'Se manifestações tiverem Fifa como alvo, será um erro', diz Valcke

ESPN.com.br
REUTERS/Sergio Moraes
Jerome Valcke Coletiva Fifa Rio de Janeiro 25/04/2014
Jerome Valcke já teve muitas dores de cabeça com a organização da Copa do Mundo no Brasil

O secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, voltou a defender o "legado da Copa do Mundo" para o Brasil e se posicionou contra manifestações populares que criticam o torneio. Segundo o francês, o pedido para ser sede do Mundial foi feito pelo país, e não pela entidade máxima do futebol, e os manifestantes se equivocam em culpar a Fifa pelos problemas na nação.

"Quando um país se candidata a sediar uma Copa, isso não vai contra seu próprio interesse. É pelo interesse do país. A Copa é uma maneira de acelerar uma série de investimentos em um país. É fácil criticar a Fifa e usar a Copa das Confederações ou a Copa do Mundo para organizar manifestações. Mas se o alvo é a Fifa porque ela é a causa do que está acontecendo no país, ele está errado", disse Valcke, ao site oficial da entidade.

LEIA MAIS
Para Valcke, torcedores vão sofrer no Brasil: 'Não pensem que é a Alemanha'
Blatter prevê Copa sem protestos: 'Todos se unirão para celebrar a festa do futebol'
'Se não procurar droga, turista pode ficar tranquilo', diz Andrés sobre a Copa
Após morte de operário, obras na Arena Pantanal são parcialmente interditadas
Dilma visita Arena da Baixada ainda em obras para o Mundial
Blatter confirma nova candidatura à presidência da Fifa: 'Minha missão não terminou'

"Se um país se candidata à Copa do Mundo, é com a ideia de se desenvolver; a ideia não é destruí-lo", completou o dirigente, há um mês do início da competição.

Na entrevista, o francês também falou sobre os preparativos finais para o torneio, como a finalização dos estádios de São Paulo, Curitiba e Cuiabá, comemorou a venda recorde de ingressos para a competição e também deu seus pitacos sobre segurança, samba e Carnaval.

Confira a entrevista de Jerome Valcke ao site da Fifa:

Falta um mês para a Copa do Mundo. Qual é a situação?
Valcke: Estamos a poucos dias do prazo de entrega dos estádios à FIFA. Entraremos no período de uso exclusivo dos estádios a partir do próximo dia 21 de maio para o primeiro deles, o de São Paulo. Ainda temos trabalho a fazer fora do estádio e nas redondezas. É importante trabalhar com as cidades e os Estados, porque são eles os responsáveis por essas áreas. Faremos nossa lição de casa, instalando todos os sistemas nos estádios. Isso também é uma parte importante da estrutura de uma Copa do Mundo. Quando você sente que a competição está chegando, vem o entusiasmo. Enquanto isso, é importante testar tudo para ter certeza de que funciona. Teremos jogos muito importantes no Brasil. Primeiro, o jogo de abertura entre Brasil e Croácia. No dia seguinte, Espanha x Holanda, que foi a final de 2010, e no outro dia Inglaterra x Itália, com seleções de alto nível. Teremos jogos em que 100% do estádio será usado, com um alto nível de hospitalidade e interesse midiático, e, portanto, não podemos falhar nesses cinco primeiros dias. Existe a pressão para garantir que tudo esteja perfeitamente pronto.

A venda de ingressos foi um grande sucesso. Ainda existem ingressos disponíveis para os torcedores que quiserem assistir a um jogo?
Valcke: Para os torcedores, ainda existem uns poucos, porque há a última fase de vendas. Sempre dá para tentar encontrar um ingresso, mas é bem limitado, a demanda é incrível. Não acho que já tenhamos tido tantas solicitações de ingressos. Para a partida de abertura em São Paulo, os responsáveis pela hospitalidade estão anunciando 14 mil convidados. O grau de interesse do mundo e do Brasil é enorme. O Brasil adora a Copa do Mundo. A maioria dos ingressos foi vendida a brasileiros, porque eles adoram futebol.

