Zagueiro do Figueira já parou Balotelli e agora terá de segurar o Flamengo na Sul-Americana

Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br
Flickr do Figueirense
Werley está emprestado o Figueirense até o fim do ano
Werley está emprestado o Figueirense até o fim do ano

Para eliminar o embalado Flamengo na Copa Sul-Americana, nesta quarta-feira, o Figueirense terá que sustentar a vantagem de 4 a 2 conquistada no Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Para isso, conta com a experiência do zagueiro Werley.

Revelado no Atlético-MG, ele fez diversos torneios de categorias de base na Europa e enfrentou grandes clubes como Real Madrid, Juventus, Ajax e Inter de Milão. Contra a equipe italiana, aliás, ele travou um duelo com ninguém menos que o polêmico atacante Mario Balotelli.

"Ele caía do meu lado direto e também ia para o outro. Era um cara bem difícil de marcar e muito forte desde garoto, mas fomos campeões. Apesar da fama dele, não aconteceu nada demais", recorda o defensor, ao ESPN.com.br.

A partida foi na final Trofeo Nereo Rocco, torneio sub-17 disputado em Gradisca d'Isonzo, na Itália, e que já revelou atletas como Raúl, Riquelme, Pirlo e Shevchenko. O jogo terminou 3 a 2 para os brasileiros e o italiano não marcou.

No "Velho Continente", Werley passou por uma situação inusitada durante uma outra competição realizada na Holanda. Ao invés de dormirem em alojamentos ou hotéis, os garotos ficaram hospedados em casas de família.

"A mãe tinha feito uma lasanha para o jantar. Na hora de refeição ela colocou um copão de leite para gente, achei bem estranho (risos). É um hábito dos holandeses. Eu só bebi um pouquinho pra não fazer desfeita", recordou.

Relembre golaços e loucuras de Mario Balotelli, que está de volta ao Milan

CARINHO PELO GRÊMIO E CAMPEÃO NO SANTOS

Depois de se destacar nas categorias inferiores, o zagueiro subiu para o profissional em 2008. Com pouco espaço no Galo, ele foi emprestado ao América-RJ e Boavista-RJ antes de se firmar de vez, em 2009.

Gazeta Press
Werley comemora gol do Grêmio no Gaúcho
Werley ficou três anos no Grêmio  

"No Brasileiro eu joguei quase todos os jogos no Mineirão cheio. Pegamos o Flamengo para 83 mil pessoas! Infelizmente, o time desandou nas últimas cinco rodadas e nem classificamos para a Libertadores. Foi uma decepção muito grande", lamentou.

No ano seguinte, ele venceu o Mineiro com o Atlético-MG. Em 2012, foi emprestado ao Grêmio, no qual permaneceu por quase três temporadas, e viveu uma das melhores fases da carreira.

"Fiz o último gol do estádio Olímpico e isso ficou marcado. Fui muito feliz por lá. Nunca vou esquecer o clube e a cidade que foram muito boas. Amadureci muito como jogador e pessoa".

Ano passado, Werley foi campeão paulista pelo Santos e vice-campeão da Copa do Brasil.

Para Alê Oliveira, Figueirense fez melhor partida do ano contra o Flamengo

DUELO COM FLAMENGO NA SUL-AMERICANA

Após retornar no primeiro semestre ao Grêmio e não ter oportunidades, o defensor acertou com o Figueirense por empréstimo até o final do ano. O zagueiro acredita que o time catarinense tem todas as condições de se classificar no torneio continental.

"Queremos passar de fase e mirar coisas positivas. Estamos em um momento de crescimento. Fizemos um jogo de ida muito bom, foi um dos melhores até aqui. Acredito que está tudo aberto. Flamengo é uma grande equipe. Temos uma vantagem boa, mas tudo pode acontecer e precisamos nos preparar bem".

Para isso, ele aposta no histórico pessoal contra a equipe rubro-negra. "Em 2012, quando estava no Grêmio ganhamos do Fla de 2 a 0 e fiz um gol. Ano passado pelo Santos empatamos com eles no Maracanã".

A vitória por 1 a 0 diante do Santos em plena Vila Belmiro, no último domingo, é um combustível para a equipe buscar sair da degola e aspirar objetivos maiores.

Assista ao gol da vitória do Figueirense sobre o Santos por 1 a 0

"O clube é organizado e tem grandes pretensões. Estou muito feliz. Estamos trabalhando muito para sair desta situação que não queríamos estar. Nós fizemos grandes jogos, mas infelizmente perdemos pontos bobos. Mas ainda faltam 18 jogos para sairmos dessa situação".