'Andarilho' e 'sortudo', goleador da Série B não teme o Palmeiras

Jean Pereira Santos, do ESPN.com.br
Gazeta Press
Artilheiro isolado da Série B, Bruno Rangel tem 31 anos e, na Chapecoense, já acumula seu 13o clube na carreira
Artilheiro isolado da Série B, Bruno Rangel tem 31 anos, e a Chapecoense já é seu 13o clube na carreira

Ele faz, em média, mais de um gol por jogo na Série B, já são 11 em dez partidas, das quais só não balançou as redes em três - contra São Caetano, ASA e Ceará. Bruno Rangel não é um nome conhecido do futebol brasileiro, mas passa longe de ser um novato, pelo contrário. Tem 31 anos e já rodou por tantos clubes que o apelido de andarilho lhe cai perfeitamente.

Um andarilho sem medo do gigante Palmeiras. "Medo, não. A gente respeita todo mundo igual, independentemente de jogar contra Palmeiras ou ABC [lanterna da segunda divisão]. O respeito é igual para todos porque no futebol as coisas mudam", disse o atacante em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br

LEIA MAIS
Valdivia dá assistência, faz golaço, e Palmeiras se distancia na liderança da Série B
Kleina chama Valdivia de 'mágico', mas ainda se preocupa com questão física
CBF libera, e lateral que espera julgamento por doping é liberado na Chapecoense
Na Ilha, Sport e Chapecoense duelam para retomar boa fase após derrotas

Até chegar à Chapecoense, em dezembro do ano passado, o carioca já havia defendido 12 times diferentes, passando por Rio de Janeiro, Pará, Rio Grande do Norte, interior de São Paulo e Santa Catarina. "É, andarilho cai bem mesmo", concordou.

Gazeta Press
Valdivia durante Palmeiras e Bragantino
Duelo com o Palmeiras, de Valdivia, será em 3 de setembro, em SP 

Para o jogador, os tradicionais Palmeiras e Sport são apostas certas para o acesso, o que não o faz temê-los nos duelos diretos, mesmo fora de casa.

"As coisas são resolvidas dentro de campo, e podemos surpreender o Sport na Ilha [do Retiro] e o Palmeiras lá [em São Paulo]" - contra os pernambucanos, o encontro será às 16h20 deste sábado, pela 12a rodada.

Experiente, Bruno Rangel não se empolga com a ótima campanha do clube de Chapecó neste quase um quarto de campeonato - sete vitórias, dois empates e apenas uma derrota [para o Ceará], resultando em 23 pontos ganhos dos 30 disputados e na segunda posição na tabela, cinco pontos atrás e com dois jogos a menos que o líder Palmeiras.

"Como diz a diretoria, o primeiro objetivo é se manter, é o primeiro ano do time na Série B, depois vamos buscar o acesso e o título. Não adianta dizer que vai ser campeão, temos futebol para isso, acreditamos nisso, claro, mas tem que manter os pés no chão. Duas vagas [para o acesso] vão sobrar, e vamos brigar por uma delas." 

Chegada adiada, sorte e sonho

Aguante Comunicação/Chapecoense
Bruno Rangel comemora após marcar contra o Paysandu
Rodrigo Gral pediu licença, e Bruno Rangel  aproveitou   

Bruno Rangel deveria ter chegado à Chapecoense três meses antes, em setembro de 2012, mas o negócio não deu certo porque ele já havia jogado pelas Séries B e D, logo, não poderia defender o time na reta final da C - a CBF não permite. O tempo de espera valeu a pena, principalmente pela sorte.

Com passagens por Grêmio, Flamengo, Sport e Bahia, entre outros, o experiente Rodrigo Gral é o atleta mais conhecido do clube catarinense e era o dono da posição de centroavante até o final do estadual, do qual acabou como vice-artilheiro com 11 gols, apenas um atrás do goleador máximo, Rafael Costa, do Metropolitano.

"Mesmo jogando pouco, ainda fiz três gols", disse Bruno Rangel sobre sua participação no Catarinense. O time comandado pelo técnico Gilmar Dal Pozzo, que fez estágios com Tite, ganhou o primeiro turno e acabou superado pelo Criciúma, ganhador do segundo, na decisão.   

Às vésperas do início da Série B, Rodrigo Gral, de 37 anos, pediu uma licença ao clube de cerca de dez dias para resolver problemas particulares. Foi fatal. Seu substituto imediato aproveitou a sorte, fez três gols nos dois primeiros confrontos e virou o novo titular. "Atacante vive de gol, e quando está fazendo fica meio complicado tirar."

Depois de Goytacaz, Americano, Angra dos Reis, Macaé, Ananindeua, Bonsucesso, Baraúnas, Aguia de Marabá, Paysandu, Guarani, Joinville e, agora, a Chapecoense, Bruno Rangel ainda sonha em defender um clube de ponta, da elite, e sabe que o caminho pode ficar mais fácil se conseguir o acesso com o time de Chapecó. 

"Estamos trabalhando para isso. Penso sim em jogar em um time grande, e estou mostrando que tenho condições, espero que possa aparecer uma proposta boa, e a gente subindo, fazendo uma boa campanha, com certeza muito clube grande vai querer vir buscar gente aqui, não só eu."

Assista aos melhores momentos de Palmeiras 2 x 1 Bragantino
Comentários

'Andarilho' e 'sortudo', goleador da Série B não teme o Palmeiras

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.