Com esse ex-Corinthians no elenco, seu time só não vai pra Série A se saci cruzar as pernas

Francisco De Laurentiis, do ESPN.com.br, e Vladimir Bianchini, da Rádio ESPN
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Wellington Saci Treino Corinthians 17/03/2009
Wellington Saci passou pelo Corinthians, mas hoje está no Joinville

Dizia o sambista Bezerra da Silva: "Para tirar meu Brasil dessa baderna, só quando o morcego doar sangue e o saci cruzar as pernas". Para o lateral esquerdo Wellington Aleixo dos Santos, porém, essa música poderia ser um pouquinho diferente.

Mais conhecido como Wellington Saci, o ala virou o "rei do acesso" no futebol brasileiro. Ao todo, ele tem cinco subidas da Série B para a Série A na carreira. Só nos últimos quatro anos, ajudou quatro equipes diferentes a chegarem à elite: Sport, em 2011, Atlético-PR, em 2012, Figueirense, em 2013, e Joinville, em 2014 - além disso, subiu com o Corinthians, em 2008.

Ou seja, com Wellington no elenco, seu time só não sobe para a primeira divisão se saci cruzar as pernas.

"Já tenho boa experiência, conheço todos os atalhos do acesso. Graças a Deus, consegui mais um agora, com o Joinville, além do título da Série B. Sempre almejo coisas boas na vida e na carreira, e estou conseguindo", festejou o atleta, em entrevista à Rádio ESPN.

De contrato renovado, ele agora só pensa em disputar a elite com o JEC no ano que vem, ao lado dos rivais Chapecoense, Figueirense e Avaí.

"Já tive oportunidade de disputar a Série A com Corinthians, Atlético-MG e Goiás. Depois, joguei várias vezes a Série B na sequência, sempre conquistando os acessos. Mas agora quero algo diferente. Só penso em fazer uma boa Série A com o Joinville no ano que vem", afirmou o atleta, que também atuou pelo Vitória.

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Wellington Saci Corinthians Vasco Campeonato Brasileiro 03/06/2009
Saci em ação pelo Corinthians, em 2009

Além das grandes equipes pelas quais já passou, Saci também jogou em clubes do futebol paraense. Desses tempos, guarda ótimas (e inacreditáveis) histórias.

Já trabalhou de frentista e zoou Ronaldo 'Fenômeno'

Nascido em Belém, capital do Pará, Wellington ganhou o apelido de Saci ainda na escolinha de futebol, já que era canhoro e tinha dificuldade em chutar, cruzar e passar usando a perna direita. Começou a carreira no pequeno Vênus, mas por muito pouco não seguiu em outra profissão antes de virar boleiro.

"Em 2006, eu larguei o futebol, porque conheci um rapaz que era gerente de uma rede de postos de gasolina em Belém. Ele tinha um time de pelada no qual eu jogava, e conseguia emprego pra todo mundo. Conversei com a minha esposa e ersolvi aceitar o cargo de frentista. Trabalhei uns três, quatro meses, mas aí um colega me chamou pra disputar a Segundona do Pará pelo Vênus. Daí pra frente, foi só coisa boa!", lembrou.

De fato. Após subir para a elite do Paraense com o time de Abaetetuba, foi contratado pelo Remo. De lá, foi para o Itumbiara, clube no qual chamou a atenção do Corinthians. Foi contratado em 2008, e fez parte da campanha do título da Série B, conquistando seu primeiro acesso na carreira.

No ano seguinte, ainda faturou o Campeonato Paulista em cima do Santos. Ele se lembra bem de um episódio com Ronaldo "Fenômeno" pouco antes da decisão do torneio.

"Fomos jogar a final na Vila, e era a primeira decisão do Ronaldo com a camisa do Corinthians. Começamos a brincar com ele: 'E aí, tá nervoso, tá com frio na barriga?'. Ele virou pra nós na maior calma e falou: 'Tô tranquilo. Só quero que comece logo essa pelada porque mais tarde tem jantar da minha esposa'. Aí foi lá, meteu dois gols e acabou com o jogo (risos)! O cara jogou final de Copa do Mundo e a gente achando que ele fosse ficar nervoso com final de Paulistão!", brincou.

Causos e mais causos

Wellington Saci ainda conta outras histórias difíceis de acreditar, mas que ele garante serem verdadeiras. Em um dos causos, diz que viu a cabeça de Fábio Baiano, meio-campista que passou por Flamengo e Corinthians, pegando fogo durante um jogo do Campeonato Paraense.

"Era um Vênus x Paysandu, estreia do Fábio Baiano pelo 'Papão'. Marcaram o jogo pra um domingo, 10h da manhã. Meu Deus do céu, você não imagina o sol que estava... A gente do Pará já era acostumado, mas ele não. Deu umas 11h, no meio do segundo tempo, e a careca dele estava pegando fogo, saía até fumaça, tava vermelha (risos). O cara começou a passar mal e pediu pra sair", recorda o lateral.

Divulgação
Wellington Saci durante sua apresentação no Joinville
Wellington Saci hoje está no Joinville

"Ganhamos de 2 a 1 e eu fiz o gol da vitória", completa Saci.

Outro causo aconteceu quando o ala estava jogando pelo Figueirense, em 2013. Antes de um jogo da Série B, relata que, como num passe de mágica, um dos atletas da equipe alvinegra simplesmente sumiu do vestiário e não entrou em campo.

"Era um atleta da base que tinha acabado de subir para o profissional, e estava brigando com a diretoria para renovar. Foi escalado pra um jogo importante contra o Paraná no Orlando Scarpelli, e ia ser titular. Treinamos normalmente, e ele foi pra concentração na sexta. Quando chegou o sábado, era aquele alvoroço no vestiário, anda pra lá, anda pra cá, e aí antes de entrar em campo... Cadê o cara (risos)?", gargalhou.

Os atletas ficaram sem entender nada. Tentaram ligar no celular do jogador, que não atendeu. O jeito foi colocar um reserva para começar como titular.

"A gente conta e o pessoal não acredita, acham que é 'balela', mas o cara sumiu, mesmo, é verdade! Entrou outro jogador no lugar e ganhamos de 1 a 0. Depois, o rapaz até apareceu, pediu desculpas à diretoria, ao técnico e ao elenco, e foi reintegrado. Está até hoje jogando a Série A no Figueirense", contou Saci, sem revelar nomes. Com tantas pistas, porém, não é difícil adivinhar...

Comentários

Com esse ex-Corinthians no elenco, seu time só não vai pra Série A se saci cruzar as pernas

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.