'Rei da Lama', vencedor do 1º Giro pedalava 100km por dia para trabalhar como pedreiro

Leonardo Perri, do ESPN.com.br
Divulgação
Luigi Ganna passou por muitos desafios para competir no ciclismo
Luigi Ganna (centro) passou por muitos desafios para competir no ciclismo 

O esporte é repleto de grandes histórias, e o ciclismo não foge a essa regra. E uma das mais fantásticas e inspiradoras é a de Luigi Ganna, vencedor da primeira edição da história do Giro d'Itália. A trajetória do ciclista é realmente incrível, passando da pobreza para o sucesso no esporte e posteriormente na vida como empresário.

Nascido em 1º de dezembro de 1883, na cidade de Varese, cresceu em uma família pobre e precisou lutar muito para conseguir ingressar no ciclismo. Desde pequeno, precisou trabalhar para ajudar no sustento de sua família, dada as precárias condições de vida de seus familiares.

Muito jovem, começou no ramo da construção civil, e depois partiu para trabalhar como pedreiro na cidade de Milão. E o mais impressionante está nas condições que Ganna ia trabalhar. Todos os dias, pedalava 100 km saindo de Induno Olona para Milão, em uma batalha diária para chegar ao local.

Foi então que surgiu o ciclismo na sua vida. Ganna começou a disputar competições amadoras e a se destacar. E o mais impressionante: competia e trabalhava com a mesma bicicleta. No ano de 1905, convenceu-se de que poderia se dar bem na modalidade e largou o trabalho como pedreiro para se dedicar à modalidade.

Sua estreia aconteceu no Giro di Lombardia daquele ano. Sem uma bicicleta tão sofisticada quanto a de seus adversários, conseguiu teminar a prova na terceira colocação, chamando a atenção de todos, inclusive de Edoardo Bianchi, dono de uma equipe que o convidou para integrar sua equipe. Com o salário de 200 liras por mês (moeda italiana à época), aceitou na hora.

Nos anos seguintes, ao lado de Eberhard Pavesi e Carlo Galetti, dois grandes ciclistas da época, formou um trio que era conhecido como os "Três Mosqueteiros". Continuou com seus bons resultados com um quinto lugar no Tour de France, um vice no Giro di Lombardia e no Milão-San Remo em 1906. No ano anterior, havia ganho a prova. 

Seus resultados nas provas inclusive lhe renderam um apelido curioso: "Rei da Lama". Explica-se: quando competia, destacava-se pela extraordinária resistência às condições climáticas adversas como chuva, frio e terrenos com lama.

A glória máxima veio no ano de 1909, quando tornou-se o primeiro vencedor do Giro d'Itália, hoje em dia tida como a segunda maior competição de ciclismo do planeta.

Divulgação
Luigi Ganna tinha o apelido de
Luigi Ganna tinha o apelido de 'Rei da Lama' 

A partir do ano de 1912, Luigi, além das corridas, começou a se dedicar a outras atividades, desta vez relacioandas com a confecção de bicicletas. Começou a produzi-las inicialmente para uso pessoal, mas depois expandiu e começou a fazê-las em pequenas séries.

Em 1914, começou a decadência em sua carreira com um desempenho desastroso no Giro d'Itália. Ganna já estava convencido de que precisava se aposentar das corridas, e foi o que fez. Abandonou as pistas e passou a dedicar-se à sua empresa, e chegou até a fundar um time de futebol.

A partir do ano de 1923 sua empresa começou a crescer de forma expressiva, chegando a produzir inclusive motocicletas. O suceso fez com que Ganna se tornasse um dos empresários mais respeitados na Itália e sua companhia ciclística fosse respeitada a nível internacioanal.

Faleceu no ano de 1957 e deixou o comando dos negócios para seu filho Tino. Como homenagem, o velódromo na cidade de Varese, localizado dentro do Stadio Franco Ossola, foi batizado com seu nome. 

Comentários

'Rei da Lama', vencedor do 1º Giro pedalava 100km por dia para trabalhar como pedreiro

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.