisão, diz ele, foi levado perante um juiz militar, que ordenou sua libertação. Quando o guarda lhe devolveu suas coisas (uma carteira vazia), pegou a mão de Kurdi e cortou seu dedo indicador com uma faca.

"Isso é para você se lembrar de nós", disse o guarda. Kurdi conta a história mostrando uma fina cicatriz.

Desde que chegou à Alemanha, Kurdi conta que tem pesadelos recorrentes, nos quais vê agentes de segurança sírios perseguindo-o pelas ruas bombardeadas de Hama. Ele precisou de tratamento por causa disso.

"Meu coração dói, juro por Deus", diz ele, desabafando durante uma entrevista. "Não sou feliz aqui. O governo alemão nos abrigou e nos deu proteção e segurança. Estamos gratos, mas não estamos felizes por dentro. Nosso povo está sendo massacrado."

Basel Hawa, outro jogador da Síria livre, conta que foi pego planejando sua deserção do exército sírio. Ele é direto: "Estamos matando nosso próprio povo". Ele conta que ficou preso por dois meses em uma pequena cela junto com outros 12 detidos. Eles eram obrigados a defecar em um buraco no chão. Hawa diz que foi libertado depois que Assad concedeu anistia limitada em 2014. Acabou fugindo para a Alemanha.

Um jogador é mencionado em todas as conversas com os atletas da Síria Livre, mas ele não está em Berlim. Jihad Qassab era um meio-campista aposentado na faixa dos 40, ex-jogador do Karama, uma equipe profissional em Homs. Ninguém sabe por que Qassab foi preso em 19 de agosto de 2014. Nunca houve um julgamento.

Reprodução/Google Earth
Visão aérea da Sednaya Military Prison, na Síria, que a Anistia Internacional chama de
Visão aérea da Sednaya Military Prison, na Síria, que a Anistia Internacional chama de 'matadouro humano'

A família e os amigos de Qassab acreditam que ele foi levado para a prisão militar de Sednaya, o centro nevrálgico do arquipélago da tortura de Assad. Um ex-prisioneiro contou para a Anistia Internacional que os guardas separam os prisioneiros mais fracos e forçam os maiores a estuprá-los. Havia surras constantes com canos, pedaços de esteiras de tanque e cabos com ganchos feitos para dilacerar a carne. De acordo com a Anistia Internacional, que chamou Sednaya de "matadouro humano", há uma câmara de execução subterrânea na prisão, composta por duas plataformas e dezenas de cordas. Em um período de quatro anos, a Anistia calcula que cerca de 13 mil sírios foram submetidos a uma política de "extermínio" na prisão.

Em setembro passado, mais de dois anos depois do desaparecimento de Qassab, sua morte foi anunciada. As mesquitas em Homs foram as primeiras a dar a notícia, depois as mídias sociais, a Rede Síria pelos Direitos Humanos e os meios de comunicação em todo o mundo. Não foram divulgados mais detalhes.

"Se Jihad vivesse em outro país, teria sido homenageado e recompensado por sua longa história de conquistas no esporte", diz Mohamed Hameed, ex-jogador do Karama e amigo de Qassab. "Na Síria de Assad, ele foi preso e torturado."

Os amigos contam que o corpo de Qassab nunca foi devolvido à família, e alguns acreditam que ele poderia estar vivo. Rashad Shamma, um velho amigo, fez uma pequena cerimônia para Qassab na frente de sua doceria, na Arábia Saudita.

É um sintoma da realidade distorcida da Síria que uma estrela como Qassab possa desaparecer, ser declarado morto, ter um funeral e ainda assim Shamma dizer com naturalidade: "Pode ser que ele esteja vivo ou não. Quem sabe?"

O vice-presidente da Associação de Futebol da Síria, Fadi Dabbas, primeiro disse à ESPN que não sabia nada sobre o paradeiro de Qassab e nunca tinha ouvido falar dele: "Eu nunca ouvi falar dessa pessoa", disse Dabbas. Quando foi lembrado de que Qassab jogou na primeira divisão da Síria por mais de uma década, ele respondeu: "Não sei para onde ele foi depois que saiu do Karama. Não sei o que houve. Não tenho informações a respeito."

