Chapecoense teve voo fretado negado pela Anac

ESPN.com.br
Reprodução
Avião que levou a delegação da Chapecoense caiu, o que causou a morte de 76 pessoas
Avião que levou a delegação da Chapecoense caiu

A delegação da Chapecoense, que sofreu um acidente aéreo que matou 75 pessoas, queria ir a Medellín em um voo fretado, mas teve o pedido pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) negado. A informação foi confirmada pelo prefeito de Chapecó, Luciano Buligon.

De acordo com o portal UOL, a mesma medida foi tomada para a partida também na Colômbia contra o Junior Barranquilla. 

"Nós estávamos previstos para estar nesse voo. Inicialmente a gente iria num voo fretado, mas a ANAC não liberou e nós optamos por ir em voo regular hoje de tarde. Mas voltaríamos nesse voo (que caiu). Esse avião teve um pedido indeferido, porque há um acordo internacional que quando há fretamento de equipes brasileiras só podem ser feito por aviões dos países de origem e destino", afirmou o político à TV Globo na manhã desta terça.

O nome do prefeito estava na lista que pegaria o voo como convidado da Chapecoense, mas acabou não embarcando. 

"Temos um grupo de atletas, ontem à tarde, o pessoal estava falando que tinham perdido o voo, que não tinha dado a autorização para voar, o que aconteceu na outra viagem, não autorizavam um voo fretado", declarou o lateral-direito Cláudio Winck à rádio BandNews. O atleta não foi relacionado para o jogo por opção técnica.

Direto da Colômbia, repórter da ESPN traz informações sobre motivo da queda do avião

Em nota oficial, a Anac explicou o procedimento. Leia na íntegra:

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que a empresa boliviana Lamia Corporation solicitou autorização de voo à ANAC para o transporte do time de futebol Chapecoense que faria um torneio na Colômbia. O voo partiria do Brasil para a Colômbia, na segunda-feira, 28/11, segundo a solicitação. O pedido foi negado com base no Código Brasileiro de Aeronáutica (CBAer) e na Convenção de Chicago, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países. O acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada.

Complementando a negativa do pedido, a ANAC informou ao solicitante do voo que o transporte poderia ser realizado por empresa aérea brasileira e/ou colombiana, conforme a escolha do contratante do serviço, nos termos dos acordos internacionais em vigor.

A ANAC se solidariza com os familiares das vítimas do acidente ocorrido nesta madrugada, 29/11, com o time da Chapecoense, nas proximidades de Medellín, na Colômbia.

A tragédia

O avião que levava a Chapecoense para Medellín, onde disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional na próxima quarta-feira, caiu a 50 quilômetros da cidade colombiana por causa de uma falha elétrica.

81 pessoas estavam a bordo entre eles 72 passageiros e nove tripulantes: 75 pessoas morreram. Os únicos sobreviventes do voo foram os jogadores Alan Ruschel, Danilo, Jakson Follmann e Neto; a aeromoça Ximena Suárez e o jornalista Rafael Henzel.

Médico fala sobre estado de saúde do jogador Alan Ruschel e do jornalista Rafael Henzel

Avião trouxe seleção argentina ao Brasil

O avião em que a delegação da Chapecoense estava é o Avro Regional Jet 85, de matrícula CP-2933. Ele tinha 17 anos de uso e, de acordo com o jornal catalão Sport, ele foi utilizado pela seleção argentina, que contava com nomes como Lionel Messi, para ir ao Brasil para disputar a partida pelas eliminatórias sul-americanas da Copa do Mundo de 2018, no Mineirão.

Comentários

Chapecoense teve voo fretado negado pela Anac

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.