Gunther Schweitzer, que 'denuncia' corrupção na Fifa desde Copa de 98, brinca: 'Eu avisei'

Diego Garcia, do ESPN.com.br
Arquivo Pessoal
Gunther Schweitzer: ele não é autor dos e-mails atribuídos a ele, mas brincou: 'Eu avisei'
Gunther Schweitzer: ele não é autor dos e-mails atribuídos a ele, mas brincou: 'Eu avisei'

"Copa 1998 - Divulgado o escândalo que todo mundo suspeitava! Talvez, isso explique a razão de o jogador Leonardo ter declarado a seguinte frase: ‘Se as pessoas soubessem o que aconteceu na Copa do Mundo, ficariam enojadas. (...) O Brasil vendeu a Copa do Mundo para a Fifa! (...)'".

Você certamente já deve ter lido essas palavras em algum momento da sua vida, seja por e-mail, mensagem de celular ou redes sociais. Talvez a versão que você viu tinha como diferença a competição citada ou os personagens envolvidos, mas uma coisa era certa: o "autor" e "denunciante' do e-mail era sempre o mesmo, o "jornalista" Gunther Schweitzer.

RELEMBRE: QUEM É O VERDADEIRO GUNTHER SCHWEITZER?

Pois o tal do Gunther, que no ano passado apareceu em reportagem do ESPN.com.br, acompanhou de perto o escândalo de corrupção que estourou na Fifa nesta quarta-feira, com prisões de diversos cartolas - entre eles o brasileiro José Maria Marin -, apos investigações do FBI. E brincou com tudo isso: "Seria irônico dizer que eu avisei (risos)".

Antes de divulgar sua opinião completa, contudo, vale estabelecer uma pausa para esclarecer: quem é o verdadeiro Gunther Schweitzer? Afinal, é sempre válido fazer uma ressalva àqueles que ainda teimam em compartilhar os textos creditados ao "jornalista" - que, diga-se de passagem, sequer profissional de imprensa ele foi algum dia.

Arquivo Pessoal
Gunther Schweitzer: ele não é autor dos e-mails
Gunther Schweitzer não é autor dos e-mails

Pois o verdadeiro Gunther Schweitzer nunca denunciou coisa alguma sobre qualquer Copa do Mundo e, pasmem, sequer gosta de futebol. Ele tem 43 anos, mora em Mogi das Cruzes e trabalha como personal trainer. E só é lembrado até hoje como o autor das "denúncias" por uma confusão na hora de reenviar uma corrente recebida após a Copa de 1998 com o famoso texto, que acabou ficando com sua assinatura de e-mail. Aí, alguém lhe pregou uma peça, escreveu que Gunther era diretor de jornalismo da Globo e deu início a uma confusão que já dura 17 anos.

Dito isso, portanto, por curiosidade, qual seria a opinião do "famoso jornalista" Gunther Schweitzer sobre o escândalo na Fifa, depois de quase duas décadas sendo responsabilizado como o autor de inúmeras denúncias sobre vendas de Copa do Mundo envolvendo a Fifa?

Com a palavra, o próprio Gunther Schweitzer.

"Acompanhei a noticia com um certo receio e me lembrei do email que repassei há anos atrás, com certa imprudência. Claro que pode ser coincidência, dados, nomes, valores, mas todos sabemos que onde há montantes financeiros advindos de inúmeras fontes, como presenciamos a nossa atual situação, cenário político, numa instituição como a FIFA, onde a mesma não presta contas a ninguém. Fica a dúvida, de onde vem esse dinheiro todo?", afirmou o profissional de educação física, em conversa com a reportagem nesta quarta.

"E com valores astronômicos com certeza a ganância do ser humano acaba falando mais alto, e aí se dá a velha corrupção. A minha opinião se parece com a do Diego Maradona, onde ele mesmo diz que era só questão de tempo para se descobrir as falcatruas. Em todas as áreas, setores e ramos da nossa sociedade o 'querer se dar bem' de algum jeito está ali nas entrelinhas. Basta querermos aniquilarmos da maneira mais correta com boa e velha educação", continuou o personal trainer.

E não é que, no fim das contas, Gunther Schweitzer acabou, mesmo sem querer, "profetizando" o que ia acontecer?

"Acabei dando boas risadas relembrando o famigerado e-mail. E saber que ele poderia estar certo em partes mesmo sem querer... Ou não? Fica a dúvida. Seria bem irônico dizer que eu avisei (risos)", decretou o "jornalista denunciante" mais famoso da história da internet brasileira.

ESPN.com.br
Veja o fluxograma do crime no futebol segundo FBI
Veja o fluxograma do crime no futebol segundo o FBI

Entenda o caso

A dois dias da eleição para a presidência, um terremoto sacode a Fifa. Na madrugada desta quarta-feira, horário brasileiro, uma operação especial das autoridades suíças, sob liderança do FBI, prendeu sete executivos importantes da entidade sob a acusação de corrupção, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF. O grupo dos detidos será extraditado para os Estados Unidos a fim de uma maior investigação sobre o assunto na federação mais importante do futebol mundial.

Segundo nota oficial do Departamento de Justiça norte-americano, 14 réus são acusados de extorsão, fraude e conspiração para lavagem de dinheiro, entre outros delitos, em um "esquema de 24 anos para enriquecer através da corrupção no futebol". Sete deles foram presos na Suíça. Além de Marin, Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo e Rafael Esquivel. Um mandado de busca também será executado na sede da Concacaf, em Miami, nos EUA.

O brasileiro J.Hawilla, dono da Traffic, conhecida empresa de marketing esportivo, é um dos réus que se declararam culpados, assim como duas empresas de seu grupo, a Traffic Sports International Inc. and Traffic Sports USA Inc. Em dezembro de 2014, segundo a justiça dos EUA, ele concordou em pagar mais de 151 milhões de dólares, sendo que US$ 25 mi foram pagos na ocasião. As acusações são de extorsão, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução de justiça.

Além de Hawilla, também se declararam culpados o norte-americano Charles Blazer, ex-secretário-geral da Concacaf e ex-representante dos EUA no Comitê Executivo da Fifa; Daryan e Daryll Warner, filhos do ex-presidente da Fifa Jack Warner.

Veja quem são os 14 acusados:

ESPN.com.br
Comentários

Gunther Schweitzer, que 'denuncia' corrupção na Fifa desde Copa de 98, brinca: 'Eu avisei'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.