 

APESAR DO SIMBOLISMO, O JOGO DA SÍRIA LIVRE contra o SV Buchholz terminou em derrota por 5 a 2 para os sírios, sob uma chuva fria e constante, diante de algumas dezenas de alemães que foram passar a tarde de domingo vendo seus amigos e parentes jogarem um amistoso curioso.

Dadas às circunstâncias, o jogo é, ao mesmo tempo, heroico e desconfortável de assistir. Os sírios marcam primeiro depois de um belo cruzamento. Mas, no segundo tempo, os alemães dominam o jogo, graças a sua melhor condição física e a sorte de levar vidas normais e por isso poderem treinar regularmente (os sírios se conheceram um dia antes do jogo). Um chute forte acerta o zagueiro sírio no rosto, deixando-o caído no chão por vários minutos antes de se recuperar.

A equipe da Síria livre se apresenta como uma alternativa à seleção nacional patrocinada por Assad. Mas o amistoso contra o SV Buchholz mostra que não é bem assim, o time está longe de ser uma seleção. Só existe uma seleção da Síria, e os jogadores que têm capacidade para atuar nesse time precisam decidir o que ele representa.

EM JULHO DE 2012, quando Firas al-Khatib anunciou que não jogaria mais pela Síria, Homs, sua cidade natal, ficou em chamas. A cidade do Centro-Oeste, que já foi a terceira maior do país, é conhecida como a "capital da revolução". No ano anterior, quando os protestos pacíficos contra o governo autoritário de Assad se espalharam, milhares de residentes de Homs foram às ruas. Como fez em outras cidades, Assad respondeu com uma força esmagadora. A resposta do governo em relação aos protestos em todo o país desencadeou uma guerra civil que agora apresenta um caldeirão bizarro de superpotências globais, terroristas estrangeiros, senhores da guerra, milícias e combatentes da liberdade.

A campanha de Assad na terra arrasada de Homs incluiu estupro e fome (alguns moradores comeram capim para sobreviver, de acordo com testemunhas e ativistas da oposição). Foram relatados massacres em que testemunhas viram as forças armadas de Assad cercarem e matarem civis.

Khatib é um dos cidadãos mais proeminentes de Homs e um dos atletas mais famosos da Síria, uma estrela nacional desde sua adolescência. Ele deixou o país no início dos anos 2000 para jogar profissionalmente na Bélgica, na China e, por mais de uma década, no Kuwait, onde quebrou o recorde e se tornou o maior artilheiro da história da liga. Khatib usou o que ganhou no futebol para ajudar a construir uma rua em Homs, a Al-Khatib Street, com um campo de futebol e uma mesquita que também leva o nome de sua família. Apesar dos milhões que ganhou jogando fora do país, ele sempre voltou para casa para representar a Síria. "Jogar para a sua equipe nacional significa 24 milhões de pessoas assistindo você e 24 milhões torcendo pela vitória", ele afirmou.

O boicote de Khatib, anunciado em um comício na Cidade de Kuwait, foi um golpe para Assad. Envolvido em uma faixa com as cores da revolução, Khatib disse à multidão, que gritava: "Aqui, perante a mídia, quero dizer que não jogarei mais pela equipe nacional da Síria enquanto houver bombas caindo por todo o país."

Um homem colocou Khatib em seus ombros. A multidão o chamou de Abu Hamza, um apelido carinhosos que significa "Pai de Hamza", seu filho mais velho.

"Deus o abençoe, Abu Hamza! Deus o abençoe!"

Khatib joga pelo Kuwait Sporting Club, seu quarto time no Kuwait. De pé na calçada do estádio de sua cidade em uma tarde de fevereiro, ele luta para explicar como poderia pensar em representar a Síria novamente, dada a sua posição anterior e as atrocidades que o governo continua a infligir sobre a população civil.

"O que aconteceu é muito complicado", afirmou. "Não posso falar mais sobre essas coisas. Desculpe, sinto muitíssimo mesmo. É melhor para mim, para o meu país, para a minha família e para todos se eu não falar sobre isso."

Mas ele dá dicas.

Khatib disse que não pisa na Al Khatib Street há seis anos. Ele não viu mais o pai, que não pode deixar o país por estar doente. "É o momento mais difícil da minha vida", afirmou. "Eu não quero voltar só porque jogo para a seleção nacional ou porque apoio ou não o governo. Eu quero voltar para a Síria como qualquer sírio. Eu quero poder finalmente ver os meus pais e meus irmãos". Khatib afirma que ainda sonha em voltar a Homs como presidente do Karama, a equipe local.

