No golfe, atraso em execução de metas atrapalhou preparação de atletas olímpicos

Diego Garcia e Rafael Valente, do ESPN.com.br
Prestações de contas que somam quase R$ 2 bilhões 'sumiram' do Ministério do Esporte; entenda

Responsável pela modalidade que retornou ao programa olímpico em 2016, a Confederação Brasileira de Golfe (CBG) firmou um convênio de R$ 3,2 milhões com o Ministério do Esporte com o objetivo final de criar um programa refinado de treinamento para os Jogos do Rio de Janeiro, ma o relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou atrasos na execução das metas e como conclusão afirmou que o trabalho comprometeu a preparação dos atletas do país.

Entre os motivos apontados para o atraso, foram listados a dificuldade para encontrar e contratar técnicos e preparadores físicos da área e a "burocracia junto à receita federal" para obtenção de licenças de importação dos equipamentos.

O relatório final tem sete páginas. As primeiras apresentam o valor empregado, os objetivos e o plano de trabalho, que incluia a contratação de uma comissão técnica, a contratação de técnicos regionais, a formação de um centro de treinamento de alta perfomance, a participação em eventos internacionais dentro e fora do Brasil (inclusive com seguro de viagem) e a aquisição de equipamentos para treino de alta performance.

As páginas intermediárias e finais apresentam os problemas e as justificativas da CBG.

ESPN.com.br
Relatório especifica sobre atrasos na execução de metas do golfe
Relatório especifica sobre atrasos na execução de metas do golfe

O relatório sinalizou que até agosto de 2014 apenas 9,5% do valor previsto em convênio havia sido empregado pela CBG. Mas amenizou o problema ao reconhecer "a dificuldade em encontrar e contratar treinadores e profissionais da área de preparação física, dadas as especificidades inerentes a este esporte e sua pouca difusão na cultura nacional".

A CGU enalteceu o centro de treinamento construído como "o único existente no Brasil com características e equipamentos no mesmo nível dos existentes nos países onde este esporte é largamente praticado, notadamente Estados Unidos, Japão e Reino Unido", informação que creditou à CBG. E justificou porque não foram feitas licitações para a aquisição de itens listados no plano de trabalho: 

"Devido às especificidades que o esporte apresenta tanto os profissionais como o centro de treinamento foram contratados por dispensa de licitação", escreveu.

A CBG respondeu as falhas apontadas no relatório e justificou que houve um atraso no repasse dos recursos financeiros, que fez a vigência do convênio ser alterado de 31 de dezembro de 2013 para 18 de fevereiro de 2014. Isso atrasou o início.

"Originalmente, a conta bancária do convênio foi aberta junto à Caixa Econômica Federal. Entretanto, logo no início da execução do Convênio, em 2013, foi detectada a inoperância entre o sistema bancário da Caixa e o SICONV para operações no sistema OBTV e outros registros financeiros. Fomos então orientados a abrir nova conta bancária, desta vez, junto ao Banco do Brasil. O Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão foi responsável por então transferir os recursos financeiros da Caixa para o Banco do Brasil, fato que se regularizou somente em 7 de maio de 2013", explicou a CBG.

Posteriormente, o relatório confirmou o atraso e esclareceu que o convênio foi prolongado até o fim de 2016, ano dos Jogos Olímpicos, mesmo com o encerramento da Olimpíada.

Mas na conclusão a auditoria apontou que os atrasos podem ter comprometido a preparação dos atletas para a Olimpíada do Rio de Janeiro. A CBG rebateu. 

"Cabe ressaltar que a dilação do prazo de vigência não acarretou em custos extras ao projeto nem implicou em mudança do objeto do convênio e, embora não se tenha cumprido a previsão inicial de execução, a alteração do prazo de vigência é uma forma de possibilitar
que os atletas do golfe, ora beneficiados, possam ser contemplados com uma preparação
esportiva de qualidade visando futuras competições nacionais e internacionais e para os
Jogos Olímpicos Rio 2016. Neste contexto, gostaríamos de destacar o uso dos equipamentos de alta tecnologia adquiridos pelo convênio. Os equipamentos têm representado diferencial significativo para os atletas de Alto Rendimento, a exemplo do atleta A.R, campeão do Aberto do Brasil 2015, cujo treinamento com os equipamentos ajudou-o na conquista do título, conforme matérias anexas ao presente. Este fato exemplifica que a dilação do prazo impactou positivamente na preparação para os Jogos Olímpicos e vem contribuindo para uma preparação esportiva de qualidade ao longo da vigência deste Convênio".

