<
>

NHL: John Tavares e a realização do seu sonho de criança

Tavares com a camiseta dos Leafs Getty

Ao testar o mercado da NHL, John Tavares tinha diversas opções. Muitos times se alinharam para tentar atrair o center canadense, capitão do New York Islanders há cinco temporadas e um dos melhores jogadores de hockey do mundo. Afinal, não é todo dia que um jogador do calibre de Tavares está disponível na free agency.

Desde que foi selecionado com a 1ª escolha geral do draft de 2009 pelos Islanders, Tavares fez tudo o que se esperava de um jogador de franquia do seu nível. Apenas quatro jogadores têm mais gols do que os seus 272 desde 2009, também ranqueando em 9º em toda a liga em pontos com 621 pontos em 669 jogos.

Como a cereja do bolo, Tavares foi excelente na última temporada, anotando 84 pontos e marcando 37 gols ao jogar 20 minutos por partida pelos Isles. Não existem dúvidas sobre o quão bom ele é jogando hockey, principalmente em sua idade atual: 27 anos, o auge de sua carreira.

John Tavares ouviu ofertas de Boston, San Jose, Dallas e Tampa Bay, além de ter sido contatado por Montreal, Nashville, Vegas e tantos outros times. Mas no final das contas, apenas duas opções realmente faziam sentido para ele.

Continuar na franquia que tanto confiou em sua liderança e deu todas as oportunidades para que ele tivesse sucesso, ou mudar de ares e assinar com uma franquia que o dê uma melhor chance para vencer a Stanley Cup.

Tavares optou pela segunda opção, que não é apenas uma oportunidade melhor de vencer. É também uma oportunidade de vencer jogando em casa.

Nativo de Toronto, o canadense deixou bem claro que seu coração falou mais alto na hora de optar por qual franquia ele gostaria de jogar.

A franquia que ele cresceu admirando, sonhando com o dia que ele poderia vestir o uniforme com a Maple Leaf costurada no peito.

E o que há de errado com isso? Nada.

Toronto é um mercado fervoroso, que consome hockey como pouquíssimas outras cidades no mundo. Muitos jogadores já se imaginaram jogando pelo time de sua cidade-natal, mas poucos tiveram a coragem de encara tamanho desafio.

A situação se desenrolou de maneira perfeita, como o próprio Tavares disse em sua coletiva de apresentação. Ele entrou no mercado na hora certa. Os Leafs têm um grupo de ataque extremamente talentoso em que irá se encaixar como uma luva, um dos melhores técnicos do mundo e diversos jogadores jovens que estão provando ter qualidade suficiente para brigar por um título mais cedo ou mais tarde.

Com Tavares, não será mais tarde. E sim, imediatamente.

Os Maple Leafs terminaram a temporada passada com 105 pontos, o suficiente para garantirem a 3ª posição na divisão Atlântica. No entanto, eles terminaram na 7ª posição geral, tendo o 2º melhor ataque da liga e a 11ª melhor defesa.

Sim, a temporada de Toronto foi excelente mesmo com tantos buracos defensivos – evidenciados ainda mais nos playoffs na derrota em sete jogos para os Bruins. Com certeza Kyle Dubas irá cuidar destes problemas na defesa do time antes da temporada regular começar.

Falando em Kyle Dubas, o que dizer do General Manager de apenas 32 anos? Em seu primeiro mês no trabalho, ele consegue adquirir o maior jogador a passar por Toronto desde...Roger Clemens em 1997? E sim, tivemos que incluir a MLB para que a comparação fosse suficiente.

Dubas não só convenceu Tavares a voltar para sua casa, como o convenceu a fazê-lo por um preço extremamente razoável. $11 milhões de dólares por sete anos pode parecer muito dinheiro, e de fato é. Porém, usemos os comparativos nos últimos anos. Anze Kopitar e Jack Eichel assinaram contratos similares de $10M por temporada, oito anos, $80M no total. Mas ao renovarem com o time que já detinha seus direitos, Kopitar e Eichel puderam assinar o oitavo ano do negócio, diferente de Tavares, um agente livre irrestrito.