Getty
A guerra da Síria acabou com a amizade entre Firas al-Khatib (dir.) e Abdulrazak al-Hussein. Khatib boicotou a seleção; Hussein se tornou capitão
A guerra da Síria acabou com a amizade entre Firas al-Khatib (dir.) e Abdulrazak al-Hussein. Khatib boicotou a seleção; Hussein se tornou capitão

No momento em que Khatib anunciou seu boicote, muitos acreditaram na queda de Assad. "Naquele momento, era uma revolução muito boa, querendo que o país crescesse e ficasse mais forte, as pessoas querendo uma vida melhor", afirmou. Agora, Assad está entrincheirado. O governo controla não apenas Homs, mas também, desde dezembro, a cidade que já foi a mais populosa. A liga profissional da Síria, que foi confinada em duas cidades, Damasco e Latakia, está competindo novamente em outras partes do país. No final de janeiro, Ittihad e Hurriyah, os maiores rivais de Aleppo, jogaram a sua primeira partida na cidade desde 2012, um evento anunciado pelo governo como um sinal de que a Síria estava voltando ao normal.

"Eu [disse], eu não jogarei mais enquanto esta chacina, esta matança não terminar", afirmou Khatib. "Agora, você me pergunta por que me mudei. Eu me mudei por causa de uma simples decisão de futebol e não uma decisão política. Nós queremos ser felizes. Queremos algo que nos faça feliz. Tudo hoje na Síria nos deixa triste."

Ele tem cinco semanas para resolver se vai se juntar à Síria em sua próxima partida. Desde que empatou com a Coreia do Sul, na Malásia, a equipe venceu a China e empatou com o Irã, líder do grupo. A primeira aparição da Síria na Copa do Mundo está a seu alcance.

Perguntam a Khatib se ele considera representar um governo que continua a bombardear civis, que tortura e mata "as pessoas que você ama e os seus colegas de equipe".

"É uma pergunta muitíssimo difícil", afirmou Khatib, sorrindo melancolicamente. "Eu realmente não posso falar sobre isso. Eu quero falar. Mas não posso."

 

PARA OUTROS JOGADORES, representar Assad é uma traição impensável.

Um deles é Firas al-Ali.

"Eu vi a Síria como o paraíso na terra", afirmou Ali, um zagueiro da seleção nacional.

Mas ele não está mais na Síria e isto não é o paraíso.

O campo de refugiados de Karkamis lembra uma prisão pobre. Empoleirado na fronteira sul da Turquia com a Síria, o campo é cercado por paredes cinzentas e arame farpado e é controlado pelo governo turco. Os 6.886 ocupantes (incluindo 1.963 crianças) estão livres para sair, se tivessem algum lugar para ir e meios para chegar lá.

Ali já teve três casas. Agora todos os seus bens estão socados um uma grande tenda branca, uma das centenas erguidas simetricamente sobre a terra cozida pelo sol. A tenda de Ali não é maior ou menor que a de seus vizinhos, mas dentro é imaculada e formal. Cortinas de renda brancas alinham as paredes de lona e um tapete oriental cobre a base de madeira. Almofadas com tecidos florais formam uma área de estar em U. Uma pequena chaleira prateada fica em cima de uma chapa e ainda há uma TV de 13 polegadas e um frigobar. Ali, com 31 anos, sua esposa e seus três filhos viveram em Karkamis por três anos. Sua filha mais nova, Aysha, nasceu aqui.

Ali tem cabelos escuros que caem sobre a testa e a graciosidade de um atleta profissional. Para os observadores mais próximos do futebol sírio, sua situação é difícil de compreender: um atleta estelar que deixou de viver entre os seus fãs para viver em uma tenda. Ali jogou no Shorta, uma das melhores equipes de Damasco, ganhando US$ 125 mil por temporada, uma fortuna na Síria. Mais importante ainda, ele representou a Síria. "De 23 milhões de pessoas, eu fui um dos 20 melhores jogadores no meu país", afirmou. "Fui famoso e reconhecido em qualquer lugar que fosse. Minha situação material era excelente. Eu tinha uma boa família e uma boa reputação. Nunca pensei em pisar para fora do meu país."

