Despedida de Oscar da seleção completa 14 anos, número da sorte do 'Mão Santa'

Igor Resende, da redação do ESPN.com.br
O dia 03 de agosto é muito nostálgico para o basquete brasileiro. Nesta data, em 1996, há 14 anos, um dos maiores jogadores da história do país se aposentava de nossa seleção. Oscar Daniel Bezerra Schmidt, então com 38 anos, encerrava uma brilhante carreira no time nacional, em uma derrota para a Grécia nas Olimpíadas de Atlanta.

“A gente nunca ia ganhar aquele jogo. O clima estava de muita tristeza. É difícil levantar o time em um momento deste. Não tínhamos condições anímicas”, relembra Oscar.

“Foi algo melancólico, mas muito bonito também. Fiquei na seleção até os 38 anos, e isto não é para todo mundo. E cheguei jogando bem, sendo o cestinha das Olimpíadas. Pude me despedir escolhendo o dia. Foi um momento bonito, encerrei um ciclo grande de participação tendo um sucesso relativo, já que ficamos em sexto”, completa o ‘Mão Santa’, apelido ganho pela sua pontaria certeira.

Oscar Schmidt foi um dos grandes responsáveis pelo último grande título do basquete masculino brasileiro. Em 1987, com uma seleção que ainda contava com Guerrinha, Marcel, Gérson Victalino, Israel e ainda outros grandes nomes, nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, nos Estados Unidos, o Brasil conseguiu se tornar a primeira seleção na história a marcar mais de cem pontos nos americanos e vencê-los dentro de sua própria casa, para, de quebra, conquistar o ouro e o título da competição.

“O Pan foi o momento de grande êxtase em minha carreira e de toda a minha geração.Era algo impossível de ganhar, que não se repete e mudou toda a história do basquete mundial”, afirma Oscar, que sempre gostou de atuar com a camisa número 14 e tem uma incrível marca de 7693 pontos em 326 jogos pela seleção brasileira, média 23.5 pontos por jogo.

Além disso, Oscar ainda se despediu da seleção na última participação brasileira em uma Olimpíada, já que o time não se classificou para a disputa dos Jogos de 2000, 2004 e 2008.

“Tenho um orgulho imenso de ter levado os meninos (que começavam na época na seleção) para aquela Olimpíada. O Brasil não joga a competição há três edições, e se não fosse por mim, pelo Amaury, pelo Israel, seria ainda mais. Isso porque sofremos muita pressão na Argentina (onde foi disputado o eliminatório). Não era para termos nos classificado, mas ganhamos do Canadá de Steve Nash e fomos”, conta Oscar, que se engajou em um lado mais de dirigente quando encerrou a carreira e foi um dos grandes responsáveis pela estruturação do Novo Basquete Brasil (NBB), atual campeonato nacional da modalidade.

“Acho que finalmente a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) está fazendo as coisas certas. Então temos grandes chances de dar certo neste momento”, diz com certo otimismo.

“Briguei de frente com a confederação e isto nos proporcionou estas coisas boas que estão acontecendo. Fizemos um campeonato contra a CBB (o NBB), brigando na justiça contra ele. Não é fácil brigar contra o poder, principalmente porque algumas pessoas que eram para estar do nosso lado não se posicionaram assim e hoje se arrependem. Mas ganhei na justiça porque estava certo e a CBB ate teve que me pagar”, conta.

Oscar ainda explicou como fez tanto sucesso na seleção e mostrou todo seu espírito de luta. Ele ainda disse que não se arrepende de nada que fez pela seleção e explica bem os seus motivos.

“Sempre joguei no meu limite, nunca economizei minhas forçar para estar em quadra. Não me arrependo de nada que fiz, porque tínhamos nosso limite. Um jogador sozinho não consegue suprir as necessidades da equipe. Fomos até onde podíamos, fomos exigidos ao máximo e correspondemos em cada campeonato jogado”, afirma.
Comentários

Despedida de Oscar da seleção completa 14 anos, número da sorte do 'Mão Santa'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.