Banco alerta para riscos de gestão Nobre: 'Palmeiras se acertou de maneira errada'

Marcus Alves, de São Paulo (SP), para o ESPN.com.br
Getty
Presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, está em seu último ano de mandato
Presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, está em seu último ano de mandato

A receita que passa por um presidente como 'mecenas' e ainda contratos de patrocínio concentrados em uma única fonte representa um risco para o futuro do Palmeiras. A análise é do Itaú BBA, o banco de investimentos do grupo Itaú, em uma projeção sobre o que pode acontecer com o clube ao fim da gestão Paulo Nobre e uma eventual saída das empresas Crefisa e FAM de sua camiseta.

O cartola alviverde está em seu último ano de mandato.

Como alternativa para reorganizar o time e driblar os adiantamentos feitos por antecessores, Nobre adotou como prática recorrer ao próprio bolso para pôr as contas em dia.

Em janeiro, ele emprestou, por exemplo, R$ 8,9 milhões e permitiu que o mês fosse fechado com R$ 3,5 milhões de superávit. A dívida do clube com o mandatário é hoje superior a R$ 100 milhões. Desde maio de 2015, ele fica com 10% da receita mensal palmeirense como pagamento através do FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) Academia Esportiva.

"O Palmeiras se acertou da maneira errada, com o seu presidente como 'mecenas' e colocando dinheiro em seus cofres", avaliou César Grafietti, superintendente de crédito do Itaú BBA, durante workshop de análise econômico-financeira dos clubes, na última terça-feira, em São Paulo.

Mais contratações no Palmeiras? 'É um absurdo', diz Gian Oddi

Grafietti destacou o Flamengo como um dos exemplos de gestão no país e deixou claro que Palmeiras e Fluminense se encontram próximos, mas fez a ressalva, no caso alviverde, de fatores que podem representar um risco e a volta à estaca zero mais adiante.

"Ele precisa se preparar para o turning point (em português, ponto de virada), que pode vir com a saída dos dois (Paulo Nobre e dos patrocinadores Crefisa e FAM)", prosseguiu.

O acordo com as empresas comandadas pelo casal palmeirense José Roberto Lamacchia e Leila Mejdalani Pereira foi renovado recentemente e se encontra em momento turbulento após mal-estar público entre as partes.

Ele rende R$ 78 milhões anuais ao caixa alviverde, o maior contrato do futebol brasileiro.

Mattos não descarta reforços, mas cobra: 'Precisa de atitude de time grande'

Em sua previsão de receitas para o time de Palestra Itália em 2015, o Itaú BBA destaca o crescimento financeiro da equipe. "Nossa expectativa é de que ao final do ano a geração de caixa tenha sido menos da metade de 2014, mas ainda assim um bom número, e com potencial de evoluir em 2016", diz o trecho.

Os balancetes de 2015 deverão ser divulgados pelos clubes até o fim de abril.

Paulo Nobre não negou o incômodo com o estudo feito pelo banco no ano passado e chegou até a alfinetá-lo após o título da Copa do Brasil.

"Foi duro no começo do ano aquele relatório do Itaú BBA, que solta uma nota dizendo que o Palmeiras e o Corinthians eram os piores times para se investir em 2015. Penso, será que os patrocinadores de ambos estão insatisfeitos? Quem não é do meu do futebol, cuidado. Sendo o Itaú BBA sério e competente como é, quando fala de futebol nos dificultou muito a vida", desabafou na ocasião.

Comentários

Banco alerta para riscos de gestão Nobre: 'Palmeiras se acertou de maneira errada'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.