Agora ele é um refugiado, as necessidades da sua família foram atendidas pela Autoridade turca de gestão de desastres e emergências.

Ali afirmou que preferia viver em um campo de refugiados do que jogar pela Síria. Em 2011, quando as forças armadas de Assad atacaram Hama, sua cidade natal, o primo de 19 anos de Ali, um estudante universitário de geografia, levou um tiro e morreu durante um protesto. "A bala acertou o olho e saiu pela sua cabeça", afirmou Ali. Mais tarde, uma bomba de barril (um tambor de óleo cheio de gás que o regime lançou de helicópteros aos milhares) caiu no telhado de uma casa e incinerou sua sobrinha enquanto ela estava em sua cozinha. Ali afirmou que chegou alguns minutes depois. "Ver um ser humano despedaçado é um pesadelo", afirmou. "Ela pesava quase 90 kg, era robusta, e não pudemos encontrá-la". Ali foi aos protestos, cobrindo o rosto por ser famoso. Ele sentiu que estava vivendo uma vida dupla: desafiando Assad nas ruas e representando-o em campo.

Uma manhã, Ali apareceu para treinar no estádio Abbasiyyin, em Damasco, e viu que ele havia sido convertido em uma base militar. "Nós tínhamos metade do estádio, e a quarta divisão (do exército sírio) tenha a outra metade. Eu vi isso com os meus próprios olhos! Havia uma artilharia nos lugares onde deveriam estar os atletas. Eles partiam para cima para suprimir as demonstrações do estádio em que eu estava treinando. Eu ouvia disparos de armas de dentro do estádio. E os manifestantes ainda não tinham armas. Os únicos que carregavam armas naquele momento faziam parte do regime."

Brian Henderson para ESPN
Firas al-Ali já teve três casas na Síria, mas hoje vive em um campo de refugiados na Turquia com sua mulher e três filhos
Firas al-Ali já teve três casas na Síria, mas hoje vive em um campo de refugiados na Turquia com sua mulher e três filhos

O treinador da equipe nacional era Fajer Ebrahim, o legalista de Assad que mais tarde usou uma camiseta com a foto do presidente antes de uma partida de qualificação para a Copa do Mundo. Ebrahim falou abertamente sobre a necessidade de acabar com os protestos, afirmou Ali. Ao vencer os jogos, Ebrahim disse aos jogadores que a Síria mostraria ao mundo que as rebeliões estavam tendo pouco efeito. Os jogadores ficaram divididos: "Nós estávamos nos destruindo", afirmou Ali. Sentia-se cada vez mais desmoralizado e o seu esforço no campo diminuiu "porque eu estava tão distraído. Meus amigos e familiares estavam morrendo."

Ocasionalmente, Ali se hospedou no Blue Tower Hotel, um hotel quatro estrelas no Hamra Street, em Damasco. Em uma noite sem dormir, afirmou, ele assistiu horrorizado de sua janela no oitavo andar o governo bombardear bairros civis ao redor da cidade. "Era como se eu estivesse assistindo a um filme de ação na televisão", afirmou. "Foi terrível."

Outra noite, enquanto a equipe nacional estava treinando para um torneio na Índia, Ali recebeu uma ligação dizendo que sua prima de 13 anos, Alaa, havia sido morta durante um ataque do governo em um vilarejo fora do Hama. Meia hora depois, ele se juntou à seleção nacional para o jantar. Quando um dos seus colegas de equipe tirou sarro dos protestos, Ali afirmou que atirou uma colher nele antes que seus colegas os separassem. Ali voltou para o seu quarto e ligou para sua família.

"Já chega", ele disse à irmã.

"Como assim?", ela respondeu.

"Nunca mais quero jogar para eles", ele respondeu.

Ele combinou com dois de seus irmãos para buscá-lo às 5h30 da manhã seguinte. Desde então, Ali correu para os territórios controlados pelos rebeldes e, segundo ele, acenou aos soldados que o reconheceram como um atleta famoso nos postos de controle, mas não sabiam que ele estava fugindo do regime. Ele cruzou a fronteira com a Turquia com sua jovem família. Ali estava livre, mas de repente se viu diante de novos desafios. "Eu tinha dinheiro no banco, e depois que desertei o regime o tomou", afirmou ele. "Eu tinha três casas e elas foram destruídas... Eu tinha um pedaço de terra e ela se foi... Todo o meu dinheiro foi levado."

