Ex-São Paulo lembra dia em que 'humilde' Guardiola anulou Amaral 'Coveiro'

Vladimir Bianchini, do ESPN.com.br
ESPN.com.br
Guardiola x Amaral
Pep Guardiola não teve o mínimo estrelismo e correu atrás de Amaral

Hoje um dos melhores técnico do mundo, Pep Guardiola era conhecido por sua classe dentro de campo e teve uma carreira de sucesso na década de 90, com passagens pelo Barcelona e pela seleção espanhola. Revelado no Palmeiras, Amaral foi um volante com uma longa trajetória no futebol com diversos clubes no currículo e marcou diversos craques no mundo, incluindo Zinedine Zidane.

O caminho desses dois personagens um dia se cruzou em uma partida válida pela Liga do Qatar, em 2004. E, ao contrário do que se possa imaginar, não foi o jogador brasileiro quem precisou sujar o calção e correr atrás do astro.

"O Amaral jogava no Al Ittihad e estava comendo a bola. Ele, com aquele fôlego corria o tempo todo do ataque para defesa e eu queria marcá-lo. Com 30 minutos eu já estava morto. O Guardiola pegou no meu braço e disse: 'Você não tem que correr atrás dele. Eu que sou volante é que preciso correr atrás dele. Você tem que ser o cara que irá decidir o jogo pra gente'", contou Oliveira, ex-atacante do Al-Ahli, atualmente treinador da Caldense-MG, ao ESPN.com.br.

Divulgação
Guardiola e Oliveira
Guardiola e Oliveira no Catar

O ex-volante do Palmeiras, que antes da carreira nos gramados trabalhava como agente funenário em Capivari, interior de São Paulo, não viu mais a cor da bola.

"Depois disso, eu acabei jogando bem. Ele me indicava muito bem o posicionamento e isso era ótimo. Ele marcou muito bem o Amaral, que depois disso não jogou. Pediu até para o treinador mudar o posicionamento dele na partida (risos)", recordou.

Ambos eram comandados por José Macia, o Pepe, ídolo do Santos de Pelé. Os ensinamentos do ex-capitão do Barça estão na memória do brasileiro até hoje.

"Impressionante que um cara multicampeão falou para mim com toda humildade, é um exemplo que sempre conto aos meus jogadores. Você precisa estar buscando o tempo todo. Se ele, que era um cara consagrado, queria, imagina para quem está começando. Precisa ser buscar um algo a mais".

"Aprendi demais com ele, já tinha liderança natural e era nosso treinador dentro de campo. Eu evolui muito taticamente. Um cara do bem. Dizia que adorava o futebol brasileiro e que a seleção da Copa do Mundo de 82 era a inspiração da vida dele".

Pepe conta sobre amizade com Guardiola e diz que conversava sobre Santos com Pelé

BRONCA DE BATISTUTA

Revelado pelo São Paulo na mesma geração de Kaká e Júlio Baptista, no começo dos anos 2000, Oliveira foi emprestado pelo time do Morumbi ao Al Ahli em 2004.

Além de Guardiola, a Liga do Catar contava com astros como o zagueiro espanhol Fernando Hierro, o meia alemão Stefan Effenberg e o atacante argentino Claudio Caniggia. Outro adversário de peso foi Gabriel Batistuta, que jogava no Al Arabi. Oliveira levou uma "bronca" do lendário centroavante.

Divulgação
Thiago Oliveira comanda da Caldense
Thiago Oliveira comanda da Caldense

"A gente brigando para se classificar para a Copa do Emir e o jogo estava equilibrado em um 3 a 3. Eu tinha feito dois gols. Daí, uma bola dividida eu dei um carrinho e ele ficou em pé. Foi firme, a bola espirrou. Ele disse em um português claro: 'Oliveira, aqui não é Fla-Flu, não. Estamos aqui para ganhar um dinheiro e trabalhar, não precisa ser ríspido'", contou.

"Fiquei sem graça pra caramba, queria mostrar serviço e até pedi desculpa. Ele aceitou numa boa (risos). Fiz um gol neste jogo, mas o Batistuta fez uns 27 gols na temporada e foi o artilheiro", disse.

Comentários

Ex-São Paulo lembra dia em que 'humilde' Guardiola anulou Amaral 'Coveiro'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.