Astro do cinema e da bola e amigo de Van Persie, meia explica o 'vai procurar no Google': 'repórter foi debochado'

Francisco De Laurentiis, do ESPN.com.br, e Vladimir Bianchini, da Rádio ESPN
Martin Rose/Bongarts/Getty Images
Leonardo Santiago Feyenoord Borussia Dortmund Final Copa da Uefa 08/05/2002
Leonardo (dir) em ação pelo Feyenoord na final da Copa da Uefa 2001/02, contra o Dortmund

Imagine que você está jogando na escolinha de futebol e chega um homem se apresentando como um diretor de cinema europeu, dizendo que quer fazer um filme sobre sua vida. Num piscar de olhos, você deixa a vida na favela e está jogando com craques como Robin van Persie e sendo apresentado para 45 mil pessoas em um estádio lotado na Holanda, tudo isso aos 17 anos de idade.

Parece impossível, não é?

Mas aconteceu com Leonardo Vítor Santiago, carioca de 31 anos. Encontrado ao acaso pelo documentarista Jos de Putter enquanto batia bola na escolinha do Nova Safra, no Rio de Janeiro, ele foi o personagem central do premiado filme Solo, de wet van de favela ("Solo, a lei da favela"), gravado durante a Copa do Mundo de 1994.

O documentário foi um sucesso e ganhou prêmios na Holanda, e acabou chamando a atenção do tradicional Feyenoord, que o levou para a Europa ainda criança, aos 11 anos, mas já com status de estrela. Ele ficou treinando na base da equipe de Roterdã até os 17 anos, quando foi integrado ao elenco profissional e apresentado no lotado estádio De Kuip.

"Quando fui apresentado, eu era considerado um dos maiores talentos da base do clube. Tinha 45 mil pessoas no estádio pra me ver, até arrepiei quando vi tanta gente gritando meu nome. No documentário, tem essas imagens logo no começo, e me emociono até hoje de ver", contou Leonardo, em entrevista à Rádio ESPN.

Na base do Feyenoord, virou amigo de Van Persie e cansou de jogar contra Wesley Sneijder e Ryan Babel, joias do Ajax, e Klaas-Jan Huntelaar, do PSV, todos com passagens por grandes times e pela seleção da Holanda na sequência da carreira.

"Na base, quando eu cheguei, quem mandava era o Ajax. Depois, a gente começou a dominar e fomos campeões de todas as categorias. Aos 16, fui para o time B em Roterdã e rapidinho subi para o profissional. Com 17 anos, fiz minha estreia na equipe principal", recordou.

O primeiro jogo de Leonardo foi em 19 de agosto de 2000, uma vitória por 2 a 0 sobre o AZ Alkmaar. "Joguei de ponta esquerda e fui bem. Falavam que eu parecia o Rivellino, rápido e arisco. Eu era um ponta esquerda de estilo bem agressivo", recorda.

Reprodução/Instagram
Leonardo Santiago Aeropoto Feyenoord 1995
Leonardo (dir) foi em 1995 para a Holanda

Já o primeiro gol saiu contra o Heerenveen, em outro triunfo por 2 a 0. Seu tento seguinte está na memória do carioca até hoje, já que acabou com um longo jejum contra o grande rival Ajax.

"A primeira vez que fui para o clássico no profissional eu fiquei no banco. Fiquei puto, porque era moleque e queria jogar (risos). Entrei no segundo tempo e acabei com o jogo, vencemos por 4 a 2, fiz um gol e dei um passe. Depois de 10 anos vencemos o maior time da Holanda dentro do estádio deles. Foi inesquecível", narrou.

No Feyenoord, Santiago teve como grande conquista a Copa da Uefa de 2001/02, em cima do Borussia Dortmund. Ele atuou no segundo tempo da partida, vencida por 3 a 2 pelos holandeses, entrando no lugar justamente de Robin van Persie.

Depois de cinco anos em Roterdã, foi para o NAC Breda, também da Holanda, e acabou contratado pelo antigo rival Ajax em 2007. Em Amsterdã, ganhou mais uma Copa da Holanda e, segundo relata o brasileiro, chegou até a ser sondado para jogar pela seleção holandesa, mas duas lesões graves fizeram o interesse esfriar.

