Marin some, Blatter se irrita com pergunta sobre corrupção e ministro ironiza críticas

Pedro Henrique Torre, do Rio de Janeiro (RJ), para o ESPN.com.br
Getty
Blatter se irritou com pergunta sobre corrupção no auditório do Maracanã
Blatter se irritou com pergunta sobre corrupção no auditório do Maracanã

A última coletiva da Fifa sobre a Copa do Mundo no Brasil foi marcada por ironias, irritação e ausência. Um dos confirmados no evento, o presidente da CBF e do Comitê Organizador Local (COL), José Maria Marin, não compareceu ao auditório do Maracanã. A justificativa é de que Marin já tinha um compromisso marcado anteriormente na agenda para São Paulo.

Longe das perguntas sobre o fracasso da seleção brasileira e de Luiz Felipe Scolari, Marin deixou a batata quente nas mãos de Blatter e Aldo Rebelo. O presidente da Fifa demonstrava sorriso, tentava ser amável e até deu nota 9,25 para a Copa do Mundo realizada no Brasil. Mas bastou uma pergunta com a palavra "Corrupção" sobre o escândalo da venda de ingressos da Match, empresa parceira da Fifa que tem seu CEO, Ray Whelan, foragido, para o presidente ficasse transtornado com a repórter Gabriela Moreira, da ESPN Brasil.

"Minha senhora, quando fala de corrupção deve apresentar as evidências. Quando diz que algo estava errado com ingressos então está certo. Mas não aceito que fale de corrupção. Corrupção onde? Em termos de ingressos eu posso fornecer a resposta. O senhor Jérôme Valcke pode fornecer as respostas", disse Blatter.

Ao seu lado, o secretário-geral da Fifa desandou a fazer um discurso padrão, de que nenhum ingresso foi vendido acima do valor estipulado na plataforma do site da Fifa. Valcke indicou que os três milhões de ingressos cedidos a parceiros eram o problema e um desafio para a Fifa.

Antes, Blatter fora indagado sobre qual nota daria ao Brasil. Ele se ajeitou na cadeira, sorriu e disse a perfeição era impossível.

"Eu daria 9,25. Nós melhoramos e vocês melhoraram também desde a África do Sul. Perfeição não existe. Tudo está sendo visto. Para ter um dez na universidade você tem de ter feito tudo perfeito", argumentou o presidente da entidade.

Valcke exime FIFA de culpa no escândalo da venda ilegal de ingressos: 'Estamos 1000% contra esse negócio'

Ao iniciar o seu discurso, o ministro dos esportes, Aldo Rebelo, elogiou a realização da Copa do Mundo no Brasil, ressaltou as dificuldades encontradas, mas saiu pela tangente ao ser questionado sobre o porquê de um clima tão ameno entre as partes após sete anos de trocas de farpas e frases de Jeróme Valcke como 'chute no traseiro'. Por fim, o ministro foi irônico com os críticos.

"As cobras se recolheram durante a Copa e nenhum cachorro louco alcançou um turista. Todos devem ter se recolhido durante o evento", disse, com um sorriso no rosto.

Ao fim, um integrante do comitê organizador da Copa de 2018, na Rússia, foi chamado ao palco para a exibição de um vídeo. E a Copa do Brasil, enfim, foi encerrada.

Comentários

Marin some, Blatter se irrita com pergunta sobre corrupção e ministro ironiza críticas

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.