'Craque invisível' espera aumento para ficar no Barcelona e frustrar Guardiola

Thiago Arantes, de Barcelona, para o ESPN.com.br
Busquets deixa em aberto futuro no Barça após elogios a Guardiola: 'Devo muito a ele'

O Barcelona tem alguns dos maiores craques do futebol mundial. E, também, algumas das maiores celebridades do esporte. Messi, Neymar e Suárez formam o supertrio que encanta o mundo da bola e do marketing.

Iniesta é ídolo em quase toda a Espanha, fato raro para um jogador do clube catalão; Piqué é um fenômeno das redes sociais - para o bem e para o mal. Arda Turan é o maior jogador da Turquia, um dos países mais apaixonados pelo futebol.

Entre tantos nomes maiúsculos do esporte mais popular do mundo, Sergio Busquets é quase um extraterrestre. Tímido e desajeitado, o volante de 27 anos passa longe do perfil de craque midiático. Mas deve entrar nas notícias nos próximos meses, à sua própria revelia: ele deve tornar-se um dos nomes mais comentados no fim da temporada.

O "craque invisível" foi fundamental para os dois times mais vencedores da história do clube - era peça importante no time de Pep Guardiola, ganhador do primeiro triplete; tornou-se imprescindível na equipe de Luis Enrique, que ganhou cinco títulos em 2015 e já acumula 32 jogos invicta, quebrando todos os recordes do conjunto azul e grená.

Getty
Busquets herdou a camisa 5 de Puyol no Barcelona: responsabilidade
Busquets herdou a camisa 5 de Puyol no Barcelona: responsabilidade

Tão fundamental que, mesmo nesta sequência de 32 partidas sem perder, o Barcelona sofreu quando seu camisa 5 não esteve em campo. Contra o Las Palmas, no último sábado, Busquets estava suspenso: vitória sofrida, por 2 a 1; diante do Levante, no começo do mês, o volante só entrou aos 22 minutos da segunda etapa: o Barcelona teve problemas para vencer por 2 a 0.

Em três dos cinco empates da sequência inédita de jogos invictos, "Busi" não estava: ele não foi relacionado nas igualdades contra o Villanovense (0 a 0) e o Valencia (1 a 1), pela Copa do Rei, e ficou no banco durante todo o duelo contra o Bayer Leverkusen (1 a 1) na última rodada da fase de grupos da Champions League.

Na Liga Espanhola, Busquets é o quarto jogador em número de passes, o primeiro entre os do Barcelona, com 1497, média de 65 por partida. O catalão só é superado por Toni Kroos e Luca Modric, do Real Madrid, e pelo veterano Roberto Trashorras, do Rayo Vallecano.

Já na Champions League, se computados apenas os jogos da fase de grupos - em que não enfrentou o Leverkusen e foi substituído no intervalo contra a Roma no Camp Nou - Busquets é o segundo do Barcelona, com 364 passes, oito a menos que Piqué. A precisão do volante: 95% de acerto.

Os números se casam com características que, muitas vezes, só são possíveis observar no campo: Busquets intercepta muitas bolas, sim; comanda a saída de jogo do time, também; mas seu trabalho mais impressionante é no conceito que alguns treinadores chamam de "dissuasão do passe" - colocar-se na linha da bola e forçar o adversário a não dar o passe que gostaria, optando por uma ação pior. Com isso, o time ganha preciosos segundos para se recompor.

Getty Images
Nas entrevistas recentes, volante sempre menciona 'valorização'
Nas entrevistas recentes, volante sempre menciona 'valorização'

Só que, apesar de todas as qualidades que tem colocado a serviço do Barcelona, Busquets não tem o futuro assegurado no clube. O volante tem contrato até 2019, assinado no meio do ano passado, mas não esquece uma promessa do presidente Josep Maria Bartomeu: um aumento salarial que o colocaria como um dos quatro jogadores mais bem pagos do elenco, atrás apenas de Messi, Neymar e Iniesta.

O Barcelona só pode assinar um novo contrato, com o incremento salarial, após o final da temporada, quando fechar o balanço financeiro. Há pelo menos dois grandes interessados nos serviços do camisa 5: justamente dois dos clubes mais endinheirados do mundo - PSG e Manchester City.

No clube parisiense, o atrativo seria financeiro: finalmente, um salário de craque de primeiro nível do futebol mundial. Já no Manchester City, além de dinheiro, ele teria de volta a seu lado o treinador que o tirou do anonimato - Pep Guardiola, que lhe deu a posição de titular, no lugar do badalado Yaya Touré, quando assumiu o Barcelona.

No início deste mês, em uma entrevista à ESPN, Busquets não teve dúvidas ao falar sobre os motivos que o tirariam do Barcelona.

"Sempre disse que só há duas pessoas que poderiam mudar minha decisão de estar aqui: uma é minha mulher, que é daqui e torce pelo Barcelona, então não acho que haverá problema, isso a nível pessoal; e em termos esportivos, seria Guardiola: é claro que eu devo muito a ele e para mim seria uma honra trabalhar com ele outra vez, mas ele sabe que meu clube é este, e o clube dele também é este... Ele sabe que que o melhor para mim e para o Barcelona é que eu esteja aqui, não acho que ele vai me pedir", afirmou.

Para não perder seu craque invisível, o Barcelona precisa olhar para ele mais do que nunca.

Comentários

'Craque invisível' espera aumento para ficar no Barcelona e frustrar Guardiola

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.