'Xerifão' do Sport foi craque no basquete e revela: 'Durval de vez em quando ri'

Leonardo Ferreira, do ESPN.com.br
Anderson Stevens/Agência Eleven/Gazeta
Matheus Ferraz Sport x Palmeiras Campeonato Brasileiro
Matheus Ferraz foi um dos pilares na boa campanha do Sport em 2015

Foram inúmeras as vezes que os torcedores do Sport Clube do Recife viram o zagueiro Matheus Ferraz Pereira subir mais alto que os defensores adversários para testar com força ao gol. Com 1,9m de altura, o paulista de São José do Rio Pardo foi um dos destaques da equipe treinada por Falcão no ano passado e sempre usou a seu favor o fato de ser um dos mais altos do elenco.

Habilidoso no cabeceio, ele também é bom com as mãos. Afinal, quando criança, antes de trilhar a carreira de jogador de futebol, foi um atleta de basquete - ele mesmo garante - dos bons.

"Joguei na minha cidade, dos 10 aos 14 no time da minha cidade que disputava os campeonatos nacionais, os estaduais, tinha uma categoria de base muito boa. Ai, depois, comecei a me dedicar pro futebol. Eu jogava bem, quando eu disputava ganhei de melhor armador, num campeonato que tinha Piracicaba, Bauru, Franca... Não era dos piores, não (risos)", gargalhou o zagueiro, em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br.

Aos 15 anos, o menino alto saiu de casa para tentar a vida no esporte bretão. Na categoria juvenil, Matheus Ferraz passou por São José e Londrina antes de chegar em seu primeiro grande clube da carreira, o Santos, onde foi revelado para o time profissional pelo técnico Nelsinho Baptista.

Divulgação
Matheus Ferraz participou do treinamento do Sport nesta terça
Matheus Ferraz em treino pelo Sport

Mas o técnico que ele tem mais lembranças positivas é do filho de Nelsinho, Eduardo Baptista, demitido na última quinta-feira do Fluminense. Foi ele quem pediu sua contratação para o Sport e, mais tarde, para o próprio time tricolor carioca.

"Ele é um cara que me ajudou muito. Ele que abriu as portas para mim no momento em que tava voltando de lesão. Eu estava no Boa Esporte, joguei sete jogos no Mineiro, mas a gente tem ambição de chegar longe, né? Cheguei no Sport e aprendi muito com ele taticamente, admirei o trabalho dele. É um treinador muito importante na minha carreira", comentou.

No fim do ano passado, inclusive, Matheus esteve muito perto de trocar Recife pelo Rio de Janeiro. Noticiou-se que, com seu contrato próximo do encerramento, ele teria assinado um pré-vínculo com a equipe das Laranjeiras. De acordo com o próprio zagueiro, isso não foi recebido bem pelos dirigentes leoninos.

"Eu já vinha conversando com o Sport, na época com o Eduardo, e ele já tinha pedido minha renovação. Foi tudo meio lento e ele acabou saindo pro Fluminense. Então, ele entrou em contato comigo, mas foi só por telefone, não veio nada em papel. Eu tinha explicado que tava ouvindo a proposta do Sport e ia ver o que era melhor pra mim", contou.

"Decidi permanecer porque seria melhor para mim. Ai saiu que tinha assinado um pré-contrato e acabou até soando mal com o pessoal do Sport, mas havia negociação como com qualquer jogador em final de temporada. O Fluminense tava querendo, meu empresário tava vendo outras situações, mas preferi renovar com o Sport mesmo", completou.

Zagueiro-artilheiro, mas sempre zagueiro

Autor de cinco gols em 42 jogos pela equipe pernambucana em 2015, Matheus Ferraz é "mortal" no jogo aéreo. Ele, entretanto, afirma não ser mais um daqueles que iniciam nas categorias de base na linha de frente e são deslocados para a zaga por conta da falta de habilidade.

"Sempre fui zagueiro. Na verdade, quando comecei a jogar, quando criança até brincava de atacante. Ai decidi jogar futebol e um treinador na época foi me empurrando para trás e acabei como zagueiro. Mas nunca foi em nenhum time, nem infantil nem juvenil. Quando fui jogar no meu primeiro time, já era zagueiro", disse.

Gazeta Press
Matheus Ferraz Sport Durval Futebol Campeonato Brasileiro Gazeta Press Ponte Preta
Ferraz e Durval formam forte dupla de zaga

Sobre os tentos marcados, ele credita ao trabalho duro no dia a dia.

"Característica minha desde juvenil. Sempre treinei bastante bola parada e vem acontecendo e venho ajudando o Sport. São coisas do trabalho", comentou.

Ferraz forma dupla experiente de zaga com o multicampeão Durval, que já conquistou nada mais, nada menos que 19 títulos aos 35 anos. Apesar de ser quieto, o jogador é um dos mais carismáticos do Brasil, esbanjando seriedade e quase nenhum sorriso.

"Ele é um cara muito serio como profissional, mas de grupo, bem bacana e que procura ajudar, fazer o melhor pro grupo e pros companheiros. É um cara que brinca, sim. As pessoas falam que ele não dá risada, mas é que dentro de campo é a maneira dele de ser, de encarar. É um cara que ensina, rodado, ganhou títulos seguidos, passa tranquilidade e experiência. Um privilégio jogar ao lado dele", falou.

Lesão no Japão e tratamento no Corinthians

Após bela passagem pelo Criciúma, na Série A do Campeonato Brasileiro, Matheus Ferraz recebeu a chance de "fazer o pé de meia" com uma proposta irrecusável do Tokyo FC-JAP. Lá, ele logo teve um baque com uma lesão grave no joelho e passou pelo momento mais difícil da carreira.

Gazeta Press
Matheus Ferraz Criciuma Forlan Internacional Futebol Campeonato Brasileiro Gazeta Press
Matheus Ferraz se recuperou no Criciúma

"Era a oportunidade profissional e financeira muito boa, só que fiquei dois meses, rompi ligamento e atingiu menisco também. Muito ruim, porque a gente não espera que isso aconteça, mas acabou acontecendo. Ai você pensa se fica no Japão, se volta pro Brasil, se ia voltar a mesma coisa, ia voltar bem... Quando recuperei da lesão tive contato do Sport e de outro time, mas não firmou porque tinha explicado para eles a situação e deram um passo atrás", lamentou.

Mesmo assim, Matheus não desistiu e teve as portas do CT Joaquim Grava abertas a ele para iniciar tratamento intensivo no Corinthians com o próprio médico que dá nome ao Centro de Treinamentos, que o operou.

"Isso foi primordial para que eu me recuperasse bem. Mas nunca pensei em desistir. Sempre pensei que fosse me recuperar e voltar a jogar. O que repensei mesmo foi de jogar no nível em terminei 2014", ressaltou.

"No fim, as coisas terminaram bem", completou.

Comentários

'Xerifão' do Sport foi craque no basquete e revela: 'Durval de vez em quando ri'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.