Em pacto, Justiça Comum vai custar cotas de TV a clubes

Marcus Alves, do ESPN.com.br
Gazeta Press
A medida foi proposta nesta quinta-feira, durante encontro na CBF
A medida foi proposta nesta quinta-feira, durante encontro na CBF

Um pacto foi proposto nesta quinta-feira, durante o conselho técnico da CBF, na sede da entidade, para que nenhum clube se beneficie de decisões conseguidas por torcedores na Justiça Comum. Mesmo ainda não tendo sido assinado, a pena em caso de descumprimento do acordo foi fechada entre os dirigentes no próprio encontro e irá afetar fortemente o bolso de cada um de seus times: eles não terão direito a cota de TV se recorrerem a esse caminho.

LEIA MAIS
Para evitar tapetão, CBF forma comissão e aprova mudança em regulamento do Brasileiro
Clubes firmam pacto para não se beneficiar de decisões na Justiça Comum
Portuguesa envia representante para participar de arbitral da CBF
Presidente do Fla nega pacto dos clubes e cobra mudanças para entrar em acordo

A informação foi confirmada ao ESPN.com.br pelo diretor jurídico da entidade, Carlos Eugênio Lopes.

O termo de compromisso ainda não foi fechado por nenhuma das equipes, mas a expectativa é de que todas elas o façam até o início do Brasileiro, previsto para 20 de abril.

Na discussão que travaram na reunião, os representantes dos clubes concluíram que, somente atingindo a principal fonte de receita de praticamente todos eles, será possível desencorajá-los a partirem para a Justiça Comum e repetirem o que aconteceu no fim do ano passado, com a briga entre Fluminense, Portuguesa e Flamengo contra o rebaixamento.

Outras punições ainda estão sendo estudadas pelos times.

"O que se falou foi que tem que haver punição (para quem não descumprir o que for acordado) e a melhor alternativa é a grana. Acredito que é uma ideia boa. Uma pena pecuniária também foi sugerida", afirma o vice-presidente do Inter, Marcelo Medeiros, à reportagem.

O movimento tem o apoio de outros cartolas como Sandro Pallaoro, da Chapecoense.

"Realmente, essa medida pode ser aplicada, mas ainda não foi assinada. Estamos estudando a possibilidade. O Flamengo e a Portuguesa estão errados. Não têm do que reclamar. Você tem que acompanhar o jogador. Se o julgamento é na sexta, na própria sexta ou no sábado você já tem que saber o resultado. Trata-se de uma falha grosseira e que não pode ser revertida assim", diz.

Marcelo Campos Pinto, diretor executivo da Globo Esportes, detentora dos direitos de transmissão do campeonato, esteve presente no arbitral desta quinta-feira.

Ele acenou com a possibilidade de um aumento no repasse das cotas para alguns clubes. A princípio, o acréscimo não passaria de R$ 2 milhões. Uma definição deverá sair entre março e abril.

Pelo pacto selado, os times que participarem das competições assumirão o compromisso de não tirarem proveito mais de qualquer eventual medida concedida pelo Poder Judiciário.

Clubes fazem pacto para não aceitarem mais ações na Justiça Comum; CBF cassa liminares da Portuguesa
Comentários

Em pacto, Justiça Comum vai custar cotas de TV a clubes

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.