Foram três representantes do Brasil na Olimpíada. Adílson da Silva foi o 39º colocado entre 66 participantes no torneio masculino e Miriam Nagl e Victoria Lovelady ficaram em 52ª e 53ª, respectivamente, entre as 60 do feminino.

  • FISCALIZAÇÃO

O relatório apontou ainda indícios de falta de fiscalização do Ministério do Esporte. Por ocasião dos trabalhos de campo não constava, na documentação/informação disponibilizada, registro de que o Ministério do Esporte tivesse promovido alguma ação de fiscalização in loco".

A CBG citou duas datas em que ocorreram ações de fiscalização - 12 de dezembro de 2014 e 13 de março de 2015 -, além de reuniões realizadas em Brasília em 31 de março de 2014 e 30 de outubro de 2014.

ESPN.com.br
Auditoria da CGU aponta atrasos em convênio do golfe brasileiro
Auditoria da CGU aponta atrasos em convênio do golfe brasileiro
  • OUTRO LADO

"O atraso apontado pela CGU em relatório preliminar emitido em setembro de 2015, decorrente de fiscalização realizada em agosto e setembro de 2014, foi devidamente justificado pela CBG em outubro de 2015. As justificativas da entidade foram incluídas no relatório final da CGU, datado de dezembro de 2015.

A CBG entende que as metas do convênio não foram comprometidas pelo atraso, devidamente justificado no relatório.

A CBG, inclusive, superou a meta inicial de ter dois representantes nos Jogos Olímpicos ao ter classificado três atletas por mérito, ou seja, nenhum deles utilizou as vagas destinadas ao país sede".

  • DOSSIÊ DAS CONTAS

CLIQUE NOS LINKS E VEJA AS REPORTAGENS DA SÉRIE

Documentos indicam fraudes e R$ 1,8 bilhão sem prestações de contas

Tênis de Mesa bancou viagens de luxo a cartolas e deu calote no cartão de crédito

Ligações entre sócios de empresas e CBTM indicam fraudes em licitações

Confederação recebeu, mas não comprou R$ 300 mil em equipamentos aos atletas

Canoagem: dinheiro 'sumiu', e atletas ficaram sem caiaques, remos e equipamentos

CBHb contratou firma sem funcionários e cotou preços com empresa que não existia

Licitação para aviões do handebol teve três concorrentes: a mãe e os dois filhos

Confederação atrasou bolsas-atletas em mais de um ano e superfaturou hotéis

Ginástica teve equipamentos em galpão, pagamentos duplos e despesas fantasmas

No Ciclismo, mais de R$ 3 milhões anuais dos atletas são usados para servir cartolas

Natação usou dinheiro dos atletas para pagar jantares e comprar bebidas alcoólicas

COB utilizou R$ 3,6 milhões do esporte para agraciar cartolas durante o Rio 2016

TCU compara salários de cartolas do Atletismo com ganhos dos ministros do STF

Tiro com Arco não apresentou documentos originais e parcelou até notas fiscais

Rugby efetuou pagamentos por equipamentos de musculação que nunca chegaram

Mesma empresa de turismo venceu 37 de 42 licitações na CBDA

Basquete não devolveu R$ 406 mil do convênio e superfaturou hotéis

CBV teve concorrentes com mesmo telefone e funcionários em empregos simultâneos

Boxe não possui comprovante de gastos de R$ 27,7 mil em dinheiro público

CGU aponta dezenas de falhas em contratos olímpicos de R$ 240 milhões do ME

Convênio foi realizado há nove anos, mas prestação de contas jamais apareceu

Confederação levou R$ 236 mi para investir no esporte, mas aplicou na poupança

Ministério do Esporte promete analisar contas pendentes até 2022

ESPN.com.br
Jogo Limpo - Por um esporte sem corrupção
Jogo Limpo - Por um esporte sem corrupção

CONTATO

Em setembro, a ESPN lançou um canal para fiscalizar e cobrar transparência no esporte. Queremos a contribuição dos leitores e telespectadores do canal para contar essas histórias. Se você tem alguma dica, de qualquer esporte, olímpico ou paralímpico, nos mande um e-mail para: jogolimpo@espn.com. A fonte será preservada sempre.

Comentários

No golfe, atraso em execução de metas atrapalhou preparação de atletas olímpicos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.