Libertadores tem presidente de clube que também é técnico; e acredite, de outro clube que joga o torneio

ESPN.com.br
Montagem/GettyImages
Cesar Farías é dono do Zulia e técnico do The Strongest, ambos estão na Libertadores
Cesar Farías é dono do Zulia e técnico do The Strongest, ambos estão na Libertadores

Imagine como seria um dia acompanhar a equipe que você preside na estreia na Copa Libertadores e dois dias depois viajar mais de 5.000 KM para treinar outra equipe na competição. Absurdo?

Pode até ser, mas a história é real. O Zulia, da Venezuela, adversário da Chapecoense nesta terça-feira, às 21h45 (de Brasília), tem como dono o ex-jogador venezuelano César Farías. Aos 43 anos, ele também é treinador do The Strongest, da Bolívia. Ambos os clubes disputam a Libertadores.

Farías pode até estar presente nesta terça no estádio José Encarnación Romero, em Maracaibo, para acompanhar o duelo contra a Chapecoense. A expectativa na cidade é grande. Na próxima quinta-feira, obrigatoriamente ele estará na Bolívia para comandar o The Strongest contra o Santa Fé, da Colômbia, na cidade de La Paz.

Os jogos são importantes para ambos os clubes.

Para o Zulia trata-se da primeira partida na história da Libertadores, possivelmente com o estádio de 35 mil lugares lotado. A equipe é jovem (11 anos) e experimenta seu melhor momento. É a atual vencedora do Venezuelano e da Copa da Venezuela, os principais torneios do país.

Para The Strongest será o primeiro jogo na fase de grupos após o time passar na eliminatória pelo Montevideo Wanderers, do Uruguai, e pelo Unión Española, do Chile, que eram favoritos.

Por enquanto, não há risco de Zulia e The Strongest se encontrarem no torneio. Os venezuelanos estão na chave 7 e os bolivianos, na 2. Mas o presidente/treinador terá problemas no calendário. Isso porque três dos cincos jogos restantes das equipes nesta fase ocorrem no mesmo dia.

Se eles se classificarem para as oitavas de final, até poderão duelar nas oitavas de final, dependendo do resultado do sorteio dos organizadores.

Conflito de interesses? A reportagem entrou em contato com o departamento de comunicação da Conmebol, que não respondeu.

Divulgação
Jogadores do Zulia durante treinamento antes da estreia na Libertadores
Jogadores do Zulia durante treinamento antes da estreia na Libertadores
  • Técnico, administrador e revolucionário

Farías foi jogador na Venezuela, mas a fama dele foi construída como técnico.

Ele é o responsável pela melhor campanha da Venezuela na Copa América de 2011, quando eliminou o Chile nas quartas de final e chegou até a semifinal, sendo eliminada pelos paraguaios. Terminou no quarto lugar da competição.

Deixou a seleção em 2013 e foi comandar o Tijuana, do México. Mas no final de 2014 decidiu parar e foi aí que assumiu o comando econômico do Zulia. Houve uma negociação com a prefeitura da cidade para que tudo fosse viabilizado da melhor forma.

O interesse local em Farías era claro. Já era conhecido nacionalmente por ter sido técnico da seleção, mas cidade tinha uma história própria. Foi jogador do Zulianos, equipe extinta na cidade. Assim, Farías representava bem o espírito de renovação desejado.

Com ele, a jovem equipe ganhou holofotes, patrocinadores, investimento e, no ano passado, teve temporada histórica, com dois títulos nacionais de peso.

Divulgação
Hugo Chávez apresenta a espada de Simón Bolívar a Cesar Farías
Hugo Chávez apresenta a espada de Simón Bolívar a Cesar Farías

Farías ainda tem um passado curioso. Foi amigo de Hugo Chávez, o fundador do Movimento Bolivariano Revulocionário-200 (MBR-200) e presidente do país de 1999 a 2013. Inclusive, ele é simpatizante do MBR-200 e as entrevistas costumam lembrar os discursos do amigo diplomata, morto em 2013.

No site do clube, Farías tem um blog, que ele não atualiza desde 27 de julho de 2015. Foram apenas três publicações. Mas engana-se quem pensa que ele gastava tempo discudindo amenidades. O dono do Zulia defendia melhorais para o futebol venezuelano.

Para Mauro, jogadores deveriam se preocupar em estudar o adversário e não em guerra dentro de campo
  • Chapecoense contra a maratona

A Chapecoense jogará contra o Zulia após enfrentar uma verdadeira maratona.

A equipe catarinense chegou a Maracaibo apenas na madrugada de domingo para segunda-feira. E a viagem foi longa. Começou ainda no sábado, após os reservas enfrentarem o Criciúma e vencerem por 2 a 0, em Chapecó.

A Chapecoense aproveitou a viagem para divulgar os inscritos no torneio sul-americano, com  Neto e Alan Ruschel, sobreviventes da tragédia aérea na Colômbia, em 29 de novembro do ano passado.

Comentários

Libertadores tem presidente de clube que também é técnico; e acredite, de outro clube que joga o torneio

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.