Torcedores de todo o mundo estão se preparando para viajar para o Brasil nas próximas semanas. O que pode dizer a eles? O que eles podem esperar durante o torneio?
Valcke: Eles podem esperar um grande torneio. É nisso que estamos trabalhando. E eles podem esperar encontrar o Brasil, um país incrível. Um país que tem música, samba e uma série de coisas que o tornam único no mundo. Meu conselho é que os torcedores preparem sua viagem, que evitem tomar decisões de última hora. As seleções estarão por todo o país e existe uma grande diferença entre o Brasil e a África do Sul: o país é grande. Organize sua viagem e se certifique de que você já decidiu aonde irá.

A segurança é uma grande preocupação para os visitantes que vão ao Brasil. O que pode dizer aos torcedores que estão preocupados?
Valcke: A segurança é um problema em todas as partes do mundo. Também depende da maneira como você se comporta. Curta o Brasil do jeito que o Brasil é. Se, em alguma cidade, disserem que você não deve andar por certos lugares, é o que você deveria fazer. Existem áreas e partes da cidade às quais você não irá. Não é só no Brasil, em todo o mundo é assim.

O que a Fifa, em cooperação com o governo, está fazendo para garantir a segurança nos estádios?
Valcke: A segurança dentro e nos arredores do estádio não é um problema. Está tudo organizado neste sentido, e o mesmo vale para as Fan Fests. É a hora de se divertir. A segurança em geral é boa, o Brasil organiza com frequência grandes eventos como o Carnaval e diversos eventos internacionais. Se você visita um país, deve sempre respeitá-lo.

Mudando para um assunto para esportivo, as seleções vêm anunciando seus convocados recentemente. A qual seleção você não vê a hora de assistir?
Valcke: Como secretário-geral da FIFA, nenhuma. Viajarei por todo o país e irei a cada estádio com uma perspectiva principalmente técnica, e não para torcer por nenhuma equipe. Acho que será uma Copa do Mundo muito aberta. Existem seleções muito boas e vai ser muito difícil prever quem jogará a final. É claro que se espera que o Brasil jogue a final e até mesmo ganhe a Copa do Mundo de 2014. Mas também tem várias outras boas equipes: Alemanha, Argentina, Portugal... E também a França, que sempre pode jogar bem. Espero que ela vá melhor do que na África do Sul. Os sul-americanos são fortes, assim como os europeus. Todos são fortes.

Algumas pessoas no Brasil dizem que a Copa do Mundo está custando demais para o país. O que pode responder a elas em relação ao legado do torneio?
Valcke: Não se pode falar no legado durante a Copa do Mundo ou logo depois dela. São precisos alguns anos para ver qual é o legado, e existem tipos diferentes. O primeiro deles é a infraestrutura para o futebol. O país terá estádios e campos de treino de um nível fantástico. Terá instalações melhores que as de antes para praticar o futebol. Os estádios que foram usados na Copa das Confederações podiam receber mais torcedores porque a estrutura é melhor e havia um nível mais alto de futebol.

A seguir, vêm as cidades. Essas cidades terão mudado desde que receberam o direito de organizar a Copa do Mundo ao momento em que os jogos forem disputados. Haverá outro nível de mobilidade urbana, hospedagem e malha viária. Na África do Sul, as vidas dos moradores de algumas cidades mudaram porque elas investiram muito dinheiro para mudar suas estruturas.

Quando dizem que temos que dar alguma para a Copa do Mundo que possa ser usado para outros projetos, isso está errado. Quando um país se candidata a sediar uma Copa do Mundo, isso não vai contra seu próprio interesse. É pelo interesse do país. A Copa do Mundo é uma maneira de acelerar uma série de investimentos em um país. É fácil criticar a Fifa, é fácil usar a Copa das Confederações ou a Copa do Mundo para organizar manifestações. Mas se o alvo é a Fifaporque ela é a causa do que está acontecendo no país, ele está errado. Se um país se candidata à Copa do Mundo, é com a ideia de se desenvolver; a ideia não é destruí-lo.

Comentários

'Se manifestações tiverem Fifa como alvo, será um erro', diz Valcke

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.