Leonardo deixou o Ajax em 2009, de volta para o NAC. Ainda jogou por Red Bull Salzburg (Áustria), Ferencváros (Hungria) e 1860 Munich (Alemanha) até se cansar do futebol europeu e resolver voltar ao Brasil depois de 20 anos.

Veja um trecho do documentário sobre Leonardo:

Procura no Google

"Depois de tanto tempo fora, resolvi que era hora de retornar ao Brasil. Infelizmente, deu tudo errado até agora", lamenta. A volta do ex-Feyenoord ao Brasil foi conturbada. Primeiro, chegou até a ser anunciado pelo Red Bull Brasil, mas acabou não acertando.

A segunda confusão aconteceu no Metropolitano, de Santa Catarina. Segundo conta o carioca, ele estava treinando no clube a pedido de um amigo, simplesmente para aprimorar a forma física enquanto aguardava propostas de equipes brasileiras. O jogador teria sido equivocadamente anunciado como reforço do clube e, ao ser questionado sobre sua trajetória no futebol por um repórter da RIC TV, afiliada da TV Record na região, disse ao jornalista que era melhor ele "procurar no Google", já que se tratava de um currículo vitorioso, facilmente encontrado em uma busca na internet.

ED OUDENAARDEN/AFP/GETTY IMAGES
Leonardo Santiago Ajax AZ Alkmaar Campeonato Holandes 13/01/2008
Leonardo também jogou pelo Ajax

Segundo Leonardo, o repórter agiu de "maneira debochada", o que o fez responder com ironia.

"Se perguntarem a história da minha vida de maneira normal, eu respondo numa boa, mas, se me tratarem como se um fosse um ninguém, eu fico irritado. Estou há 20 anos fora, meu português não é tão bom, mas não gostei do jeito como me questionaram, agiram de má fé comigo. Pelo currículo que eu tenho, não merecia ser tratado desse jeito", afirma.

A versão da equipe catarinense é de que havia interesse na contratação do meia-atacante e que ele estava até treinando com o restante do elenco, mas, ao ver o tempo que ele levaria para entrar em forma, o clube de Blumenau desistiu de fechar.

"Com todo o respeito ao Metropolitano, mas jogar lá não é meu nível. Falei pra eles que, se fosse pra jogar em um time desse nível, era melhor jogar no Bonsucesso, que é do lado da minha casa", desdenhou.

Nos próximos dias, Leonardo irá viajar à Holanda para resolver o que ficou faltando de sua mudança para o Brasil. Enquanto isso, segue aguardando propostas de interessados.

Segundo filme

Exatos 20 anos depois de lançar Solo, de wet van de favela, o diretor Jos de Putter gravou um segundo filme sobre Leonardo Santiago: Solo, out of a dream ("Solo, saído de um sonho").

As filmagens ocorreram durante a última Copa do Mundo, contando o que aconteceu na vida do carioca e de amigos que apareceram no primeiro documentário, fazendo uma ponta histórica entre os Mundiais dos Estados Unidos e do Brasil. Além disso, um livro sobre a vida do atacante brasileiro também foi lançado.

"O filme já saiu na Holanda, mas será lançado em abril no Brasil, durante um festival. Vários amigos que estavam no primeiro filme até já morreram, porque entraram para o tráfico. Outros estão trabalhando em empregos normais, cada um tocou sua vida de um jeito. É legal porque mostra a transformação na vida de todo mundo", explicou.

Leonardo e Jos de Putter seguem muito amigos até hoje. No entanto, o cineasta não se considera responsável por ter transformado a vida do brasileiro, que saiu da favela e da vida miserável no Rio de Janeiro para o estrelato no futebol europeu. 

"Não faço filmes para mudar o mundo. Só faço filmes para contar histórias", disse o holandês, no evento de lançamento de Solo, out of a dream.

No entanto, em uma de suas falas no documentário, Leonardo pensa bem diferente.

"Com certeza, posso dizer que esse filme salvou a minha vida".

Confira o trailer do segundo filme sobre Leonardo:

Comentários

Astro do cinema e da bola e amigo de Van Persie, meia explica o 'vai procurar no Google': 'repórter foi debochado'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.