Ex-melhor do mundo prevê 'momentos terríveis' para o Brasil no Mundial de handebol

ESPN.com.br
Getty
Alexandra Nascimento foi eleita melhor jogadora do mundo em 2013
Alexandra Nascimento foi a eleita melhor jogadora do mundo em 2012

A seleção brasileira feminina de handebol surpreendeu a todos no último Campeonato Mundial, em 2013, quando atropelou as favoritas seleções europeias e, pela primeira vez, conquistou o título na competição. Dois anos depois, o desafio do bicampeonato na edição de 2015, que começa neste sábado. De azarão, o Brasil passou à seleção mais visada do torneio.

"Ter ganhado o mundial foi maravilhoso. Acredito que esse vai ser o Mundial mais difícil das nossas vidas. Quando ganha, você passa a ser a seleção mais estudada, mais vista. É normal no esporte, tudo mundo quer te derrubar. Então, acredito que vai ser muito difícil, vamos ter momentos terríveis, mas somos conscientes e nos entregamos para esse desafio", declarou a ponta-direita Alexandra Nascimento ao ESPN.com.br.

Eleita a melhor jogadora do mundo em 2012, a brasileira segue como um dos principais nomes do elenco comandado pelo técnico dinamarquês Morten Soubak. Quem está no topo, contudo, é Duda Amorim, coroada com o prêmio de melhor do planeta no início de 2015. Todo esse sucesso, segundo Alexandra, acontece pela junção de dois fatores.

"Ponto crucial é que 90% das jogadores atuam na Europa. Esse contato com técnicos e jogadoras que antes só víamos na olimpíada e no mundial tira pressão e a falta de experiência de não conhecer ninguém. E também tem a entrada do Morten. Com a experiência dele, que a gente adquiriu, casou muito bem esse momento", analisou.

O Mundial feminino de handebol deste ano será disputado na Dinamarca a partir deste sábado. O Brasil está no grupo C, ao lado de Coreia do Sul, Congo, Alemanha, Argentina e França. A estreia das atuais campeãs mundiais será no sábado mesmo, contra as sul-coreanas, em Kolding.

Após a competição, a seleção feminina se concentrará na preparação para os Jogos Olímpicos, que serão realizados no Rio de Janeiro em 2016. Para Alexandra Nascimento, o fato de jogar em casa traz o peso extra e, por isso, o elenco já vem realizando um trabalho psicológico neste sentido.

"Um ano atrás, estávamos mais ansiosas, nem falávamos de Mundial, era só Olimpíada. E não é assim. Depois do Mundial, vamos começar preparação para as Olimpíadas. Jogar em casa é uma coisa maravilhosa, mas imagina essa pressão, estar com familiares e amigos. Nossa psicóloga está fazendo este trabalho, preparando a gente. Vai ser um mês de esquecer onde estamos e realmente nos entregarmos ao nosso objetivo, que é ganhar uma medalha", finalizou a ponta.

Comentários

Ex-melhor do mundo prevê 'momentos terríveis' para o Brasil no Mundial de handebol

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.