CGU aponta dezenas de falhas em contratos olímpicos de R$ 240 milhões do Ministério do Esporte

Diego Garcia e Rafael Valente, do ESPN.com.br
Prestações de contas que somam quase R$ 2 bilhões 'sumiram' do Ministério do Esporte; entenda

Em relatório de auditoria anual de contas em cima do Ministério do Esporte, a Controladoria-Geral da União apontou falhas em processos licitatórios que utilizaram cerca de R$ 240 milhões na preparação de diversas modalidades brasileiras rumo aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Nas 1.290 páginas da auditoria, obtidas pela ESPN, é possível ver um vasto material de inconsistências na pasta esportiva. Por exemplo, são apontadas irregularidades em quatro contratos afetos aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

O primeiro deles é com a Fundação Getulio Vargas, no valor de R$ 54.460.000,00 para a prestação de serviços técnicos especializados de apoio à implantação e manutenção de base de preços unitários e composição de estimativas de preços de projetos.

O Ministério da Transparência identificou a "insuficiência da justificativa de preços juntada ao processo, limitando-se a referenciar preços praticados pela própria entidade com outros órgãos públicos, sem validar a sua adequação aos valores praticados no mercado".

E mais: durante a execução dos serviços, foram vistas falhas e incoerências, relatadas em diversas páginas da auditoria em cima do Ministério do Esporte.

Na fase 1 do projeto, a CGU aponta que aconteceram "pagamentos incompatíveis com o serviço realizado e dano ao Erário no valor estimado de R$ 9.480.812,58. Além do que, foram percebidas inconsistências no balanço dos primeiros seis meses do contrato, "bem como a inclusão de 15 instalações que já tinham sido objeto do serviço de estimativa de preço de instalações no contrato anterior, sem qualquer justificativa ou motivação que fundamentasse essa decisão e demonstrasse a necessidade de realização de nova precificação das mesmas".

Na fase 2, foram vistas falhas na gestão de contratos vigentes no Ministério do Esporte e das atividades relacionadas à preparação e organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. "Restou caracterizado que a FGV está desempenhando atividades que estão sob responsabilidade de execução da Caixa", aponta a CGU, que ainda comparou outras atividades que deveriam ser realizadas por outras empresas.

"Foram identificadas incoerências entre o serviço realizado e o dimensionamento dos valores para a sua contraprestação", escreveu a Controladoria.

O suposto prejuízo no contrato com a FGV vem pela aquisição de equipamentos que já tinham sido adquiridos pelo Governo Federal, segundo relatório da CGU, como balanças, barcos de competição, carrinhos, máquinas, ferramentas, equipamentos eletrônicos, compressores, piscinas, pisos esportivos, pistas de atletismo, saunas, projetores e outros.

A auditoria descreve que, para a precificação de 856 itens constantes na lista de equipamentos assumidos do Comitê Rio 2016, o Ministério do Esporte desembolsou um valor médio de R$ 4.268,16 por item da lista, valor este significativamente superior ao valor de referência desembolsado pelo ME para a remuneração de serviço semelhante no mesmo contrato avaliados em R$ 409,32.

Além disso, a precificação dos itens das instalações permanentes, ao invés dos R$ 3.653.545,22 desembolsados para remunerar o serviço executado pela FGV para precificação dos Equipamentos assumidos do Comitê Rio 2016, o valor devido pela prestação do serviço seria de R$ 350.377,92, caracterizando um sobrepreço de R$ 3.303.167,30.

"Assim, constata-se que a utilização do critério de complexidade para o pagamento do serviço prestado, da forma como está sendo considerado, não é coerente e traz prejuízo ao Erário, em decorrência do desembolso de valores para aferição de custos relacionados a complexidade não condizente com a prestação do serviço. Somados com os danos verificados no item anterior desse registro (item b), os danos potenciais gerados são de R$ 9.480.812,58", analisou a CGU.

ESPN.com.br
Contrato gerou prejuízo de mais de R$ 9 milhões aos cofres públicos, diz CGU
Contrato gerou prejuízo de mais de R$ 9 milhões aos cofres públicos, diz CGU

É analisado ainda um segundo contrato, este com a Fundação Ezute no valor de R$ 59.400.000,00 para a prestação de serviços técnicos especializados de apoio às ações do Governo Federal referentes às instalações permanentes, temporárias, equipamentos e materiais para os Jogos Olímpicos e Jogos Paraolímpicos Rio 2016.

Com a Ezute, foram vistas diversas inconsistências: dispensa de licitação sem comprovação de que o objeto enquadrava-se como desenvolvimento institucional; falta de detalhamento do orçamento dos serviços contratados; ausência de avaliação quantitativa e qualitativa pela Secretaria Nacional de Esporte; atividades relacionadas que já eram objeto de outro contrato vigente no M.E.; execução de serviços e elaboração de produtos em período anterior à formalização contratual; entre outros.

