Como um soco tirou sonho de jogar a Premier League de 1º rival do Brasil na Paralimpíada

Thiago Cara, do Rio de Janeiro (RJ), para o ESPN.com.br
Getty
Jack Rutter é o capitão da Grã-Bretanha no futebol de sete dos Jogos Paralímpicos
Jack Rutter é o capitão da Grã-Bretanha no futebol de sete dos Jogos Paralímpicos

No dia 17 de março de 2009, o Birmingham City venceu o Watford por 1 a 0 e se garantiu nas semifinais da Copa da Inglaterra para jovens. A campanha era histórica para as categorias de base do clube azul, que não alcançavam essa fase da competição desde 1985.

Aquela equipe tinha uma de suas promessas na lateral direita, Jack Rutter, então com 18 anos e prestes a assinar seu primeiro contrato profissional. A estreia no time principal, porém, nunca aconteceu: uma confusão na saída de uma casa noturna mudou seu destino.

Era noite do dia 21 de março, apenas quatro dias depois da vitória sobre o Watford. Rutter estava do lado de fora do Liquid Diva Nightclub, quando levou um soco de outro jovem, Luke Hennessey, então de 19 anos. Ele caiu, bateu a cabeça, fraturou o crânio e teve hemorragia cerebral.

Foi o fim de sua carreira como jogador profissional, antes mesmo do início. Não foi, porém, um ponto final em seus sonhos: Rutter, atualmente com 25 anos, é atleta paralímpico e capitaneia o time da Grã-Bretanha no futebol de sete, que estreou no Rio contra o Brasil nesta quarta-feira.

Rutter, que é meio-campista no futebol de sete, atuou por 53 minutos, deu três dos 12 chutes britânicos a gol, mas não evitou a derrota de sua seleção, por 2 a 1, para o Brasil - Leandro e Maycon marcaram os tentos da vitória, e David Porcher descontou.

"Biscoito de gengibre"

Aquele soco fez com que Rutter tivesse danos cerebrais irreversíveis e ficasse surdo de uma orelha. O equilíbrio de um dos lados do corpo também foi afetado. Hennessey, o agressor, por sua vez, foi condenado a um ano de prisão. Na Justiça, o motivo da confusão foi revelado.

"A primeira pessoa com quem Henessey conversou foi com sua irmã. Ele disse a ela que golpeou o senhor Rutter porque ele o chamou de ‘biscoito de gengibre'", disse em audiência a promotora Lisa Hennessy. A gíria é utilizada na Inglaterra para ironizar pessoas ruivas.

Getty
Jack Rutter, em ação em Grã-Bretanha x Holanda, no futebol de sete
Rutter em Grã-Bretanha x Holanda no futebol de 7

"Ele disse que sofreu bullying na escola por causa da cor de seu cabelo", seguiu a promotora. "O acusado não parecia estar envolvido na confusão, mas sem nenhum aviso aparente, ele deu um soco no rosto de Jack Rutter, que caiu e bateu a cabeça no asfalto", acrescentou.

Jon Holmes, o advogado de defesa, disse na ocasião que seu cliente "perdeu o bom senso" depois de ter bebido e que deveria ter ido embora ao invés de reagir daquela forma à provocação. Hennessey não tinha antecedentes criminais, mas já tinha se envolvido em outras brigas.

Da Premier League às Paralimpíadas

O drama de Rutter parece ter afetado os jovens do Birmingham. Nas semifinais da Copa da Inglaterra, um mês após a confusão na casa noturna, o time amargou duas derrotas para o Liverpool, por 3 a 0 e 3 a 1, e foi eliminado - o título acabou ficando com o Arsenal.

Naquela temporada, porém, os profissionais do Birmingham conseguiram o acesso para a primeira divisão, o que significa que, se assinasse contrato, Rutter teria a chance de disputar a Premier League já em 2009/10 - a equipe azul, inclusive, fez bom campeonato e acabou em nona.

Qualquer lamentação, porém, ficou no passado para Rutter. "Acho que minha história pode ajudar outros jovens que têm raiva. Estou aqui para mostrar a elas que, se você recorre à violência, é isso que pode acontecer. Esse pode ser o resultado", disse a ele a um jornal de Birmingham.

Getty
Jack Rutter em conversa com o príncipe William no último mês de abril
Jack Rutter em conversa com o príncipe William no último mês de abril

Em 2015, Rutter foi capitão da Inglaterra no Mundial de futebol de sete, competição que garantiu a classificação britânica para os Jogos Paralímpicos. "Estamos pensando alto, não vamos como turistas. Estamos 110% prontos. É questão de lidar com a pressão", avaliou.

Os britânicos são oitavo colocados no ranking mundial da modalidade, que tem a Rússia e a Ucrânia como maiores potências - o Brasil é outra equipe com boas chances de medalha.

Companheiros na mesma situação

Rutter, inclusive, não é o único atleta da Grã-Bretanha que teve chances de jogar o Campeonato Inglês. Sean Highdale e Michael Barker defenderam, respectivamente, Liverpool e Everton nas categorias de base, mas migraram para o futebol de sete após acidentes automobilísticos.

Comentários

Como um soco tirou sonho de jogar a Premier League de 1º rival do Brasil na Paralimpíada

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.