COB utilizou R$ 3,6 milhões que deveriam desenvolver esporte brasileiro para bancar cartolas durante o Rio 2016

Diego Garcia e Rafael Valente, do ESPN.com.br
Prestações de contas que somam quase R$ 2 bilhões 'sumiram' do Ministério do Esporte; entenda

Sancionada em 16 de julho de 2001, a Lei Agnelo/Piva, que transfere 2% da arrecadação bruta das loterias federais em operação no país ao Comitê Olímpico Brasileiro, representou um marco para o esporte nacional na busca por captação de recursos destinados ao desenvolvimento desportivo do Brasil. Mas, na prática, não é bem assim.

Nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, por exemplo, foram utilizados R$ 3.684.503,70 apenas para bancar hospedagens de cartolas. A informação consta em auditoria do Tribunal de Contas da União em cima do Comitê Olímpico Brasileiro.

"O COB realizou a contratação de alocação de acomodações junto ao Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, no valor de R$ 3.684.503,70", diz o relatório, em item que o Tribunal analisa "contratação de acomodação para presidentes de Confederações e diretores do COB durante os Jogos Pan-Americanos de Toronto de 2015 e Jogos Olímpicos de 2016".

ESPN.com.br
COB pagou R$ 3,6 milhões em hospedagens a cartolas durante Rio 2016
COB pagou R$ 3,6 milhões em hospedagens a cartolas durante Rio 2016

O documento acrescenta que o valor foi gasto "com a utilização de recursos advindos da Lei Agnelo/Piva" e coloca que os valores foram destinados "para os presidentes das confederações e diretores do COB".

A análise ainda diz que "a melhor intelecção da lei deve ser no sentido de que os gastos dos dirigentes devem ser custeados com recursos próprios da entidade. A contratação de hospedagem para dirigentes de Confederações e diretores do COB em eventos esportivos, no caso os Jogos Panamericanos de 2015 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, não encontra amparo legal", continuou a auditoria.

VEJA AQUI O QUE FOI PUBLICADO NO PRIMEIRO DIA DA SÉRIE

"Deve ser dito que o Tribunal poderá determinar, ao apreciar este relatório, que o Comitê Olímpico Brasileiro evite contratar hospedagem para dirigentes e diretores das Confederações esportivas filiadas e do próprio COB com recursos da Lei Agnelo/Piva", continuou o TCU.

O COB respondeu à própria TCU na auditoria dizendo que não existe "no texto do referido dispositivo legal qualquer restrição específica à aplicação de recursos que possa justificar o questionamento formulado no relatório de fiscalização". Desta forma, o Comitê entende "que não se vislumbra proibição na legislação para custeio de tais atividades, não se identificando violação".

OUTRO LADO

Em sua defesa publicada na própria auditoria, o Comitê Olímpico Brasileiro diz que sempre usou da prática sem ser questionado pelo TCU.

"(O COB) Alega que em auditorias do TCU e em inspeções da Controladoria Geral da União, desde o ano de 2000, nunca receberam críticas quanto ao gasto dos recursos na espécie aventada no relatório de fiscalização, e manifestam estranheza na medida em que há relatórios desde o ano de 2001, época em que já ocorria custeio de viagens e hospedagem de caráter institucional e visando o fomento das modalidades filiadas e vinculadas ao COB".

Por "fomento", o Comitê define que trata-se de "fomento de uma atividade esportiva perpassa pelas atividades desenvolvidas pelo dirigente da entidade esportiva, no estrito cumprimento da sua função de representante daquela modalidade".

E finaliza: "Não é possível concluir pela ilegalidade na aplicação dos recursos oriundos da Lei Agnelo/Piva nas atividades descritas no item em referência, por dois motivos sintetizados: não há proibição legal e as atividades são inerentes ao fomento da atividade desportiva".

ESPN.com.br
TCU realizou auditoria em cima das contas do Comitê Olímpico Brasileiro
TCU realizou auditoria em cima das contas do Comitê Olímpico Brasileiro

O TCU rebateu.

Para o Tribunal, é apontado que "para arcar com despesas de alimentação e de acomodação para pessoal de apoio e de dirigentes deve ser minuciosamente justificada, de forma que fique demonstrada claramente a importância da presença dos mesmos para a participação dos atletas na competição objeto das despesas, inclusive, com justificativas específicas para pagamentos das retrocitadas despesas em dias que antecedem e/ou sucedem à competição".