Também é citado um terceiro contrato, com a JAM Engenharia, no valor de R$ 58.550.000,00 por serviço técnico especializado de engenharia para elaboração de projetos, fornecimento, instalação, operação e manutenção de sistema de ar condicionado e ventilação mecânica das edificações denominadas de Halls 1, 2 e 3 integrantes do Centro Olímpico, localizados no Parque Olímpico.

Nele, o Ministério da Transparência relata impropriedades, como a inexistência de previsão para contratação de serviços relacionados à construção do Centro Olímpico; incompatibilidade do objeto previsto, bem como a operação e a manutenção de sistemas de ar condicionado e ventilação mecânica após a conclusão das intervenções; a não identificação de justificativa técnica e econômica para utilização da contratação integrada; e a inexistência de exigência de oferta das licitantes compatível com critérios de aceitabilidade de preços por etapa.

Por fim, é mencionado o acordo com o Consórcio Campos Olímpicos, que levou R$ 61.390.000,00 pelo serviço técnico especializado de engenharia para reforma, construção, operação e manutenção das instalações do Centro Olímpico de Treinamento, das modalidades esportivas hóquei sobre a grama, rúgbi e nado sincronizado.

Nesse caso, as falhas identificadas foram a incompatibilidade do objeto previsto, que contemplava a realização de reforma e construção, bem como a operação do centro de treinamento após a conclusão das intervenções. Ainda não foi vista justificativa técnica e econômica para utilização da contratação integrada. E, ainda, verificou-se a inexistência de exigência de apresentação de proposta das licitantes compatível com critérios de aceitabilidade de preços por etapa.

"De acordo com o relatado, verifica-se que a gestão de contratos no âmbito do Ministério do Esporte apresentou falhas em todas as suas fases, desde o planejamento, até a sua execução e o seu acompanhamento, com reflexos relevantes nas ações sob a responsabilidade da Pasta relacionadas à realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016 e com a ocorrência de despesas realizadas de forma indevida", concluiu a Controladoria-Geral da União.

ESPN.com.br
Ministério da Transparência viu inconsistências em contratos para o Rio 2016
Ministério da Transparência viu inconsistências em contratos para o Rio 2016
  • Outro lado

Via assessoria de imprensa, a Fundação Getulio Vargas informou "que tomou ciência do relatório da CGU e encaminhou o documento para o seu departamento jurídico, que analisará os questinamentos. Só após esta avaliação, a FGV se pronunciará".

  • DOSSIÊ DAS CONTAS

CLIQUE NOS LINKS E VEJA AS REPORTAGENS DA SÉRIE

Documentos indicam fraudes e R$ 1,8 bilhão sem prestações de contas

Tênis de Mesa bancou viagens de luxo a cartolas e deu calote no cartão de crédito

Ligações entre sócios de empresas e CBTM indicam fraudes em licitações

Confederação recebeu, mas não comprou R$ 300 mil em equipamentos aos atletas

Canoagem: dinheiro 'sumiu', e atletas ficaram sem caiaques, remos e equipamentos

CBHb contratou firma sem funcionários e cotou preços com empresa que não existia

Licitação para aviões do handebol teve três concorrentes: a mãe e os dois filhos

Confederação atrasou bolsas-atletas em mais de um ano e superfaturou hotéis

Ginástica teve equipamentos em galpão, pagamentos duplos e despesas fantasmas

No Ciclismo, mais de R$ 3 milhões anuais dos atletas são usados para servir cartolas

Natação usou dinheiro dos atletas para pagar jantares e comprar bebidas alcoólicas

COB utilizou R$ 3,6 milhões do esporte para agraciar cartolas durante o Rio 2016

TCU compara salários de cartolas do Atletismo com ganhos dos ministros do STF

Tiro com Arco não apresentou documentos originais e parcelou até notas fiscais

No golfe, atraso em execução de metas atrapalhou preparação de atletas olímpicos

Rugby efetuou pagamentos por equipamentos de musculação que nunca chegaram

Mesma empresa de turismo venceu 37 de 42 licitações na CBDA

Basquete não devolveu R$ 406 mil do convênio e superfaturou hotéis

CBV teve concorrentes com mesmo telefone e funcionários em empregos simultâneos

Boxe não possui comprovante de gastos de R$ 27,7 mil em dinheiro público

Convênio foi realizado há nove anos, mas prestação de contas jamais apareceu

Confederação levou R$ 236 mi para investir no esporte, mas aplicou na poupança

Ministério do Esporte promete analisar contas pendentes até 2022

ESPN.com.br
Jogo Limpo - Por um esporte sem corrupção
Jogo Limpo - Por um esporte sem corrupção

CONTATO

Em setembro, a ESPN lançou um canal para fiscalizar e cobrar transparência no esporte. Queremos a contribuição dos leitores e telespectadores do canal para contar essas histórias. Se você tem alguma dica, de qualquer esporte, olímpico ou paralímpico, nos mande um e-mail para: jogolimpo@espn.com. A fonte será preservada sempre.

Comentários

CGU aponta dezenas de falhas em contratos olímpicos de R$ 240 milhões do Ministério do Esporte

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.