Lenda da NBA defende jogador da NFL que se recusou a levantar durante hino dos EUA

ESPN.com.br
Getty
Abdul-Jabbar durante encontro do Partido Democrata nos EUA
Abdul-Jabbar durante encontro do Partido Democrata nos EUA

Dias depois de Colin Kaepernick atrair os olhos dos norte-americanos ao não se levantar para a execução do hino dos Estados Unidos, o quarterback do San Francisco 49ers ganhou o apoio de um dos grandes nomes do esporte norte-americano, Kareem Abdul-Jabbar.

A lenda da NBA defendeu a atitude tomada por Kaepernick e criticou os torcedores que queimaram camisas com o nome do atleta.

"Uma das ironias é que as pessoas costumam expressar seu patriotismo se gabando da liberdade, especialmente da liberdade de expressão. Mas, depois, dizem ser antipatrióticos aqueles que expressam descontentamento com o governo", disse o ex-jogador em texto publicado pelo Washington Post.

Quarterback dos 49ers diz que quer conscientizar os EUA: 'Pessoas são assassinadas injustamente'

"Um sinal de maturidade da sociedade americana é a vontade das pessoas públicas, especialmente atletas, de tomar parte politicamente. Mesmo que isso atrapalhe a própria carreira", seguiu Abdul-Jabbar.

Após protestos de Kaepernick, jovem fã se revolta e queima camisa do jogador

"O que deveria assustar os americanos não é a decisão do Kaepernick de ficar sentado durante o hino nacional, mas que quase 50 anos após Muhammad Ali ser banido do boxe e Tommie Smith e John Carlos erguerem seus punhos, ainda precisamos chamar a atenção para os mesmos problemas raciais. O fracasso ao resolver o problema é o verdadeiro erro aqui", completou o lendário jogador de basquete.

Comentários

Lenda da NBA defende jogador da NFL que se recusou a levantar durante hino dos EUA

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.