Tavares poderia ter escolhido a opção mais lucrativa. San Jose ofereceu $13M por temporada. Dallas chegou nesse número também. Sabe-se lá quanto Vegas estaria disposto a pagar. Você duvidaria se o número fosse $14M, $15M? Connor McDavid ganha $12.5M, sendo que ele era um agente livre restrito quando assinou sua renovação, o que significa um controle de negociação muito maior por parte de Edmonton do que McDavid.

Tavares tinha o mundo aos seus pés. Se ele quisesse ganhar mais que McDavid, ele teria ganhado.

Mas ele decidiu realizar seu sonho de criança, voltando para casa e colocando o Toronto Maple Leafs em uma posição maravilhosa para competir por uma Stanley Cup já na próxima temporada.

Primeiro, analisemos o que Tavares passou com os Islanders na temporada passada. NY terminou em último em toda a liga com uma média de 3.57 gols contra por partida. O time era extremamente desregulado, apesar das boas peças ofensivas que eram majoritariamente impulsionadas por jogarem ao lado de um jogador de elite como Tavares.

E então, o que Toronto pode oferecer? A começar por Frederik Andersen. Andersen se consolidou como um dos melhores goleiros da liga na temporada passada, jogando um total de 73 partidas pelos Leafs e sendo o quarto colocado na votação do troféu Vezina, que premia o melhor goleiro da liga. O nível de Andersen não chega perto do que Tavares tinha em New York entre as traves.

Claro, a segunda parte da equação é o ataque. A fórmula de Pittsburgh se aplica aqui: ter jogadores de franquia no centro do gelo, como Crosby e Malkin, e construir o resto ao redor deles. Toronto agora tem seus dois pilares de concreto em John Tavares e Auston Matthews em que eles podem construir o time em cima.

A pergunta que surge é: como manter tantos jogadores jovens juntos por um longo período? A resposta: eu não sei. Mas Kyle Dubas sabe.

William Nylander ainda precisa de um novo contrato para jogar a temporada 18-19. Matthews e Marner precisarão de contratos novos para a próxima temporada, assim como Jake Gardiner, cujos 52 pontos na temporada regular geram menos reconhecimento do que deveria. Matthews está no nível dos $10M. Marner nos $7M. Gardiner nos $6M.

Essa é a pergunta que todo fã de hockey faz. Você acha que Tavares também não tinha essas dúvidas em sua cabeça? Eu não tenho a menor dúvida de que sim.

Na última segunda-feira, 25, Tavares se sentou junto ao seu agente, Pat Brisson, e sua esposa com os representantes de Toronto: Kyle Dubas, o GM, Brendan Shanahan, o presidente, e Mike Babcock, o técnico. O encontro durou mais de duas horas.

Tavares com certeza fez as perguntas difíceis. Como vamos manter Matthews, Marner e Nylander dentro do teto salarial? Como será a divisão de minutos no gelo com Matthews e Kadri? Como vocês pretendem arrumar a defesa de vocês que foi tão crucialmente fatal na eliminação para Boston?

Como mencionei acima, eu não sei as respostas. Mas Dubas sabe. John Tavares agora sabe, e a consequência está aí. Ele com certeza acredita no plano ao assinar seu novo contrato com os Leafs.

Tavares chega à Toronto sendo o jogador que mais pontuou na última temporada passada. Seus 84 pontos são 15 a mais dos 69 que Marner teve. Seus 37 gols também são mais do que qualquer outro jogador dos Leafs marcou em 17-18.

Ele terá a oportunidade de jogar ao lado de Mitch Marner, um dos jogadores mais dinâmicos e com maior potencial ofensivo em toda a liga. No power play, pode apostar que ele terá oportunidades de dividir o gelo com Matthews. Uma equipe com Morgan Rielly, Matthews de um lado, Tavares do outro, Marner circulando e Patrick Marleau na frente do gol não soa nada mau.

Quando Steven Stamkos testou a free agency há dois anos, os Leafs não estavam prontos para Stamkos.

Agora, os Leafs estão prontos para John Tavares. O dinheiro faz sentido. O encaixe faz sentido. A oportunidade, que é uma para toda a vida, também faz sentido.

E Tavares está pronto para a missão de trazer a primeira Stanley Cup para a franquia em mais de 50 anos.