À medida que descreve sua transformação, Ali se senta na versão Karkamis de um shopping: uma fila de baias de madeira que vendem de tudo, de comida a produtos enlatados, de utensílios de cozinha a geradores. Um dos vendedores traz travessas de carnes grelhadas, e Ali abaixa dentro de um das lojas de ferragem para evitar moscas na comida. Seus dias passam ensinando futebol para as crianças, que se juntam ao seu redor como uma celebridade do campo. À medida que a manhã avança, quando o sol é cortado pela neblina de deserto, Ali e três dúzias de crianças juntam em uma laje de concreto, espalhados com copo quebrado, corridos e tumultos. Ocasionalmente, a bola encontra seu caminho até Ali, que a manipula com a destreza de sua antiga vida.

"É difícil, mas eu não me arrependo de nada", afirma ele. "Como alguém se sentiria jogando sob essa bandeira, carregando a foto da pessoa que é a única razão pelo assassinato, morte e expulsão de mais de 7 milhões de sírios?"

A PERGUNTA CENTRAL para Khatib, Ali e milhões de fãs é o que o futebol dentro da Síria representa à medida que o país continua a ser desfeito. A seleção nacional pode realmente servir como um oásis de paz, um lugar para os sírios se unirem? Ou é outra arma para Assad projetar um estado de normalidade e legitimar sua autoridade?

Anas Ammo ponderou detalhadamente esta questão. Sua resposta estava em começar a construir um caso de direitos humanos no esporte contra o governo sírio. Ammo viu no projeto sua forma de servir a oposição. Ele começou há cinco anos, quando se deu conta de que os atletas estavam entre as vítimas mais proeminentes da brutalidade de Assad e que o governo estava usando o futebol, a maior paixão de Ammo, como uma ferramenta de propaganda. Com dúzias de atletas mortos e outros milhares vivendo como refugiados, Ammo acredita que "toda uma geração de futebol na Síria desapareceu."

Em Mersin, Ammo opera a partir de um escritório escassamente decorado com uma vista distante do Mediterrâneo. Ele fugiu de Aleppo, onde trabalhou como escritor de esportes para o jornal sírio "Al-Watan" e como relações públicas voluntário para o Ittihad, o principal clube de futebol da cidade. Ele estava trabalhando para o Ittihad em 2011, disse ele, quando o governo começou a obrigar os jogadores a participarem de manifestações pró-Assad. Ex-jogadores disseram à ESPN que tais ordens eram comuns. "Os jogadores estavam muito irritados com eles por forçá-los a isso", diz Ammo. "Eu me senti muito triste ao ver esportes usados desta forma."

À medida que a guerra civil piorava, os militares começaram a usar estádios em Damasco, Aleppo, Hama, Homs e outras cidades como bases e instalações de detenção, de acordo com ex-jogadores, monitores de direitos humanos e vídeos feitos por ativistas. Dois vídeos, por exemplo, parecem mostrar foguetes sendo disparados do campo no Estádio Abbasiyyin em Damasco, a mesma instalação que, segundo Firas al-Ali, os jogadores foram forçados a compartilhar com o exército sírio.

Fadi Dabbas, vice-presidente da Associação de Futebol da Síria e chefe da delegação da seleção, descreveu as alegações como falsas, dizendo à ESPN que os estádios "nunca foram usados para fins militares". Ele culpou a mídia ocidental, que chamou de tendenciosa.

Os estatutos da Fifa, que regem organizações como a Associação de Futebol Síria, afirmam que "cada membro deve administrar seus negócios de forma independente e sem influência de terceiros". A Fifa invocou a cláusula de independência pelo menos 24 vezes na última década, resultando em 20 suspensões de partidas internacionais, em resposta à atividade que a organização considerou interferência do governo. Em 2009, por exemplo, a FIFA suspendeu o Iraque depois de saber que o governo dissolveu a Associação de Futebol do Iraque e enviou agentes de segurança para tomar o controle de sua sede. Em 2014, a Fifa suspendeu a Nigéria depois que o governo dissolveu a liderança da Federação após o decepcionante fim da equipe da Copa do Mundo no Brasil.

