Como brasileiro foi de restaurador de sofás a jogador da 'ótima geração belga' e Champions

Francisco De Laurentiis e Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br
Getty Images
Igor de Camargo ao lado de Hazard na Bélgica
Igor de Camargo (dir) ao lado do amigo Eden Hazard na seleção da Bélgica

O brasileiro Igor Albert Rinck de Camargo teve uma trajetória de vida incomum. Nascido no interior de São Paulo, ele foi se aventurar ainda jovem no futebol europeu. Quando viu, estava vestindo a camisa da seleção. Mas não a "canarinho", e sim o vermelho da Bélgica, ao lado dos atletas que formam a chamada "ótima geração belga".

Antes disso, porém, trabalhou em um ramo bem diferente do futebol no Brasil.

"Meu pai é professor de ciências e minha mãe é escriturária. Trabalhei desde cedo para ganhar um troco, como ajudante de tapeceiro, eu achava legal. Eu era empregado de uma loja de móveis usados que recolhia sofás velhos para restaurar, e eu ajudava. Fazia isso nos tempos de moleque, e só fui para o futebol aos 15 anos", conta Igor, ao ESPN.com.br.

O atacante, hoje com 33 anos, começou no amador de sua cidade, Porto Feliz, e depois jogou a extinta Série B2 do Campeonato Paulista (então a 5ª divisão Estadual) pelo Estrela, pequeno clube local.

Um dia, um empresário disse que havia conseguido um teste para ele na Europa, e o atacante viajou para o "Velho Continente" em busca de seu sonho.

"Fiquei uma semana na Holanda, na casa do agente que fez o contato para me levar para a Bélgica. Fiz um teste no Genk e passei. Fiquei seis meses no time B e depois fui para o elenco principal, e foi onde tudo começou para mim", lembra o atleta.

Veja gols do atacante brasileiro Igor de Camargo

"No começo, sofri bastante até me adaptar e ser bem aceito pelos belgas. O clima era muito frio, e pra quem saiu dos 35 graus do interior de São Paulo era complicado (risos). Além disso, tinha o idioma completamente diferente", relata o centroavante.

Divulgação
Igor de Camargo defenderá o Apoel, do Chipre
Igor de Camargo defenderá o APOEL, do Chipre, na próxima temporada

Ao todo, Camargo passou cinco anos no Genk, atuando uma temporada também no Beringen-Heusden-Zolder, clube-satélite do time belga, para ganhar experiência. Nesta época, disputou pela primeira vez a Uefa Champions League, e se lembra até hoje de sua estreia: simplesmente um jogo contra o Real Madrid dos "Galácticos".

"Eu tinha 19 anos e entrei no Santiago Bernabéu lotado com 60 mil pessoas para enfrentar aquele Real na Champions de 2002. Imagine só você: um moleque recém-saído da 5ª divisão paulista para enfrentar Figo, Casillas, Salgado, Hierro, Helguera, Roberto Carlos, Makelelé, Raúl, Morientes... Eu nem sabia para onde olhar!", suspira.

JOHN THYS/AFP/Getty Images
Igor de Camargo Kompany Comemoram Gol Belgica Cazaquistão Eliminatorias Euro-2012 07/10/2011
Igor abraça Komapny em jogo da Bélgica

"Era complicado jogar com os caras. Foi um jogo acirrado: 6 a 0 para eles (risos). Mas para a gente é só alegria! Sorte que Zidane e Ronaldo não jogaram, senão tinha sido mais", brinca.

Igor rapidamente se firmou no Genk e ajudou a equipe a conquistar o Campeonato Belga em 2001/02 e a Supercopa da Bélgica em 2002, sempre marcando gols importantes. Não à toa, chamou a atenção do Standard de Liège, também belga, que o contratou em 2006.

Na nova equipe, seguiu goleador e, como já estava há vários anos do país, conseguiu a dupla nacionalidade, naturalizando-se belga em 2008.

No ano seguinte, veio a primeira convocação para a seleção dos "Diabos Vermelhos", que continha então o embrião do time que se classificou com bom futebol para a Copa do Mundo-2014 e a Eurocopa-2016, chegando até mesmo a liderar o ranking da Fifa no período, apesar de não ter faturado títulos importantes. 

"Foi uma experiência única. Todo jogador sonha em um dia chegar a uma seleção, e tudo o que eu conquistei na vida foi por causa da Bélgica, que é minha segunda casa. Jogar com esses craques todos foi um privilégio. Sou muito grato a eles pela aceitação", emociona-se Igor, que é muito amigos de atletas como Hazard, Kompany, Witsel, Lukaku e Fellaini.

"Minha estreia foi contra a Eslovênia, e ganhamos de 2 a 0. Mas minha melhor partida foi contra o Cazaquistão, pelas eliminatórias da Euro-2012. Participei de quase todos os gols e goleamos por 4 a 1 em casa, fui bastante aplaudido pela torcida e isso me marcou demais", relembra.

Em 2010, Camargo trocou de time e foi defender o Borussia Mönchengladbach, da Alemanha. Atuou por três anos na equipe e seguiu fazendo gols, mas acabou perdendo a chance de jogar o Mundial em 2014 depois de não se firmar durante um empréstimo ao Hoffenhein, em 2013, e acabou ficando de fora da lista do técnico Marc Wilmots.

Arquivo Pessoal
Igor de Camargo ao lado de Hazard
Igor de Camargo ao lado do amigão Hazard na seleção belga

Apesar disso, ele se lembra com carinho de seus tempos de Alemanha, quando viveu fortes emoções e firmou uma grande amizade com o zagueiro brasileiro Dante.

"No Borussia, eu passei por muitas emoções, um pouco de tudo (risos). Joguei com Ter Stegen, Marco Reus, Dante, Xhaka, só feras. Lá, fomos do inferno ao céu. Em 2010/11, a gente estava para ser rebaixado e escapamos nas últimas rodadas, inclusive com um gol meu aos 47 do segundo tempo no playoff da queda contra o Bochum", afirma.

Friedemann Vogel/Bongarts/Getty Images
Igor de Camargo Marco Reus Comemoram Gol Borussia Monchengladbach Mainz Campeonato Alemao 20/11/2010
Igor comemora gol com o jovem Marco Reus

"O Dante prometeu que ia cortar o black power se o time não caísse e depois, no vestiário, passamos a máquina zero nele. O bicho ficou feio demais (risos)! O Dante é como se fosse um irmão para mim. E depois, com o mesmo time, a gente se uniu e ficou em 4º no ano seguinte, classificando para a Champions", celebra.

Depois do M'gladbach, Igor passou mais uma vez por Standard e Genk antes de acertar com o APOEL, do Chipre, que defenderá na próxima temporada, e pelo qual terá mais uma oportunidade de jogar a Liga dos Campeões. Basta eliminar o Rosenborg, da Noruega, na fase de classificação, em duelos marcados para fim de julho e começo de agosto.

Dante diz que perdeu prestígio na Alemanha após 7 a 1 e projeta recomeço no Wolfsburg

E assim segue a aventura do ex-restaurador de sofás no mundo da bola.

Comentários

Como brasileiro foi de restaurador de sofás a jogador da 'ótima geração belga' e Champions

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.