Da queda de um teleférico aos Titans: a trajetória do kicker que pode ser o 1º brasileiro na NFL

Thiago Cara, do ESPN.com.br
Getty
Maikon Bonani pode se tornar primeiro brasileiro na NFL
Maikon Bonani pode se tornar primeiro brasileiro na NFL

Maikon Bonani fez história no último sábado como o primeiro brasileiro a assinar contrato com uma equipe da NFL. No entanto, até acertar com o Tennessee Titans, o kicker precisou superar muito mais do que as traves do futebol-americano. Em menos de quatro anos, o atleta saiu de um acidente que quase o matou para viver o sonho de jogar na principal liga da modalidade.

Nascido em Matão, cidade do interior de São Paulo, em 29 de janeiro de 1989, Bonani se mudou para os Estados Unidos com apenas 11 anos, quando seu pai foi transferido para a cidade de Lake Wales, na Flórida. Ainda no colégio, o brasileiro ganhou destaque na equipe de futebol - o “soccer” mesmo – até que um golpe de sorte mudou completamente sua trajetória.

"Cresci jogando o nosso futebol (brasileiro), mas meu treinador de futebol-americano pediu para eu chutar uma bola, porque eu tinha uma perna forte. Acertei meu primeiro chute e pensei: 'Isso não parece tão difícil’. Depois de um tempo, ganhei a oportunidade de jogar na faculdade", contou Bonani, em entrevista ao comentarista dos canais ESPN, Paulo Antunes, em 2011.

A faculdade a que o atleta se referia era a do Sul da Flórida (USF), onde Bonani escolheu estudar e ganhou a primeira oportunidade na principal liga universitária estadunidense, em 2008. Em sua temporada de estreia, não teve a mesma facilidade que encontrou para ‘adotar’ o novo esporte e errou seu primeiro chute na faculdade. Porém, no fim, seria recompensado.

O brasileiro estreou acertando 15 de suas 21 tentativas de chutes nos 11 jogos que atuou na temporada, o que lhe rendeu aproveitamento de 71,4%. Entre os acertos, três foram Field Goals de distância superior a 40 jardas (oito tentativas no total em tiros desse tipo), o primeiro deles, em sua estreia como titular, garantiu a vitória sobre a Universidade de Kansas no último segundo.
Veja o field goal de 43 jardas de Bonani contra a Universidade do Kansas, no último segundo
Bonani havia sido apenas o terceiro kicker da história da USF a vencer um jogo pressionado e criou em torno de suas habilidades grande expectativa para 2009. No entanto, mais uma vez o destino resolveu mudar o futuro do brasileiro, dessa vez de maneira negativa. Antes do início da temporada, o atleta sofreu um grave acidente em um parque de diversões, fraturou uma vértebra e perdeu o ano de futebol.

Conciliando as atividades escolares e o esporte, o brasileiro trabalhava também como ajudante no Busch Gardens, um dos parques do Sea World. Bonani era o encarregado pelo teleférico e, no dia 18 de julho de 2009, foi conferir a trava de um passageiro. No entanto, a gôndola começou a subir antes do previsto, com kicker da USF pendurado. O resultado foi uma queda livre de mais de 10 metros.

A carreira de Bonani entrou em risco. “O mais importante é que ele não morreu”, disse o técnico Jim Leavitt na ocasião, deixando clara a gravidade do caso. Mas, como para um brasileiro lutando para fazer sucesso jogando futebol-americano, qualquer dificuldade é pouca, o atleta se recuperou, deu a volta por cima e voltou ainda em melhor forma ao College.

Em 2010, o kicker atuou em todas as 13 partidas da temporada, anotando 17 dos 21 chutes que tentou (quatro de mais de 40 jardas), com aproveitamento de 81%, a melhor marca da história da USF; em 2011, seguiu somando recordes a sua carreira e tornou-se o atleta com mais field goals convertidos na história da USF (são 69 no total); e, na última temporada, foi coroado pela primeira vez para o primeiro time da conferência Big East.
Montagem ESPN
Maikon Bonani (esq) disputa vaga com Rob Bironas (dir) no Tennessee Titans
Bonani (esq) disputa vaga com Bironas (dir) nos Titans

A chegada ao Tennessee Titans

Apesar dos bons números, Bonani não foi draftado por nenhuma equipe da NFL. A situação, no entanto, não chega a ser uma surpresa, já que a posição do kicker é ingrata. Apenas um prospecto muito promissor consegue contrato neste momento da temporada. Em 2013, por exemplo, só Miami Dolphins (Caleb Sturgis) e Buffalo Bills (Dustin Hopkins) selecionaram jogadores da função.

Como agente-livre, o brasileiro assina com uma equipe que tem Rob Bironas, com ainda mais dois anos de contrato assinado, como titular. O jogador já foi eleito para o Pro Bowl de 2007, mas tem apresentado queda de rendimento nos últimos anos. Na última temporada, por exemplo, o kicker de 35 anos errou metade de sua tentativas de mais de 40 jardas (5 de 10), a segunda pior média da NFL.

Os números, que talvez ainda não sejam motivo de grande preocupação nos Titans, podem ser a esperança para Bonani se tornar o primeiro brasileiro a atuar pela NFL. Antes dele, dois outros jogadores chegaram “perto” do feito, no entanto, nem um, nem outro era de fato nascido no Brasil. Ambos nasceram nos Estados Unidos, ganharam cidadania brasileira e posteriormente chegaram à Liga.

Entre 1978 e 1980, o também kicker Tim Mazzetti defendeu o Atlanta Falcons. Apesar de os registros da NFL indicarem o atleta como nascido em São Paulo, o jogador nasceu em Connecticut e chegou ao Brasil com dois anos. Entre 1998 e 2002, Damian Vaughn defendeu Cincinnati Bengals e Tampa Bay Buccaneers, mas, o tight end, nascido no Alasca e criado em Minas Gerais, nunca entrou em campo.
Comentários

Da queda de um teleférico aos Titans: a trajetória do kicker que pode ser o 1º brasileiro na NFL

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.