Ammo acreditava que a violência contra os jogadores, a exploração de equipes para propósitos de propaganda e o uso de estádios para fins militares constituía uma violação dos estatutos da Fifa. Ao não agir contra a Síria, Ammo acreditava que a Fifa era "cúmplice de todos os crimes cometidos contra os jogadores de futebol e dos danos que foram infligidos nos estádios e instalações desportivas."

Ammo enviou as informações para um ex-jogador chamado Ayman Kasheet. Um veterano da Premier League, Kasheet estava vivendo na Suécia, onde fixou residência e estava em estreita proximidade com a sede da Fifa, em Zurique.

Kristine Kiilerich para ESPN
O ex-jogador sírio Ayman Kasheet compilou os casos de abusos aos direitos humanos e os apresentou à Fifa
O ex-jogador sírio Ayman Kasheet compilou os casos de abusos aos direitos humanos e os apresentou à Fifa

KASHEET VIAJOU A ZURIQUE para confrontar a Fifa em agosto de 2014. Tendo sua entrada proibida, ele decidiu que, para ter qualquer influência, precisava montar um relatório completo. Ele fez um curso oferecido pela Anistia Internacional sobre como documentar violações de direitos humanos. O resultado foi uma "queixa" de 20 páginas construída sobre o trabalho de Ammo, arquivada em nome de "mais de 2 mil atletas... separados da Federação Síria de Futebol."

Kasheet escreveu a queixa em inglês, uma das quatro línguas oficiais da Fifa. O documento não segue as regras gramaticais, mas vai direto ao ponto. Ele cita "crimes de guerra cometidos por forças governamentais na Síria contra os jogadores de futebol e estádios e o silêncio da Federação Síria de Futebol sobre esses crimes...". A denúncia inclui uma tabela com nomes de 10 jogadores que acredita-se estarem sob detenção do governo e fornece fotos de nove deles. Outras tabelas listam 11 jogadores sub-18 e 20 jogadores com mais de 18 anos supostamente mortos por forças governamentais. Outra parte mostra fotos e vídeos de estádios ocupados por forças sírias.

Kasheet diz que tentou enviar a informação por e-mail para a Fifa, mas não recebeu resposta. Ele voltou a Zurique e deixou o documento na recepção, mas novamente não obteve resposta.

Em agosto de 2015, Kasheet retornou à sede da Fifa, desta vez com um intérprete que o ajudou a filmar o encontro. Depois de discutir com um recepcionista, Kasheet falou com Alexander Koch, gerente de comunicações corporativas da entidade.

"Ele diz que seria muito bom se a Fifa desse prosseguimento ao documento, porque a única maneira de aplicar pressão é por meio da Fifa porque a Fifa é o guarda-chuva dessa federação", diz o intérprete a Koch no vídeo.

Koch parece levemente perturbado.

"O problema que eu vejo é que isso não é nada contra... o futebol", diz Koch.

Koch diz a Kasheet que ele deve apresentar sua queixa à Associação de Futebol da Síria, que pode então apresentar uma queixa à Fifa. Kasheet tenta fazer Koch entender que sua queixa é contra a Associação de Futebol Síria, que é apoiada pelo governo Assad.
"Como você pode pedir à federação de futebol que apresente uma queixa oficial quando o caso está sendo feito contra a Federação Síria de Futebol?" Kasheet disse depois à ESPN. "É claro e óbvio que a Federação Síria de Futebol é parte do governo. Ninguém acreditaria no contrário."

Um mês depois, Kasheet recebeu um e-mail do vice-secretário-geral da Fifa, Markus Kattner, reiterando que a questão está além do controle da Fifa.

"A Fifa apóia plenamente qualquer esforço que vise assegurar que todos os atletas possam praticar o futebol em um ambiente livre de violência e agradecemos sua iniciativa", escreveu Kattner, que acabaria demitido por má conduta financeira enquanto era diretor financeiro da Fufa. Kattner acrescentou que as circunstâncias descritas no relatório vão "muito além" dos esportes.

Kasheet se sentiu esmagado. "É uma vergonha para a Fifa", diz ele, durante uma entrevista repleta de lágrimas à ESPN em Helsingborg. "Eu não estava pedindo uma decisão imediata da Fifa. Eu estava pedindo que a Fifa investigasse. Se não for preciso, eles podem ignorar as informações e simplesmente dizer não."

