Ele ficou órfão ainda jovem, mas chegou à Libertadores no Palmeiras com ajuda de tio: 'Foi meu pai e minha mãe'

Maria Victoria Poli e Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br
Getty
Atacante Caio pode desfalcar o Palmeiras contra o Libertad na quinta-feira
Caio Mancha foi campeão da Série B com o Palmeiras, em 2013

"Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima". Assim como a composição de Paulo Vanzolini, que virou samba em 1963 na voz de Noite Ilustrada, a história de uma das revelações do Palmeiras pode servir de inspiração para muitos de nós.

Caio Mancha percorreu um caminho no qual se deparou com perdas, ganhos, lutas e sonhos, e sua trajetória se encaixa perfeitamente na de tantos outros garotos com uma paixão e um talento em comum: o futebol.

O atacante de 24 anos é conhecido pela marca, fruto da genética, que carrega logo acima da sobrancelha esquerda.

"A mancha é minha marca. Quando eu era mais novo eu pensava em tirar, mas ao passar do tempo tirei isso da cabeça e, agora, me sinto muito bem com ela. O apelido surgiu do nada. Um vai chamando daqui, outro dali, e foi pegando", admitiu.

Mas a mancha no rosto não é a única característica que faz de Caio Danilo Laursen Tuponi um jogador especial. Órfão desde muito pequeno, o atleta foi criado pelo tio, que assumiu sem pensar duas vezes a grande responsabilidade de cuidar de dois sobrinhos como se fossem seus próprios filhos.

"Perdi meu pai aos três anos de idade, não pude conhecê-lo e aproveitar. Então, meu tio foi morar na minha casa para ajudar minha mãe a criar eu e meu irmão. Aos 13, eu perdi minha mãe. Meu tio ficou sendo minha mãe e meu pai", contou Caio, que fez questão de completar: "Meu tio e meu irmão são meus alicerces".

Além do apoio do tio Marcos e do irmão, Lucas Diego, a força de vontade para reconhecer a queda e não desanimar também veio do esporte. Na adolescência, Caio encontrou refúgio com a bola nos pés e deixou Presidente Prudente rumo aos gramados de um dos clubes mais antigos do estado de São Paulo.

Gazeta Press
Caio Mancha comemora golaço que abriu o placar no Canindé
Caio Mancha comemora gol pela Portuguesa

"Eu só estudava e jogava futebol nas escolinhas. Aos 16, em um torneio no Paraná, as coisas começaram a se encaminhar. Fiz testes no Inter e no Vitória. Nisso, fui profissionalizado no Bandeirante de Birigui e joguei a Série A3 em 2010", contou o jogador.

Apesar da campanha ruim do time do interior - o Bandeirante venceu apenas dois dos 19 jogos, empatou outros dois e perdeu 15, terminando a primeira fase do campeonato na última colocação e sendo, por fim, rebaixado -, a atuação do avançado chamou a atenção de um gigante da capital. 

"Joguei contra o Palmeiras B e me destaquei e, com isso, fui emprestado para a base do Palmeiras e joguei a Copa São Paulo. Fui bem e assinei contrato por cinco anos", lembrou.

Na Copinha, com 17 anos, Caio marcou duas vezes com a camisa alviverde. Apesar da eliminação precoce, foi um dos destaques da equipe ao lado de Miguel Bianconi, Patrick Vieira e Diego Souza.

  • Da Série A2 à Libertadores da América

Em 2012, promovido ao Palmeiras B, Caio foi artilheiro do time na Série A2 do Paulista com oito gols, mas acabou se machucando no meio do torneio. Sem sua principal referência no ataque, a equipe foi rebaixada para a Série A3.

Ainda assim impressionou o técnico Luiz Felipe Scolari, que o chamou para treinar com o time principal. A estreia de Mancha como profissional do Palmeiras foi contra a Ponte Preta, pela oitava rodada do Brasileirão. Ele entrou em campo aos nove minutos do segundo tempo, no lugar de Patrick Vieira.

"Em 2011 eu subi para treinar, em 2012 fiz um jogo no profissional pelo Brasileiro contra a Ponte, com o Felipão. Eu fui bem, mas quando voltei tive uma lesão e desci para a base. O Gilson Kleina chegou ao Palmeiras e fizemos um amistoso contra o profissional. Ele lembrou de mim e me pediu para ficar", contou.

Mancha conseguiu construir algumas de suas melhores memórias em uma das piores fases do clube. O ano era 2013, inesquecível tanto para a torcida como para o jogador. "Realizei um sonho de jogar em uma grande equipe. Fui campeão e joguei a Libertadores da América. O gol no Tigre, pela Libertadores, foi marcante. Um jogo que será lembrado por toda a minha vida", disse o atleta.

Apesar das boas atuações, o Palmeiras acabou eliminado da competição continental nas oitavas de final, diante do Tijuana.

Divulgação
Caio Mancha defende o ABC-RN
Caio Mancha atualmente defende o ABC-RN

O momento promissor, no entanto, não alavancou a carreira do atleta, que mais uma vez teve de enfrentar pedras no caminho. O desafio, desta vez, foram suas próprias limitações físicas.

"Eu não tenho qualquer mágoa com o Palmeiras, muito pelo contrário. Eu tive várias chances, mas, infelizmente, me lesionei demais. Isso me atrapalhou muito na caminhada. Mas bola para frente, vou trabalhar firme para conquistar os objetivos de novo", lamentou o atleta, que foi emprestado à Portuguesa em 2014.

Pelo time do Canindé, guarda uma das lembranças mais divertidas. "Pela Portuguesa eu fiz um jogo numa noite contra o Bragantino. Fiz um gol e acabou a energia, deu um apagão e não voltou mais. Terminamos o jogo só no dia seguinte, e fiz outro gol", comentou.

Ainda com passagem pelo Guarani, Caio Mancha veste hoje a camisa do ABC, do Rio Grande do Norte.

"É um grande clube e tem muita torcida. Um dos maiores fatores para eu vir foi porque tem excelentes profissionais. Ano passado foi ótimo porque conquistamos o acesso para a Série B do Brasileiro e neste ano estamos trabalhando firme para vencer o Estadual. Se Deus quiser será uma temporada vitoriosa para todos nós", finalizou o atacante, que já balançou as redes quatro vezes em 13 atuações neste ano.

Comentários

Ele ficou órfão ainda jovem, mas chegou à Libertadores no Palmeiras com ajuda de tio: 'Foi meu pai e minha mãe'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.