O auditor relator que julgou o caso, contudo, afirmou que não percebeu, "entre os critérios avaliados e as evidências trazidas pela equipe de fiscalização, confronto legal a ponto de culminar em uma irregularidade" e apontou que "não há necessidade de cientificar ou alertar a entidade em relação a esse aspecto, porquanto os indícios da auditoria não demonstraram que a participação dos dirigentes nos eventos tenha sido desvinculada do propósito estabelecido na lei e no decreto em questão".

OUTRO LADO

Procurado para comentar sobre as informações desta reportagem, o COB enviou a seguinte resposta oficial:

"O Tribunal de Contas da União já manifestou entendimento no sentido da regularidade das contratações de acomodação do COB, que guardam relação com o propósito do uso de recursos públicos, estabelecido na Lei Federal 9.615 e Decreto Federal 7.984/13

Sobre o objeto de seu questionamento, seguem as explicações do COB:

a) Parte dos profissionais credenciados para os Jogos não possuía direito de acomodação na Vila Olímpica;

b) Além dos profissionais credenciados, tínhamos também os profissionais e pessoal de apoio não credenciados, que atuaram durante todo o período dos Jogos Olímpicos junto aos nossos atletas, inclusive nos treinamentos;

c) Era inviável a contratação de hospedagem diretamente junto aos hotéis, visto que os mesmos possuíam todos os quartos bloqueados em favor do Comitê Organizador RIO 2016, a quem competia distribui-los entre os diversos Comitês Olímpicos Nacionais, membros do Comitê Olímpico Internacional, patrocinadores do evento, dentre outros;

d) Assim, a contratação de acomodações por intermédio do Comitê Organizador RIO 2016 era a única alternativa viável a fim de assegurar os leitos identificados pelo COB como necessários ao apoio à delegação brasileira nos Jogos;

e) As acomodações foram contratadas obedecendo a critérios técnicos pré-estabelecidos pelo COB, de modo a facilitar a operação e deslocamento dos profissionais e pessoas de apoio durante a realização dos Jogos Olímpicos".

  • DOSSIÊ DAS CONTAS

CLIQUE NOS LINKS E VEJA AS REPORTAGENS DA SÉRIE

Documentos indicam fraudes e R$ 1,8 bilhão sem prestações de contas

Tênis de Mesa bancou viagens de luxo a cartolas e deu calote no cartão de crédito

Ligações entre sócios de empresas e CBTM indicam fraudes em licitações

Confederação recebeu, mas não comprou R$ 300 mil em equipamentos aos atletas

Canoagem: dinheiro 'sumiu', e atletas ficaram sem caiaques, remos e equipamentos

CBHb contratou firma sem funcionários e cotou preços com empresa que não existia

Licitação para aviões do handebol teve três concorrentes: a mãe e os dois filhos

Confederação atrasou bolsas-atletas em mais de um ano e superfaturou hotéis

Ginástica teve equipamentos em galpão, pagamentos duplos e despesas fantasmas

No Ciclismo, mais de R$ 3 milhões anuais dos atletas são usados para servir cartolas

Natação usou dinheiro dos atletas para pagar jantares e comprar bebidas alcoólicas

TCU compara salários de cartolas do Atletismo com ganhos dos ministros do STF

Tiro com Arco não apresentou documentos originais e parcelou até notas fiscais

No golfe, atraso em execução de metas atrapalhou preparação de atletas olímpicos

Rugby efetuou pagamentos por equipamentos de musculação que nunca chegaram

Mesma empresa de turismo venceu 37 de 42 licitações na CBDA

Basquete não devolveu R$ 406 mil do convênio e superfaturou hotéis

CBV teve concorrentes com mesmo telefone e funcionários em empregos simultâneos

Boxe não possui comprovante de gastos de R$ 27,7 mil em dinheiro público

CGU aponta dezenas de falhas em contratos olímpicos de R$ 240 milhões do ME

Convênio foi realizado há nove anos, mas prestação de contas jamais apareceu

Confederação levou R$ 236 mi para investir no esporte, mas aplicou na poupança

Ministério do Esporte promete analisar contas pendentes até 2022

ESPN.com.br

CONTATO

Em setembro, a ESPN lançou um canal para fiscalizar e cobrar transparência no esporte. Queremos a contribuição dos leitores e telespectadores do canal para contar essas histórias. Se você tem alguma dica, de qualquer esporte, olímpico ou paralímpico, nos mande um e-mail para: jogolimpo@espn.com. A fonte será preservada sempre.

Comentários

COB utilizou R$ 3,6 milhões que deveriam desenvolver esporte brasileiro para bancar cartolas durante o Rio 2016

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.