A ESPN procurou entrevistar oficiais da Fifa sobre a Síria e sua seleção, mas a Fifa recusou o pedido. Um porta-voz enviou uma declaração semelhante à enviada a Kasheet: "Nos últimos anos, a Fifa tomou conhecimento de alegações de várias partes - muitas vezes contradizendo informações de diferentes fontes - sobre a violência que afetou a prática do futebol no país. Embora compreendamos perfeitamente as circunstâncias trágicas que cercam esses eventos, como um órgão governamental do esporte, também percebemos que essas ações alegadas vão muito além do domínio das questões desportivas, em uma situação em que todo o país está mergulhado em uma guerra civil."

De acordo com o comunicado, a Fifa é impedida de atuar devido aos "limites de nossa jurisdição e capacidade de verificar quaisquer alegações em um cenário tão complexo."

Mark Afeeva, advogado esportivo londrino que escreveu sobre como a Fifa aplica seus estatutos de independência, disse que as provas contra a Síria ultrapassam de longe outros casos, incluindo a Nigéria, que levaram a Fifa a agir. "Em qualquer outro contexto, a Fifa estaria quase ansiosa para se envolver", diz Afeeva.

Afeeva diz que a Fifa claramente formou uma opinião de que é do seu interesse não se envolver" em uma crise política que envolve potências mundiais, incluindo os Estados Unidos e a Rússia, anfitriã da Copa do Mundo do próximo ano. Tomar medidas contra a Síria exigiria mais coragem institucional do que a Fifa já demonstrou anteriormente, diz ele. 

EM UMA NOITE FRIA em março, os jogadores da Coreia do Sul e da Síria marcham em fila única no Estádio da Copa do Mundo de Seul, construído antes de a Coreia do Sul hospedar o torneio em 2002. O estádio de 66.704 assentos envergonha a "casa" improvisada da Síria na Malásia. Possui, entre outras comodidades, um telhado brilhante projetado para assemelhar-se a uma pipa de papel coreana. Para apoiar o time da casa - apelidada de Diabos Vermelhos -, muitos fãs usam chifres vermelhos piscando. Os sírios estão vestidos em seus já conhecidos agasalhos vermelhos, só que há uma grande mudança: O boicote de Firas al-Khatib terminou. Ele havia retornado uma semana antes contra o Uzbequistão e estava novamente preparado para um jogo crucial contra a Coreia do Sul.

Khatib e oficiais sírios minimizam a mudança. Khatib sugere que não foi sua decisão: "Da última vez, eles não me convidaram para jogar", diz ele. Fadi Dabbas, chefe da delegação, diz que Khatib era "bem-vindo à equipe a qualquer momento", mas "sua situação não permitiria que ele viesse."

Independentemente disso, é claro que o atacante estava sob um novo mestre. No dia anterior ao jogo, depois que Khatib concordou com uma entrevista para a ESPN, oficiais sírios o empurraram para um elevador. Foram necessárias acaloradas negociações entre a ESPN e oficiais sírios no lobby do hotel para que finalmente o jogador aparecesse.

"Nada de política", exige o porta-voz da equipe, Bashar Mohammad, que não recebe garantias.

Khatib dá a impressão de que desistiu da política. "Nós tiramos a política e falamos sobre esporte, apenas futebol", diz ele. "Eu volto para uma decisão de futebol, não política."

A seleção, diz ele, é "para todo o povo, para toda a Síria", não apenas para o governo. Sentar e esperar não é mais uma opção, ele diz: "Não podemos ficar esperando a morte. Não, não podemos ficar em casa olhando para a TV e esperando o que possa acontecer nesta guerra. Não, devemos fazer algo pela nossa família, pelo nosso país, pelos nossos amigos, por nós mesmos."

Nem todo mundo acredita nisso. A resposta nas mídias sociais é mista. Khatib diz que 80 a 90% dos fãs sírios estão a favor da sua volta, mas as mensagens em sua página no Facebook revelam profundos sentimentos de traição:

"Como você se sente ao trair seu país e seu povo? Como se sente quando você trai Homs, cujos habitantes estão fugindo de condições horríveis, enquanto você decidiu ir e apoiar o regime? O mínimo que se pode dizer sobre você é que você é um traidor."

"Maldito seja, você não vale nem um sapato velho. Eu não sei por que a maioria daqueles que alegam ser celebridades e atores na Síria são as pessoas mais sujas do mundo. Você vai pagar em vida antes de pagar depois da morte. Eu cuspo na sua honra, cachorro."

"Que vergonha, Firas. Sua palavra vale menos que a de uma criança. Cuspo em você, mentiroso."

Jun Michael Park/Laif para a ESPN
Firas al-Khatib briga pela bola nas eliminatórias da Copa em Seul, encerrando cinco anos de boicote ao time nacional
Firas al-Khatib briga pela bola nas eliminatórias da Copa em Seul, encerrando cinco anos de boicote ao time nacional

Outros perdoam com mais facilidade. Mohammed al-Homsi, um ativista de mídia encontrado no bairro sitiado de Al Waer, dentro de Homs, diz que ele continua a acompanhar a seleção porque "em geral, o esporte é a única coisa que nos liga ao passado. Não vou dizer que a equipe síria representa todo a Síria, mas representa um belo passado. Esportes devem ser separados do conflito."

Khatib, ainda aclimatando-se a uma equipe que não liderou em cinco anos, começa o jogo no banco. A Coreia do Sul abre o placar aos quatro minutos de jogo. Os sírios passam o resto da noite tentando se recuperar.

Khatib entra no início do segundo tempo. Quase imediatamente o ritmo do jogo esquenta, e a Síria vai para o ataque. O estádio está com metade da capacidade ocupada. A multidão, anteriormente vibrante, é reduzida a um murmúrio nervoso quando os sírios ameaçam repetidamente.

À medida que o relógio avança, a bola, poeticamente, encontra Khatib à esquerda da rede, sozinho. De uma distância de cerca de 3 metros, ele explode com o pé esquerdo em linha reta na cabeça do goleiro. O goleiro, Sun-Tae Kwoun, consegue colocar as mãos na frente do rosto no último segundo e manda a bola para longe.

Nos acréscimos, com a multidão agora gritando, Khatib tem mais uma chance. Sozinho novamente, quase no mesmo lugar, ele atira outro foguete, desta vez mais alto. A bola bate contra a trave tão forte que o som pode ser ouvido até as arquibancadas. Mas ela ricocheteia.

Khatib diz que ele voltou para tentar levantar a Síria, nem que só por um momento, de seu infindável inferno. "Eu finalmente tomei a decisão certa", diz ele. "Espero que eu possa deixar o povo sírio feliz."

Mas não esta noite. A derrota por 1 a 0 coloca a Síria a quatro pontos do terceiro lugar, com três jogos restantes, e pode ter acabado com a sua esperança de jogar a Copa do Mundo.

Uma semana depois, há mais notícias da Síria, e é indiretamente relacionada à antiga decisão de Khatib de não jogar enquanto Assad matasse civis. Desta vez, o governo bombardeou a aldeia de Khan Sheikhoun, mantida pelos rebeldes, com sarin, uma arma química. As imagens são medonhas: As vítimas catatônicas espumam pela boca, suas pupilas contraídas, do tamanho de agulhas. Crianças seminuas impotentes em poças de água, ofegando por ar.

Pelo menos 85 pessoas foram mortas pelas bombas.

Getty
Um retrato cruel e desumano da guerra: o resultado do ataque com bomba química, em abril, contra a aldeia de Khan Sheikhoun, na Síria
Um retrato cruel e desumano da guerra: o resultado do ataque com bomba química, em abril, contra a aldeia de Khan Sheikhoun, na Síria

*Steve Fainaru é repórter especial da ESPN, vencedor do Prêmio Pulitzer em 2008 e co-autor do livro "League of Denial," best-seller na lista do "New York Times". Vencedor do Prêmio Emmy, o Oscar da TV norte-americana, "Outside the Lines" é a série investigativa da ESPN que examina questões fora do campo de jogo. O produtor Greg Amante e os correspondentes Hwaida Saad, Ahmad Ajouz, Naseer Mehdawi, Kholoud Hassan, Hussain al-Qattari and Shahira Issa, além do pesquisador Anthony Olivieri, contribuíram para a reportagem.

**Edição de texto de Ricardo Zanei. Edição de Arte de Bárbara Resende, Gabriel Lucki e Dalton Cara. O conteúdo original, em inglês, pode ser acessado em "The Dictator's Team".

Comentários

A guerra em outro campo: como o sangue e a violência se uniram para controlar a alma do futebol na Síria

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.